Pub

 grupo de sao domingos

Na sequência da aprovação pelo Governo, em Conselho de Ministros, do diploma que atribui uma pensão às vítimas da tortura e maus tratos do partido único em S. Vicente e Santo Antão em 1975 e 1977, o denominado "Grupo de São Domingos" no caso das profanações chamou a imprensa para voltar a exigir justiça pela forma "abusiva, arbitrária e ilegal" como foram acusados, detidos e torturados na década de 1990 por suspeitas de serem os profanadores de santos e de templos católicos.

"Fomos torturados e moralmente assasinados na praça pública, mas rejeitamos acção similar pela via do decreto, mas exigimos que os actores e inventores do processo que nos conduziu à prisão ilegal e abusiva, sejam responsabilizados", diz Filomeno Rodrigues, porta-voz do Grupo.

Segundo ele, "pela similaridade existente entre estes macabros actos, requeremos justiça, sim, não mais do que isso, razão pela qual convocamos a imprensa para fazer eco à semelhança dos 'torturados' do partido único".

"O referido diploma está sendo objecto de discussão e votação na sessão parlamentar que neste momento decorre no Parlamento. Por isso queremos aproveitar esta oportunidade para assinalar, também, um dos momentos tristes que marcou a história do nosso querido País. Referimo-nos aos actos de profanação de igrejas e lugares de culto católicos ocorridos na década de 90, portanto não no regime do partido único, mas em plena liberdade e democracia. Nós, os aqui presentes, fomos apresentados à Nação e ao mundo como sendo os actores das profanações das igrejas e lugares de culto católicos, pertencentes a uma associação criminosa".

Ainda de acordo com Filomeno Rodrigues, "na decorrência e em consequência dos crimes que nos foram imputados, a violência, a tortura,e os maus tratos, a par da injúria, calúnia e difamação, foram os métodos encontrados pelo Governo de então, por sinal da mesma maioria de hoje".

Refere o comunicado, divulgado a toda a imprensa - ainda que sem a devida cobertura dos restantes órgãos de comunicação social - que "os actos de sevícia praticados, consubstanciados em violação de domicílios, apreensão de pertences tais como sapatos, viatura (jamais devolvidos aos legítimos donos) espancamentos, prisões arbitrárias filmadas e transmitidas pela televisão pública, ameaças de morte e tortura, foram praticados contra cidadãos cabo-verdianos inocentes e indefesos também sem possibilidade efectiva de apelo ou reparação jurídica".

O Grupo relembra que a sua detenção aconteceu no dia 15 de Dezembro de 1995, no encerramento da campanha para as legislativas, em São Domingos, "o Dr.Carlos Veiga pediu os votos prometendo apresentar os profanadores da Igreja de São Domingos ocorrido a 4 de Maio do mesmo ano. Depois das eleições ganhas por maioria absoluta, o Ministro adjunto do primeiro Ministro, Dr. José António dos Reis, reúne várias vezes com reclusos da cadeia de São Martinho nomeadamente João Arteaga e Alcides Semedo no seu gabinete e depois dos conluios e acertos são enviados à PJ com indicação de que sabiam quem eram os profanadores. Diz o Dr. José António dos Reis que o assunto foi discutido em Conselho de Ministros".

Filomeno Rodrigues volta a acusar a PJ de elaborar e montar toda a trama e que tal processo foi feito "sob a batuta do Dr. Arlindo Figueiredo e Silva com assessoria de José A. Rodrigues e Amilcar Santos, estes da PJ Portuguesa".

"Para a recolha de provas e reconstituição dos crimes os inspetores da PJ entre eles o André Semedo, Virgílio Varela, António Claret e outros vão a S. Domingos, aos nossos domicílios recolhem sapatos, viatura, impressões digitais e mais. Na posse destas apreensões os inspetores citados mais os agentes da PJ portuguesa vão às Igrejas profanadas printam os sapatos as impressões digitais e filmam e obrigam os presos a indicar as janelas e porta das igrejas por onde entraram filmando", pontua, acrescentando que "as falcatruas foram apresentadas à Cúria Diocesana, através do Padre Boaventura, pelo Ministro da Justiça de então Dr. Simão Monteiro".

Nesse sentido, o Grupo entende que "em Democracia as atrocidades cometidas como as que que acabamos de citar contra cidadãos indefesos deveriam ser redimidos pela Justiça e os actores aqui citados responsibilizados pelos seus actos". "Fomos torturados e moralmente assasinados na praça pública, rejeitamos acção similiar pela via do decreto, mas exigimos que os actores e inventores do processo que nos conduziu à prisão ilegal e abusiva, sejam responsabilizados", exige Filomeno Rodrigiues um dos cinco individuos detidos em 1995 sob a acusação de serem os profanadores de santos e de templos católicos, juntamente com Joaquim Semedo, José Maria Lima, António Brito e José Alberto Moura.

Rodrigues sublinha ainda que esse processo tinha fins políticos com o intuito de fazer o MpD obter mais votos e ganhar as eleições, o que haveria de acontecer com o partido ventoinha a obter uma maioria absoluta. Entretanto, e apesar de reconhecer que pelo menos três dos integrantes do Grupo de São Domingos pertencerem na altura à comissão política concelhia do PAICV naquele concelho do interior de Santiago, Filomeno Rodrigues reforça que não tiveram o apoio do PAICV, dando como exemplo o facto de ter sido a actual primeira dama, Lígia Fonseca, corajosamente a aceitar o seu processo para defesa.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # VIDA 01-07-2019 07:46
Forca estou connvosco. .O MPD foi e e sempre truculento. O diabo que os carregue, O Ulisses e o Olavo vao segurando a batina do D. Paulino sob observação do padre COSTANTINO. O ZONA e observador e encontra...se fora do Pais.
Responder
+3 # João Oliveira Cruz 30-06-2019 09:07
Fica cada vez mais evidente que esse grupo foi vítima de uma monstruosa cilada preparada de forma mais ignóbil pelas autoridades de então.
Que Estado de Direito Democrático é este onde cidadãos são detidos e torturados arbitrariammente e os próprios algozes que neste caso são árbitros e jogadores não permitem que a justiça seja feita?
A decisão de atribuir uma pensão às vítimas de torturas e maus tratos ocorridos na década de 70 durante a ditadura do partido único em São Vicente e Santo Antão não é má.
Não se deve também esquecer as vítimas de torturas e maus tratos ocorridos na década de 90 em Santiago contra os fiéis da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Embora cometidos em épocas diferentes e em contextos diferentes, ambos agiram movidos pelo mesmo sentimento: a manutenção no poder.
Está-se mais uma vez perante uma medida que, embora apresente um rosto humano, não passa de mais uma manobra com fins eleitoralistas.
Responder
-4 # #YeyeArteaga 29-06-2019 19:46
Ago ke [censurado]!! Quando o caso foi arquivado? Porquê não pediram antes a indeminização? Ah sim, era no governo do PAI... E porquê agora? A Justiça tarda mas não falha...? Onde estão os líderes dos partidos a apoiar? Ah, em tempos de guerra estes não são vistos... Estes aparecem só quando lhes interessa... Coitados! A ver vamos... O desfecho deste, espero que estejam com vida para verem este desfecho...
Responder
+4 # Ti Lobo 29-06-2019 12:08
E pa ka skessi tambe d Badiu Boxero k torturadu, t se orgom genital e podu na gabeta p fla me el k mata Renato Cardoso, hoji e sta la Sukupira disfarsadu di labador d karru a mandu d Sr. Repatriador embaxador na merka k ta dal 4 kontu tudu mês pe manti boka kaladu ku falsu identidade
Responder
+4 # Santinho 29-06-2019 00:03
Falta ainda apresentar muitos adventistas do 7 dia que na altura das profonacoes, foram açoitados, torturados, para assumirem o crime, o governo deve enrolar tudo essas pessoas enatruibuir-lhes tambem a pensao
Responder
+7 # CECILIO CABRAL 28-06-2019 21:31
Guentis grandes dja ta fla ma "Galinha ta garbata, garbata, garbata ti ke ta kontra ku OSOS di si MAI... Acho que de certeza que o Mpd na sua tentativa e SANHA de incriminar o PAIGC/CV esqueceu-se do Dossier "Profanacoes"...
Responder