Pub

 olavo correia

O vice-primeiro-ministro anunciou esta sexta-feira, 27 de dezembro que, em 2019, o Governo injectou mais de um milhão de contos no financiamento da economia, e para o próximo ano há condições para  que este montante seja “no mínimo, cinco vezes mais”.

“As coisas estão a mudar e o Estado está a participar, mas numa operação não pode garantir a cem por cento”, precisou Olavo Correia, acrescentando que o Estado pode “partilhar o risco com o privado para que o seu projecto possa ser financiado”.

Segundo o também ministro das Finanças, se o país não dispor de empresários e gestores com dinâmica de negócio, nos mais diversos sectores da actividade económica, não se conseguirá criar “nem empregos, nem empregos bem remunerados e sustentáveis”.

O vice-primeiro-ministro fez essas declarações à imprensa à margem da visita que efectuou a uma empresa privada de formação, a DNA-Praia.

Quando o Estado aposta nas empresas, afirmou, fá-lo a pensar nos jovens cabo-verdianos, porque são elas que criam o emprego.

Para o efeito, prosseguiu o governante, há que criar um ambiente de negócio que seja “pró-investimentos e pró-rendimento”.

“Há muita gente na máquina pública que reclama, mas que é bloqueadora”, lamentou o ministro, para quem estas pessoas têm a “oportunidade para mudar as coisas e não fazem”.

Insiste ser necessário que cada um assuma a sua responsabilidade para com o futuro de Cabo Verde.

Instado sobre a dívida pública, garantiu que está a “reduzir-se” e que o compromisso do Governo é que a mesma continue a baixar.

“Todas as entidades internacionais estão a parabenizar o Governo em relação à trajectória do decréscimo da dívida pública”, congratulou o vice-primeiro-ministro, adiantando que só quem esteja “mal-intencionado” pode dizer o contrário.

Para Olavo Correia, o futuro passa pelas tecnologias, que, conforme sublinhou, requerem  uma “abordagem diferente” e que aposta no capital humano.

Durante o encontro com os promotores da DNA-Praia, reiterou que existe dinheiro e que os bancos têm excesso de liquidez.

Perguntado sobre o que está a falhar, explicou que o que se tem de mudar é a “percepção do risco existente em relação aos projectos”.

“Esta percepção é elevada e é por isso que o Estado está a intervir com fundo de garantia parcial, com vista a reduzir este risco e permitir que os privados cabo-verdianos tenham acesso ao financiamento”, indicou o ministro das Finanças.

Até 2024 prevê alcançar pelo menos 60 milhões de contos em impostos, os quais, na sua perspectiva, devem ser pagos por todos.

“O Orçamento do Estado, no futuro, não pode ser financiado com  mais recurso à divida ou à ajuda pública, mas sim pela via de mobilização de recursos internos”, assegurou o vice-primeiro-ministro, garantindo que não será pela via do aumento da incidência, “mas pela via do aumento da base tributária”, na perspectiva de todos a pagar, “para que cada um pague menos”.

“Não podemos exigir do Estado educação, saúde, segurança, transportes e financiamento e, quando chega o momento de pagar, hesitamos”, comentou, acrescentando que tem que haver o cumprimento dos compromissos e dos prazos em termos do pagamento dos impostos, que deve ser  uma “cultura pro-desenvolvimento e pro-criação de novas oportunidades na economia cabo-verdiana”.

No fim da visita, afiançou aos jornalistas que ficou “agradavelmente surpreendido” com o que está a ser feito a nível DNA-Praia, um espaço, apontou, para ajudar os jovens a concretizarem os seus projectos.

“Já estão aqui seis empresas incubadas, mas é muito pouco, pelo que temos que aumentar, com o apoio do Estado, para que possamos atingir 100, 200 ou mil, e podermos mudar a vida dos jovens”, concluiu.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Dinheru k nunka kaba 30-12-2019 09:06
Pois é Sr. Olavo Correia. Aproxima-se a campanha eleitoral e já estás a começar a arranjar justificações para meter "moedas" no bolso dos teus soldados-empresários, moedas que depois serão retribuidas e recuperadas no financiamento da vossa campanha eleitoral para 2021.

Este indivíduo é um especialista em usar as leis em benefício da malta amiga.
Responder
+2 # Kulundjulu575 27-12-2019 20:00
Quem é o Dono da DNA ? PERGUNTO. NOS KU NOS.
Responder
+3 # Mario santos 27-12-2019 18:03
O governo injetou mais de um milhão de contos nas seguintes empresas: Tecnicil do senhor Olavo, Binter do senhor Ulisses, Tacv do senhor ministro da economia, no Transisular do testa de ferro o senhor olavo, investiu na empresa elevo do senhor primeiro ministro etc etc
Responder