Pub

HAN

Nas últimas 24 horas foram analisadas 25 amostras, que confirmaram sete casos positivos na Praia, enquanto as restantes 18 testaram negativo para covid-19: onze de São Miguel, três da Praia e um da região sanitária de Santiago Norte.

Cabo Verde passa a contar com mais sete casos testados positivos, todos no concelho da Praia, elevando para 267 o total de pessoas infectadas, segundo dados do Laboratório de Virologia do Instituto Nacional da Saúde Pública hoje actualizados.

Foram analisadas também três amostras para controlo de doentes em seguimento, sendo um negativo e dois positivos, pelo que o número total de casos confirmados cumulativos passa a 267.

Com estes sete casos novos, Cabo Verde passa a contar com um total de 267 casos confirmados, sendo 204 no concelho da Praia (09 recuperados) 56 na ilha da Boa Vista (46 recuperados) três em São Vicente (todos recuperados) dois no Tarrafal de Santiago e dois no município de São Domingos.

De momento estão 205 casos activos no País, os quais o Ministério da Saúde garante que estão todos com evolução clínica favorável.

De realçar que a ilha da Boa Vista somou hoje o 47.º doente de covid-19 considerado recuperado, permanecendo com seis pessoas em internamento e sem registo de novos casos positivos desde abril.

“Hoje nós tivemos boas notícias em relação a altas de covid-19. A Boa Vista notificou-nos uma alta, agora há pouco, e o Hospital Agostinho Neto, aqui na Praia, informou-nos há bocado que tiveram duas altas (…) Estão bem e vão continuar o seguimento em casa”, disse Jorge Noel Barreto, diretor de Serviço de Prevenção e Controlo de Doenças, no balanço diário da pandemia da covid-19, realizado ao final do dia.

De acordo com o responsável, ao final da tarde de hoje foram conhecidas três altas hospitalares de doentes até agora positivos para covid-19, após dois testes negativos. Além do caso da Boa Vista, também de doentes da Praia e de São Domingos (ilha de Santiago), elevando assim o total de recuperados em Cabo Verde para 61 (ainda 10 na Praia e três na ilha de São Vicente), num acumulado de 267 casos positivos.

Com 56 casos contabilizados desde 19 de março na Boa Vista, sendo que um dos quais terminou na morte de um turista inglês e outros dois estrangeiros infetados regressaram aos países de origem, Jorge Noel Barreto acrescentou que até ao dia de hoje 47 pessoas foram dados como recuperados e seis permanecem internados naquela ilha, que já foi o foco principal da doença no arquipélago.

Jorge Noel Barreto acrescentou que há “praticamente duas semanas” que não se registam novos casos positivos de covid-19 na Boa Vista.

A situação naquela ilha obrigou o Governo a colocar o Ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, durante 15 dias, em abril, em permanência na Boa Vista, com poderes delegados do primeiro-ministro para gerir a pandemia localmente.

No dia 15 de abril, Cabo Verde registou 45 novos casos positivos de covid-19 entre os funcionários de um hotel na ilha da Boa Vista (que registou o primeiro caso da doença no país) que até dias antes estavam em quarentena, elevando então para 56 doentes o total no país.

A ilha - que foi a primeira a ser isolada em 19 de março para conter a pandemia -, tal como Santiago, são as únicas que permanecem em estado de emergência, cujo terceiro período está em vigor até às 24:00 de 14 de maio.

No total, Cabo Verde já registou 267 casos de covid-19 desde que o primeiro doente foi diagnosticado, em 19 de março, distribuídos pelas ilhas de Santiago (208), Boa Vista (56) e São Vicente (03, todos recuperados), totalizando desta forma 202 casos ativos (194 na Praia, seis na Boa Vista e dois no Tarrafal), todos em internamento.

Há ainda registo de 372 em quarentena, essencialmente na Praia, que é atualmente o foco da doença no arquipélago, com 76% do total (204 casos).

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 286 mil mortos e infetou mais de 4,1 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Quase 1,4 milhões de doentes foram considerados curados.

Com Inforpress/Lusa

Comentários  

0 # nomest 12-05-2020 20:56
Os cidadãos da Cidade da Praia, melhor dizendo os cidadãos nascidos na Cidade da Praia têm como traço do seu DNA uma certa mania que são mais que os demais cidadãos caboverdeanos. È normal. Assim era no tempo colonial com os portugueses e depois de 1975 tendo saido os portugueses ficou a "mandar" os cidadãos nascidos na Praia. Assim sendo é normal ver um Ludjero Correia, Filinto Elisio, um Cesar Schofild, um Luis Filipe Tavares acharem-se superiores aos demais cabovedeanos pela singela razão de terem nascidos na Cidade da Praia. Esse mania de serem os mais acaba por transbordar para toda a socieadde. E quando se decretou "FECHAR Boavista" na realidade o que o Sr. Primeiro-Ministro estava a dizer é que iriam fechar a ilha para os cidadãos caboverdeanos de segunda, portanto aqueles que são das outras ilhas. Para a Cidade da Praia fechariam era os olhos e pela calada de noite continuaria - "Biziness" as usual - com gentes a chegar ora um bote, um barco, ora o próprio Guardião levando e trazendo pessoas de Boavista para Praia. E hoje temos portanto que : TODAS as ilhas estão a ficar sem casos de Covid-19 e a Cidade da Praia só está no começo da pandemia.
Responder