Pub

Cristina Andrade

A representante do Escritório das Nações Unidas contra a Droga e Crime (ONUDC), Cristina Andrade, afirmou esta quarta-feira, 26 de junho, na Praia, que drogas medicamentosas, que são controladas, estão a entrar no mercado ilícito em Cabo Verde.

Cristina Andrade, que falava à imprensa à margem da conferência sobre a Redução de Riscos e Minimização de Danos, promovida pela Comissão de Coordenação do Álcool e outras Drogas (CCAD), alusiva ao Dia Mundial contra a Droga que se celebra dia 26 de junho, explicou que essas substâncias pertencem à mesma família da heroína e também estão a ser consumidas na sub-região.

“Nós temos o tramadol e o fenatil que são drogas da mesma família que a heroína, ou seja, conhecidos por opiáceos que são drogas depressivas e que estão a ser consumidas a nível da África ocidental”, afirmou Cristina Andrade.

Por causa disso, a representante da ONUDC defendeu a necessidade de se trabalhar   de forma a ter mais controlo e investir na prevenção. Isto porque, sustentou, trabalhando “o vazio das pessoas, a relação dentro das famílias, possibilitando mais diálogo entre as famílias e os filhos e nas escolas” se pode ter “mais eficácia na prevenção e tratamento” das dependências.

“Vamos investir na prevenção e tratamento, aumentar o acesso nas comunidades onde as pessoas vivem no sentido de dar respostas e de facilitar o acesso ao tratamento”, acrescentou.

Desta forma Cristina Andrade afiançou que a conferência sobre “Redução de Riscos e Minimização de Danos”, vai ao encontro dos objectivos de prevenir e reduzir as consequências adversas na saúde e as consequências sociais do uso abusivo de drogas e ainda ter estratégias eficazes que permitam mitigar os problemas associados ao consumo de substancias psicoactivas.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar