Pub

artur correia4

O diretor nacional de Saúde alertou esta segunda-feira, 4, para um “certo desleixo” no cumprimento de medidas de prevenção da covid-19 em algumas ilhas, avisando que, se não houver mudança de comportamentos, a situação poderá sair do controlo das autoridades. 

“Nós estamos numa situação muito preocupante, a situação da covid-19 em Cabo Verde continua a aumentar, sobretudo no concelho da Praia. Apesar dos bons resultados que já temos na Boa Vista, devemos dizer que temos de estar preparados, vamos ter mais casos”, alertou Artur Correia, na cidade da Praia, no ponto de situação do novo coronavírus. 

O responsável de saúde notou que o país não pode viver eternamente em estado de emergência ou de contingência, pelo que apelou às pessoas para mudarem comportamentos. 

“Nada é como dantes, e aqui não só as autoridades, mas também as populações têm um papel fundamental. Essa mudança de comportamento está nas nossas mãos. A responsabilidade é nossa”, afirmou Artur Correia, dando conta de um “certo desleixo, abrandamento” no cumprimento das medidas, quer de confinamento, quer para evitar aglomeração de pessoas. 

Cabo Verde regista um total de 175 casos acumulados de covid-19, distribuídos pelas ilhas de Santiago (116), Boa Vista (59) e São Vicente (03), com dois óbitos e 37 recuperados. 

Na cidade da Praia, o foco principal da doença no país com 113 casos positivos, por exemplo, várias fotos têm sido publicadas nas redes sociais dando conta de aglomerações de pessoas em frente de estabelecimentos comerciais, bancos, sem verificar todas as medidas de proteção. 

O diretor nacional de Saúde disse que isso “é reprovável”, chamando a atenção que, a continuar assim, o país vai eventualmente ter “mais casos e mais mortes” no país. 

“Se as pessoas continuarem com esse comportamento, a situação poderá descambar, poderá piorar e poderá sair do nosso controlo. E nós não queremos isso. Tudo depende de nós próprios”, insistiu o porta-voz do Governo cabo-verdiano, num apelo feito no balanço dos 45 dias desde o diagnóstico do primeiro caso no arquipélago, em 19 de março. 

Artur Correia admitiu que as autoridades de saúde têm estado a constatar o desrespeito das pessoas às medidas de prevenção da doença, insistindo que a situação “pode descontrolar-se a qualquer momento se houver relaxamento”. 

“Daí toda a importância de continuarmos com essa mudança de comportamento”, prosseguiu o responsável, que reconheceu “falhas” em todos os setores, mas sublinhou que o que interessa é constatá-las, “passar por cima” e reforçar o que deve ser reforçado. 

“As autoridades policiais têm um papel fundamental, pedagógico, mas também, se for o caso, repressivo, para fazer cumprir das normas, as recomendações que estão em sintonia com o estado de emergência na Praia, mas nas outras ilhas também”, notou. 

As ilhas de Santiago e da Boa Vista entraram domingo no terceiro período de estado de emergência em Cabo Verde, em vigor até ao final do dia 14 de maio.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 247 mil mortos e infetou mais de 3,5 milhões de pessoas em 195 países e territórios. 

Mais de um milhão de doentes foram considerados curados. 

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Com Lusa

Comentários  

+1 # Daniel Carvalho 05-05-2020 18:17
Para: Álvaro Silveira
Concordo consigo, mas há um problema que neste momento não se pode atacar com muita frontalidade, que é um certo habito de "mendingança", a que as muitas pessoas vêm cultivando não de agora,pois foram muito estimulados pelos nossos próprios políticos ao longo de tempos. Quantas vezes ouvimos os nossos de[censurado]dos no parlamento,a defenderem os "coitados" do povo, sempre que lhes faltam argumentos.Veja o que o PAICV está a fazer neste momento:defendendo com unhas e dentes a construção clandestina na Cidade da Praia, como forma de resolver o problema dos coitados, em pleno Estado de Emergência. É esse tipo de oportunismos demagógicos que levam as pessoas a pensarem que estão certas quando não, e sentem-se estimulados a insistir no caminho torto.
Lembro-se uma vez ter ouvido de[censurado]do no parlamento, a desabafar qualquer coisa como: quando eu era pequeno, aprendi que " koitado é fidjo di kafanhoto qui ka tem mai ka tem pai", e hoje, o povo transformou-se em pobre coitado que os nossos tribunos devem defender, hoje e agora, para depois irem cobrar.
Mas o problema da pobreza na Praia é a mais dura realidade do país, a crer nos dados do INE. Entretanto, as bebedeiras e a delinquência da Cidade, o desrespeito pelas autoridades ausentes, é um mal que não rima com a pobreza.
Responder
+2 # Celestino Silva 05-05-2020 14:21
Só não percebi o porquê de não deixar os carros a circularem, quem têm essa explicação que me explique, porque fiquei sem saber o porquê?

Erros + erros + erros = Desgraça.

Coragem e muita força para o meu país.
Responder
0 # notoryus 05-05-2020 21:35
eu também fiquei pasmo ao ouvir o DGS e outras entidades a defenderem o ANONIMATO das pessoas infetadas !!!

quer dizer estamos em ESTADO DE EMERGENCIA para algumas coisas mas para outras não ?

eu ficaria muito mais tranquilo se tiver conhecimento das pessoas que estão infetadas. se ficar infetada também gostaria que soubessem para se manterem afastados de mim.

É COM INFORMAÇÃO QUE SE COMBATE A IRRESPONSABILIDADE E COMPORTAMENTOS EGOISTAS DA NOSSA SOCIEDADE !!!

o Governo de Cabo Verde acha que preservar a identidade dos infetados permite evitar a sua descriminação ... ok ok ok então ISOLAR E CONFINAR esses doentes não é uma forma de descriminação?

sugiro quem tem conhecimento dos casos no seu barro identifique e publique nas redes sociais para o bem de todos!
Responder
+1 # Putain 05-05-2020 17:53
oh meu caro, esta terra os burros armam-se em espertos e o espertos armam-se em burros ...

os taxis são os maiores vetores de transmissão da doença deveriam estar parados. agora coimam os carros, as pessoas tem de andar de taxis e permanecem fora de casa mais tempo ... quem deveria ser multado e coimado são essa gente com miolos de macaco!
Responder
+2 # Daniel Carvalho 05-05-2020 12:34
"Nós estamos numa situação muito preocupante, a situação da covid-19 em Cabo Verde continua a aumentar, sobretudo no concelho da Praia". Citação.
Visivelmente que sim, pois pelos dados estatísticos oficiais, os casos de infecção vêm aumentando continuamente na Cidade da Praia e não se vislumbra com a mínima de confiança, a imagem do futuro próximo.A pergunta que fica é, que fazer para inverter a tendência?
Naturalmente que não tenho resposta,mas como conheço razoavelmente a Cidade da Praia e o modo de vida das nossas gentes, arrisco em dizer que o problema de fundo está nos "bairros" periféricos, onde a polícia sequer visita, e a bolsa já se tornou saco de pobreza.
É interessante constatar a forma como o Platô esta cercado pela Polícia, a Avenida Cidade de Lisboa bloqueada de tal forma, dando a ideia de que são as viaturas que andam a transportar os vírus.
Segundo pude informar, só no último fim de semana, realizaram-se seis intervenções cirúrgicas no HAN, em casos resultantes de selvajarias nocturnas, mas disso não se dá conta.
Na semana passada, num determinado bairro da cidade,à noite, numa determinada tasca sequer licenciada, na sequência de um desentendimento, um individuo esfaqueou outro, que foi imediatamente socorrido ao HAN, tendo sido submetido a uma intervenção cirúrgica de emergência, encontrando-se ainda hospitalizado. Veja-se a gravidade da agressão.
O acto foi presenciado por outros frequentadores do espaço,o que facilitou a detenção do agressor que, por sinal no dia seguinte, foi apresentado ao MP para receber o seu TIR e voltar para o mesmo espaço.
Poupem um pouco a avenida cidade de Lisboa e outras que são espaços mais ou menos seguros,com uma presença mínima da polícia e entrem nos interior dos barros para imporem a Autoridade do Estado, com igual brio como fazem nas avenidas.
Enquanto não se mudar de estratégia de combate ao Covid-19 na Cidade da Praia,não se pode esperar dias melhores. E mais, só quem não conhece a Praia está surpreendido com o que se passa e optimista, até com vontade de cantar vitória.
Duas medidas de fundo têm que ser tomadas imediatamente, se se quiser ver a tendência invertida:
-Reforçar a Autoridade do Estado,aumentando seriamente a fiscalização do interior dos bairros;
- Socorrer as famílias sem rendimento, considerando que enquanto o tempo da emergência decorre as dificuldades para as famílias vão aumentando.
Devo deixar claro que não associa a delinquência à pobreza,embora se sabe que, não raras vezes apareçam associadas.
Ainda bem que o Presidente da Câmara Municipal da Praia Conhece,julgo que bem, a Cidade que dirige.
Responder
+2 # Santos 05-05-2020 07:51
Na cidade da praia há uma realidade escondidas pelos poderes politicos, ha imensa pobreza, miséria, as elites politicas esconde esta realidade para poder granjear palmas da comunidade internacional, na cidade da praia há centenas de jovens que vivem do lavar carros, ha milhares de pessoas que vivem do “tchapo na mon”, como fazer mandados, fazer compras, lavar roupas, dar animais comidas etc, ha milhares de pessoas que vivem do lixo, ha milhares de pessoas que vivem da prostituição, ha milhares de pessoas que vivem do sector da construção civil etc etc, infelizmente ha uma ínfima parte que vive da politica, que são servidores e mamadores do estado, que vivem de lambe botas, etc, são essas ínfima parte que abocanha maioria das riquezas do país. Obrigar a maioria que vivem do tchapo na mon a ficar em casa é decretar sentença de morte
Responder
-3 # Álvaro Silveira 05-05-2020 11:11
Qual pobreza! Pobreza há em todos os cantos de cabo verde! Há é uma certa rebeldia e tendência para facilidades na cidade da Praia. Todos querem ser coitados e apontar os dedos aos governantes. Não venham com tretas tentar justificar o injustificável e apontar o dedo aos outros!
Responder
0 # Manú 06-05-2020 09:58
Este Alvaro sempre a defender esses governantes do MpD. Deve estar bem servido. Isto é que é injustificável.
Responder