Pub

HAN

O presidente do Sindicato Nacional dos Enfermeiros e Técnicos de Saúde (SNETS) de Cabo Verde, José Manuel Pereira Vaz, denunciou hoje o despedimento de 22 funcionários contratados pelo Hospital Agostinho Neto, o maior do país, e pede intervenção governamental.

Em conferência de imprensa na cidade da Praia, o dirigente sindical adiantou que os 22 funcionários, a maioria administrativos e pessoal auxiliar, 18 deles com contratos com mais de um ano, foram despedidos em dezembro, após diálogo com a administração.

"A nosso ver trata-se de uma medida muito negativa e no tempo inapropriado para a nossa cultura", salientou o presidente do sindicato.

Em dezembro, o diretor do Hospital Agostinho Neto (HAN), Júlio Andrade, disse que não houve despedimentos no maior hospital do país, explicando que os técnicos tinham contratos de substituição de funcionários que foram de férias ou pediram licença.

"Acreditam que 22 pessoas realmente foram de férias ou pediram licença sem vencimento ao mesmo tempo?", questionou José Manuel Vaz, dizendo não ser verdade que se trate de contratos de substituição.

Segundo o presidente do SNETS, uma das medidas que poderia resolver este problema seria a abertura de concursos, pese embora o próprio dizer que já não acredita nesta via.

E justificou com um concurso aberto em que mais de 100 enfermeiros estão a trabalhar, mas há mais de oito meses que estão à espera por uma nomeação, não usufruindo dos direitos como funcionários do quadro.

"Despede-se um funcionário, com toda a pressa para se poder fazer o concurso, o concurso é feito, depois fica seis, sete, oito meses à espera para serem empregados. Acho que isso não é solução", afirmou o enfermeiro líder sindical.

José Manuel Pereira Vaz notou que os despedimentos aconteceram numa altura em que o Governo "tem falado muito" no aumento do emprego, mas "nunca se pronuncia sobre o desemprego e os despedimentos".

Além de denunciar o caso na imprensa, o presidente apelou os seus associados a participarem no sábado na manifestação organizada União Nacional dos Trabalhadores Cabo-verdianos - Central Sindical (UNTC-CS), a maior central sindical do país, em que o SNETS é filiado.

Sem descartar outras formas de luta, disse que o sindicato vai pedir a intervenção da Direção-Geral do Trabalho (DGT) de Cabo Verde para resolver esta questão laboral.

O presidente do SNETS afirmou que o Hospital Agostinho Neto carece de equipamentos essenciais, nomeadamente de imagiologia e anestesia, referindo ainda a necessidade de forte intervenção no bloco operatório central e de um melhor tratamento dos seus funcionários.

O dirigente sindical disse ainda que vários funcionários sofreram corte de salários com valores superiores a 20 mil escudos (181 euros), porque são obrigados a trabalhar uma hora a mais por dia e 22 horas por semana em relação a outras estruturas a nível nacional.

"O HAN é o único a obrigar os técnicos de saúde, os administrativos e o pessoal auxiliar a trabalharem o horário superior às outras estruturas e o Governo não diz nada, o Ministério da Saúde não diz nada, deixando assim estes colaboradores ao Deus dará", lamentou.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Kulundjulu575 10-01-2020 11:05
Favor informe como conseguir uma consulta HAN.
Os aparelhos estao quase quase todos avariados ou dizem simpmesmente va fazer lá fora.
Nao há mamografia, nao há TAC, nao há...... e mais e mais...
O hospital vaza para as clínicas .......
A situacao do HAN merece uma atenção desapaixonada......... .... o povo está sofrendo.... .....
Responder
0 # copyright 10-01-2020 08:00
E' pertinente q : O PCA/HAN disponibilize o relatório dos 22 funcionários que retornaram ao serviço ao mm tempo (dezembro 2019 ) que justificou o despido dos contratados . Logo pq pedir intervenção do Gov se o MS e' parte e permitiu .Chega de moleza caso o PCA/HAN - MS não comprovem o dito ,entrem na justiça denunciando o abuso no exercício do cargo .
Responder