Pub

Casa para Todos Fonte AleixoCobom

As famílias que há quase um ano e meio apoderaram-se dos 24 apartamentos do complexo “Casa para Todos” do bairro de Fonte Aleixo/Cobom, desocuparam os mesmos, após notificação do tribunal para devolverem o espaço ao seu proprietário.

Na sequência de uma acção judicial intentada pela Imobiliária Fundiária Habitat (IFH), pedindo a desocupação dos 24 apartamentos, que segundo a mesma “foram invadidos de forma violenta, pelos seus actuais ocupantes”, o tribunal notificou os residentes no complexo, fixando-lhes um prazo para a desocupação voluntária do empreendimento.

Perante a decisão judicial e com receio de serem despejados pelas autoridades, as famílias deixaram de forma voluntária o espaço.

O prazo estipulado para a desocupação voluntaria e pacífica expirou no final de Agosto e na segunda-feira apenas quatro famílias ainda se encontravam no local, mas a prepararem-se para deixar o espaço, o que não aconteceu antes devido a ocorrência de chuvas em São Filipe, durante o fim-de-semana, que condicionaram a saída das mesmas.

Os 24 apartamentos do complexo “Casa para Todos” do bairro de Fonte Aleixo/Cobom tinham sido ocupados em meados de Março de 2018, mas só depois da ocupação dos apartamentos do empreendimento “Casas para Todos” de Xaguate de Cima, ocorrida no início de Julho e desocupada duas semanas depois, na sequência da providência cautelar solicitada pela IFH, é que o tribunal manda as pessoas a deixarem o espaço de Fonte Aleixo/Cobom.

Os apartamentos do empreendimento do bairro de Fonte Aleixo/Cobom, São Filipe, estão praticamente concluídos, com portas, janelas e instalações sanitárias em alguns casos, faltando apenas a pintura e pequenos acabamentos, e a proprietária do complexo solicitou a sua desocupação para permitir a conclusão dos trabalhos.

No quadro do programa “Casa para Todos”, a ilha do Fogo foi contemplada com cerca de 200 moradias (196) das classes A, B e C, das quais 112 foram concluídas, sendo 52 no município dos Mosteiros e 60 no de Santa Catarina do Fogo, e 84 habitações no município de São Filipe, nos bairros de Cobom (24) e Xaguate Cima (60) ainda por concluir.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # 435 mil contos 04-09-2019 17:13
435.000.000$00 (quatrocentos e trinta e cinco milhões de escudos)/435mil contos é o saldo do fundo (dinheiro liquido) entregue ao Sr. Primeiro Ministro Ulisses Correia e Silva, em maio de 2016.
Dos 700.000.000$00 do fundo das vítimas da erupção de chã das caldeiras, em maio de 2016, havia um saldo de 435mil contos, que foi entregue ao Sr. Primeiro Ministro UCS, desse montante, nunca mais se hoviu NADA. Absolutamente, NADA!
Responder