Pub

amilcarc

O ideólogo das independências da Guiné-Bissau e Cabo Verde, Amílcar Cabral, foi considerado o segundo maior líder mundial de todos os tempos, numa lista elaborada por historiadores para a BBC. A lista é da “BBC World Histories Magazine” e foi feita por historiadores, que nomearam aquele que consideraram o maior líder, alguém que exerceu poder e teve um impacto positivo na humanidade.

Num trabalho que começou no início do ano, a revista contou com a colaboração dos mais destacados historiadores e a votação de leitores, que escolheram como o maior líder de sempre Maharaja Ranjit Singh, líder do império sikh do início do século XIX.

Maharaja Ranjit Singh foi considerado um modernizador e unificador, com um reinado que marcou uma era muito positiva para o Punjab e o noroeste da Índia. Teve mais de 38% dos votos.

E logo a seguir, com 25% dos votos, aparece Amílcar Cabral, descrito como o “combatente pela independência africana”, que reuniu mais de um milhão de guineenses para se libertarem da ocupação portuguesa, uma ação que levou outros países africanos colonizados a lutarem pela independência.

Depois de Amílcar Cabral, surge na lista o britânico Winston Churchill, com 07% dos votos, e em quarto lugar o Presidente americano Abraham Lincoln, seguindo-se na quinta posição a monarca britânica Elisabeth I. A lista incluía o faraó AmenhotepIII, o rei inglês William III, o imperador da China Wu Zetian, a combatente francesa Joana d´Arc, o imperador do Mali Mansa Musa, a imperatriz russa Catarina, a Grande, ou o Papa Inocêncio III, entre uma vintena de nomes.

Amílcar Cabral foi escolhido pelo historiador britânico Hakim Adi, especialista em assuntos africanos, e para quem a luta de Cabral pela independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde também transformou Portugal. Professor de História de África e de Diáspora Africana na Universidade britânica de Chichester, Hakim Adi lembra, ao justificar a escolha de Amílcar Cabral, que grande parte dos países africanos alcançou a independência no início dos anos 1960, o que não aconteceu com as então colónias portuguesas.

E diz depois que “o grande Amílcar Cabral” além da luta pela independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde também teve um papel de liderança na libertação de outras colónias portuguesas. E essas lutas armadas acabaram por resultar numa revolução em Portugal “e no início de uma nova era democrática” na netão metrópole. “Muitos africanos continuam a ser inspirados pela grande liderança de Cabral. A sua vida e trabalho mostram que, quaisquer que sejam os obstáculos, as pessoas são capazes de ser os seus próprios libertadores”, diz o historiador.

Entre os historiadores convidados que escolheram os “seus” líderes contam-se o professor de História e cientista político especializado em história da China da Universidade de Oxford, Rana Mitter, a professora e historiadora da Universidade de Toronto, Margaret MacMillan, ou o historiador e diretor do Smithsonian's National Museum of African Art em Washington, Gus Casely-Hayford.

Nascido na Guiné-Bissau em 12 de setembro de 1924, filho de cabo-verdianos, Amílcar Cabral fundou o PAIGC, lançando as bases do movimento que levaria à independência das duas antigas colónias portuguesas, Guiné e Cabo Verde.

Cabral foi assassinado em 20 de Janeiro de 1973, em Conacri, em circunstâncias ainda hoje não totalmente claras, antes de ver os dois países tornarem-se independentes.

Com Lusa

Comentários  

+1 # pena 11-03-2020 21:28
cabral dirigiu uma luta de libertação para um bando de rapazinhos de hoje virem roubar o povo.
Responder
+2 # Joana Inês Sá 11-03-2020 14:43
Muito interessante que à frente de Cabral tenha ficado em primeiro lugar, um tenebroso chefe skii,indiano ou paquistanês. E que Winston Churchill só tenha aparecido em terceiro lugar. ??...
O perfil dos votantes diz tudo. Emigrantes,não europeus. Está tudo explicado.
Responder
+3 # Manú 09-03-2020 15:39
E em que lugar ficou o grande líder Carlos Veiga?
O MpD bem tentou, desde o seu surgimento, apagar as figuras histórias que contribuíram para a independência de Cabo Verde. Mas não conseguiram e nem vão conseguir. Só sabem cultivar ódio e vingança.
Responder
+1 # Ulisses 09-03-2020 08:49
Quem não ficou contente, que sofra!
Cabral e se herdeiros, ca podedu cuel!
Viva Cabral e se feitos!
Responder
0 # Planalto 09-03-2020 08:46
Os emipedistas que xupem limão
Responder
+1 # João M J Melo 08-03-2020 11:11
Esqueceram-se de Nelson Mandela?
Responder
0 # Carlos Drummond 07-03-2020 20:37
(Extraido do Wikipedia)
Os Grandes Líderes foi uma coleção publicada no Brasil pela Nova Cultural em 1987, sendo composta por 90 volumes de capa dura contendo cerca de 100 páginas cada um. Diversos autores foram responsáveis pelo texto dos volumes, todos professores de universidades renomadas e jornalistas.

Número Primeira edição
????
capa dura
19 X 25 cm Segunda edição
01 Abraham Lincoln
02 Adenauer
03 Alexandre o Grande
04 Arafat
05 Ben Gurion
06 Benito Juárez
07 Bismarck
08 Bob Kennedy
09 Brezhnev
10 Carlos Magno
11 Catarina, a Grande
12 Júlio César
13 Augusto
14 Cesar Bórgia
15 Che Guevara
15 Chu En-Lai
16 Churchill
17 Cleópatra
18 Corazón Aquino
19 Cortez
20 Cromwell
21 Danton
22 De Gaulle
23 Deng Xiaoping
24 Eisenhower
25 Elisabeth I
26 Ferdinando Marcos
27 Fernando e Isabel
28 Fidel Castro
29 Franco
30 Franklin Roosevelt
31 Frederico
32 Gandhi
33 Garibaldi
34 Gengis Khan
35 George Washington
36 Getúlio Vargas
37 Golda Meir
38 Gorbachev
39 Henrique VIII
40 Hirohito
41 Adolf Hitler
42 Ho Chi Min
43 Saddam Hussein
44 Indira Gandhi
45 Ivã, o Terrível
46 Jefferson
47 Joana d'Arc
48 João XXIII
49 Juscelino
50 Kadafi
51 Kennedy
52 Khomeini
53 Kissinger
54 Kruschev
55 Lênin
56 Luís XIV
57Luís Inácio Lula da Silva 57 Madre Teresa
58 Mao Tsé-tung
59 Marco Antônio
60 Margaret Thatcher
61 Maria Stuart
62 Mário Soares
63 Martin Luther King
64 Martinho Lutero
65 Menachem Begin
66 Mussolini
67 Napoleão
68 Nasser
69 Nehru
70 Nero
71 Nicolau II
72 Nixon
73 Os Gemayel
74 Péricles
75 Perón
76 Rainha Vitória
77 Rei Arthur
78 Reza Pahlavi
79 Robespierre
80 Sadat
81 Simon Bolívar
82 Stálin
83 Sun Yat-sen
84 Tancredo Neves
85 Theodore Roosevelt
86 Tito
87 Trotsky
88 Willy Brandt
89 Winnie e Nelson Mandela
90 Xerxes
||91||Luís Inácio Lula da Silva||
Responder
+1 # Domingos L. de Barro 07-03-2020 18:37
Feliz e contente. De outra forma não podia estar.
Responder
+5 # Manuel Jesus Pires O 07-03-2020 09:20
E, agora, que irá dizer o célebre De[censurado]do Emanuel Barbosa?
Responder