Pub

han

Administração alegou falta de verba para pagar os trabalhadores recém-admitidos, daí não renovar os seus respectivos contratos de trabalho. O corte nos técnicos está a afectar sobretudo o Serviço de Administração e Gestão do Utente, que controla as marcações de consultas e pedidos de informações.

A duas semanas do Natal, 23 técnicos do Hospital Agostinho Neto foram afastados dos seus postos de serviço. A carta de despedimento, assinada pelo presidente do Conselho de Administração do HAN, Júlio Andrade, foi distribuída a esses funcionários desde o passado dia 11 de Dezembro, e apenas informa da caducidade do contrato, citando a cláusula 4ª do acordo laboral entre as partes.

Os 23 trabalhadores são serventuários, auxiliares admistrativos, técnico de esterilização, ficheiros e arquivistas alguns dos quais contratados há dois anos, outros com um ano de serviço e uns tantos com contratos precários de três meses. "Pior, há pessoas que foram contratadas no mês passado com contrato válido por três meses que também estão no rol de preteridos", conta ao Santiago Magazine, uma das vítimas.

Esta nossa interlocutora diz que a Administração se limitou a enviar as cartas de fim de contrato, sem qualquer justificação. "Mas disseram-nos verbalmente que este corte do pessoal se deve à falta de dinheiro para pagar os salários", sublinha.

Outros trabalhadores despedidos contactados por Santiago Magazine confirmam esta versão, acrescentando que quando o ministro da Saúde, Arlindo do Rosário, soube desta decisão radical terá solicitado ao Conselho de Administração do HAN a lista dos técnicos que seriam despedidos para tentar enquadrar alguns noutros departamentos da Saúde. "A Administração do HAN, como não obedece ninguém, não enviou a lista, preferindo mandar 23 pessoas para casa nas vésperas do Natal", lamentam.

Os 23 estão há uma semana em casa e a sua ausência começa a ser notada no dia-a-dia. "São técnicos de diferentes sectores, mas a sua falta faz-se sentir com maior preocupação a nivel do funcionamento das FAQs, ligado ao Gabinete de Administração e Gestão do Utente. Este serviço estava a funcionar das 8h às 20h, mas há uma semana que se trabalha lá até às 16h por falta de pessoal. Como consequência, o utente demora mais tempo nas filas para fazer uma marcação de consulta, causando transtornos a todas as partes", conta um outro funcionário do HAN, que, para sua sorte, conseguiu manter o seu posto de trabalho.

Em resposta ao Santiago Magazine, o presidente do CA do HAN explica a decisão: "O Contrato de substituição tem termo certo e termina com o regresso do trabalhador efectivo. O HAN tem cerca de 450 trabalhadores (apoio operacional), mas ainda carece de mais trabalhadores (apoio operacional) em determinadas áreas. Em determinados períodos do ano há muita demanda ao Hospital e para se evitar descontinuidade no atendimento recorre-se a contratos de substituição ou prestação de serviço dentro do quadro legal".

Assim, prossegue Júlio Andrade, "para se evitar contratos de substituição e também pela própria evolução do HAN foram descongeladas vagas para 45 apoios operacionais (ver BO de Novembro) que está em processo de concurso. Esses 23 cidadãos podem participar no concurso e estão em vantagens competitivas em ralação aos eventuais concorrentes. O MSSS já abriu concursos para recrutamento de 58 enfermeiros, 58 técnicos superiores e 45 apoio operacional para o HAN. Na totalidade serão recrutados para o Serviço Nacional de Saúde perto de 300 profissionais no próximo ano".

A Administração e todo o staff estiveram esta sexta-feira anfitriar a vista do primeiro-ministro ao principal centro hospitalar do país, esta manhã. No final da visita, Ulisses Correia e Silva considerou que o corpo médico, os enfermeiros e o pessoal auxiliar da saúde daquele hospital, estão a fazer “o máximo” para desempenharem bem a “sua nobre missão”, assim como a administração, razão pela qual acredita que os esforços da equipa do HAN e os investimentos feitos mostram resultados.

“Temos ainda muito que melhorar no serviço nacional de saúde mas aquilo que eu vi, a entrega, o esforço, o engajamento e a capacidade dos recursos humanos, que é o mais importante, é compensador”, referiu Ulisses Correia e Silva, adiantando que mais investimentos no HAN, estão por vir, como por exemplo, a criação de um hospital de referência. 

(Actualização feita às 10h20 deste sábado, 21 de Dezembro)

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Maria 21-12-2019 12:17
Neste país, só não há dinheiro para os setores chaves (educação, saúde, segurança). Grandes cérebros temos nós!
Responder
0 # Enfer 20-12-2019 13:50
Todos sabem que o que o Júlio quer é “chibar” o mInistro da saúde porque ele tem ódio dele já que pensava que ele seria o ministro. Daí que todas as suas atitudes são para criar um mal estar na população
Responder
-6 # Pedro 20-12-2019 12:55
Qual e o problema de despedir pessoas legalmente?
Responder
+2 # Joao Oliveira Cruz 21-12-2019 20:24
O problema é que malagueta nos olhos dos outros é fresca.
Responder
+5 # DasilvaSilvaranger 20-12-2019 14:01
Não me diga que isto é normal com um partido no poder que nas eleições prometeu milhares de emprego aos caboverdeanos!
Responder
+3 # Juvino 20-12-2019 13:38
O problema é fazer aumentar o número de desempregados.
Responder
0 # Venceslau Cardoso 22-12-2019 08:45
Meus senhores este não é despdimento. Os trabalhadores estavam a aguentar férias. É claro que com o regresso dos titulares do lugar estes 23 pessoas dariam lugares que por inerência não os pertenciam. É preciso muito cuidado quando acusa pessoas se razão de ser. Cuidado!...
Responder
0 # Não quero rir!!! 24-12-2019 11:49
Posso perguntar?
Se sim, isto que se chama gestão!!!!!!!!!!!!¡!!!!!!!!!!!!!!!!
Responder