Pub

gafanhoto

Um grupo de 43 militares já está no terreno para apoiar a Direcção-geral da Agricultura no combate à praga de gafanhotos na ilha de Santiago, que já é considerada pelo Governo como situação de emergência.

Segundo o coordenador do grupo, capitão Carlos Dias, os militares vão ser distribuídos pelos concelhos de São Domingos e Santa Cruz.

Contudo adiantou que dependendo da avaliação da situação no terreno as equipas vão ser retribuídas. “Nos estamos preparados para actuar o tempo que for necessário. Isto claro vai depender da avaliação do Ministério de Agricultura. Estamos a falar de uma situação que envolve várias instituições e numa situação de emergência estamos prontos para dar o nosso contributo” disse em declarações a Rádio de Cabo verde.

Desde a semana passada que o grupo multissectorial de seguimento do ano agrícola detectou focos de gafanhotos em vários concelhos do país.

Em São Domingos, grandes enxames de gafanhotos invadiram as casas das pessoas e terrenos agrícolas e há campos de cultivo onde a cultura do milho já está praticamente dizimada.

Segundo José Teixeira, as zonas mais afectadas com a praga de gafanhotos estão nos municípios da Praia, Ribeira Grande Santiago, São Domingos, Santa Cruz e Tarrafal.

A praga afecta também as ilhas do Fogo, São Vicente e São Nicolau.

Com Inforpress

Jose Gonsalves

O ministro do Turismo, Transportes e Economia Marítima, José Gonçalves, efectuou no sábado, 24, uma visita aos Ilhéus Rombo, para conhecer as “riquezas e maravilhas” destas áreas classificadas como reserva natural integral.

Este é o primeiro membro do Governo a efectuar uma visita aos ilhéus Rombo, situados na região Fogo/Brava, tendo Gonçalves “registado”, com uma anilha de identificação que colocou no pássaro, uma das aves que nidificam nos ilhéus, o Rabo de Junco.

Este trabalho de identificação vem sendo feito pelo Projecto Vitó, que, segundo o coordenador Herculano Dinis, se trata do “bilhete de identidade” desses pássaros.

Segundo José Gonçalves, a visita, “há muito esperada”, veio “em muito em boa hora”, considerando que esteve “bem acompanhado” com o coordenador do Projecto Vitó, de elementos da Associação Biflores, agentes da Polícia Marítima e de técnicos que estão a trabalhar no processo de conservação e preservação dos ilhéus, que, segundo o mesmo, foi uma forma de “mostrar a importância que tem o meio ambiente”.

O governante efectuou uma visita ao ilhéu maior, observando a realidade de como vivem os pescadores que o frequentam, embora a ausência de pescadores no momento da visita.

Contudo, observou o local onde dormem, cozinham e fazem de tudo para ali permanecerem durante a faina, na procura do sustento da família, mesmo como a proibição de frequentarem o espaço, classificado como reserva natural integral.

Depois seguiu para o ilhéu menor, este constituído por mais de 20 praias balneares, cada uma com a sua particularidade, chegando a ter areia de duas cores, dando ali o caso de existirem praias bem próximas umas das outras em que uma é de areia preta e outra de areia branca.

Além disso, é neste ilhéu que se encontra identificado “o maior número” de ninhos de tartarugas e de outros pássaros e é aí, também, que estão acampados os técnicos do Projecto Vitó e da Associação Biflores.

Ante os factos, o ministro considerou que os ilhéus são “de facto uma maravilha”, onde pode-se ver espécies raras e lagartos que são peças de “extrema importância”, visto que se encontram “em vias de extinção”.

José Gonçalves disse ainda que teve oportunidade de presenciar “um grande cuidado e carinho para com o ambiente”, sobretudo pelas tartarugas, na vigilância dos ninhos.

Salientou ainda que ficou “impressionado” com o trabalho e o nível de qualidade do Projecto Vitó, enquanto trabalho científico ligado a uma rede internacional, e que o Governo “acarinha” e vai procurar formas de colaborar com o projecto, fazendo com que os seus projectos sejam “mais sustentáveis”.

Com Inforpress

azuçlejo

A fábrica de transformação de plásticos em azulejos, em Penedo de Janela, no Paul, Santo Antão, superou as expectativas da proprietária, Maria Teresa Segredo, que não esperava “um salto tão grande em tão pouco tempo”.

“A fábrica fez dois anos no mês de Junho e já é conhecida mundialmente”, disse Maria Teresa Segredo à Inforpress, adiantando que tem conhecimento de que a transformação de plásticos em azulejos tem sido notícia em vários canais de comunicação da Europa e de várias outras partes do mundo.

A empresária está satisfeita com o trabalho desenvolvido pelos técnicos da fábrica, todos recrutados no concelho do Paul, que tudo têm feito para que a produção seja a desejada, sobretudo porque a fábrica de reciclagem de plásticos “é única no mundo”, segundo Maria Teresa Segredo.

A proprietária da fábrica de reciclagem de plásticos declarou-se orgulhosa por saber que Santo Antão está com menos plástico no ambiente e até as ilhas de São Vicente, do Sal e de Santiago já começaram a fazer a recolha do plástico que será reciclado em Penedo de Janela.

A fábrica de transformação de plástico em azulejos já emprega oito funcionários que dão conta da recolha de plásticos e da produção de azulejos.

Com Inforpress

azulejo ii