Pub

video

O sistema de videovigilância que funciona na Praia, operado pela Polícia Nacional e que este ano será alargado a mais quatro cidades cabo-verdianas, permitiu prevenir cerca de 2.000 potenciais ocorrências em 2019, anunciou hoje o Governo.

De acordo com a informação prestada pelo ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, na Assembleia Nacional, na primeira sessão parlamentar de fevereiro, as mais de 300 câmaras de videovigilâncias instaladas na Praia registaram ainda 2.900 ocorrências “consumadas” e que foram tratadas posteriormente pela Polícia Nacional.

Na Praia, este sistema funciona durante 24 horas e é operado por 32 agentes policiais, em turnos de seis horas.

“Em 2019, com recurso às imagens das câmaras de videovigilância, a Polícia Nacional conseguiu antecipar e prevenir cerca de 2.000 potenciais ocorrências. Digo prevenir porque são casos em que a intervenção precoce da Polícia Nacional permitiu que muitas delas degenerassem, evitando assim a consumação de ocorrências”, disse o ministro, questionado pelos deputados.

O governante sublinhou que o sistema de videovigilância que funciona na Praia, no âmbito do programa Cidade Segura, financiado pelo Governo chinês, tem permitido uma intervenção preventiva “rápida e célere” por parte da Polícia Nacional.

Em dezembro, em entrevista à Lusa, o ministro anunciou que o alargamento do projeto Cidade Segura da capital cabo-verdiana a mais quatro cidades deverá estar concluída em nove meses, permitindo instalar 470 novas câmaras de videovigilância, com a possibilidade de uma eventual terceira fase chegar a Santiago Norte.

Paulo Rocha explicou que esta segunda fase do projeto Cidade Segura é financiada integralmente, ao nível dos equipamentos e serviços tecnológicos, pelo Governo da China, com quase 12 milhões de euros.

“A videovigilância é a parte mais visível, mas [o projeto Cidade Segura] não se resume à videovigilância. Para mim, a parte mais importante do projeto é aquilo que traduz em termos de reforço da cooperação das ações da Polícia Nacional”, sublinhou o governante.

A segunda fase, lançada oficialmente no início de dezembro, prevê um reforço do sistema em funcionamento na Praia (ilha de Santiago, Sul) desde junho de 2018 com cerca de 300 câmaras de videovigilância, e o alargamento à área da cidade do Mindelo (300 novas câmaras), na ilha de São Vicente, às cidades de Espargos e Santa Maria (total de 112 novas câmaras), na ilha do Sal, e à cidade de Sal Rei (60 novas câmaras), na ilha da Boa Vista.

“Estimamos que em oito a nove meses teremos todo o sistema instalado”, adiantou o ministro.

Toda a componente tecnológica do projeto é garantida pela multinacional chinesa Huawei, cabendo ao Estado cabo-verdiano a construção, com verbas do Orçamento do Estado, dos centros de comando – que operam, com agentes da polícia, a rede de videovigilância - em São Vicente (em curso), no Sal (obra a lançar) e na Boa Vista (adaptação das instalações já existentes).

“Através do centro de comando passamos a ter uma unidade com efetivos dedicados à gestão das ocorrências, dia a dia, no momento em que elas acontecem”, sublinhou Paulo Rocha, explicando que a partir destes centros passa a ser garantida toda a comunicação com os agentes da Polícia Nacional no terreno.

Questionado sobre a possibilidade de uma terceira fase do projeto Cidade Segura, Paulo Rocha não afastou a hipótese. “Se essa oportunidade surgir, e estamos a trabalhar para que se concretize, desde logo estamos a pensar em Santiago Norte, começaríamos por Santa Catarina”, apontou, em declarações à Lusa.

O ministro da Administração Interna admitiu estar a trabalhar “para que assim seja”, mas tudo dependerá de “ter sorte e financiamento”.

“E capacidade diplomática para, no âmbito daquilo que é a relação de amizade que nós temos com a China, podermos estender a essa região do país, que também é importante em termos de criminalidade”, concluiu Paulo Rocha.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # zé luis 06-02-2020 12:06
Vocês não acham que estão exagerando com a publicação desses milhões todos ???

Vejamos, mesmo que cada camara custasse 100 contos, as 800 novas camaras nem custariam 1 milhão de Euros !!!

Esse valor anunciado do custo está inflacionado 10x.

Esse projeto no máximo dos máximos nem chega a 1 milhão de euros, deixem de brincar com a nossa inteligência !!!
Responder