Pub

dinamarques

O tribunal de São Filipe condenou esta sexta-feira, 21, o dinamarquês Morten Vicent a cinco anos e prisão, pena, entretanto, suspensa por igual período sob condição de pagar, em seis meses, 500 contos a cinco instituições de cariz social.

Morten Vicent, casado com uma cidadã cabo-verdiana e residente há vários anos na ilha do Fogo, onde tem investimento no sector do turismo, foi julgado por alegadamente ter agredido a 11 de Julho de 2016, um emigrante com uma arma de fogo e de receber a tiros agentes da Policia Nacional que se deslocaram à sua residência.

O advogado Nilton Nunes, que acompanhou todo o processo, disse à Inforpress que o cidadão foi condenado pelos três crimes de armas, dois de disparo e um de resistência contra as autoridades e absolvido do crime de intimidação a população, tendo o tribunal lhe condenado numa pega única de cinco anos de prisão.

A suspensão foi sob condição e no prazo de seis meses Morten Vicent terá de fazer prova de que dou o valor de 500 mil escudos a cinco instituições, pois caso contrário a suspensa fica revogada e passa a cumprir os cinco anos de prisão.

Igualmente o tribunal, durante a sentença lida hoje, declarou perdida a favor do Estado as armas apreendidas nas buscas efectuadas na altura na residência e estabelecimentos do cidadão, nomeadamente uma metralhadora automática, supostamente utilizada nos disparos contra agentes da polícia, duas espingardas de ar comprimido para caça, uma caçadeira e uma arma conhecida como “besta”, que é um dispositivo composto por arcos e fechas com pontas metálicas, e as centenas de munições para serem destruídas.

O advogado adiantou à Inforpress que não vai recorrer da sentença do tribunal da primeira instância porque desde início defendeu a suspensão da pena e não uma prisão efectiva, pese embora considere a sentença “um pouco pesada”.

Os outros dois envolvidos no processo, ambos cidadãos nacionais, foram condenados a pena de multa.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Piduca Brito 30-06-2019 16:08
Deve ser brincadeira ou estamos a sonhar.
5 anos de pena suspensa, como sentença a um criminoso de nacionalidade dinamarquesa que, intencionalmente, alvejou um tiro a um cidadão cabo-verdeano e ainda dispara contra agentes da polícia nacional com uma metralhadora automática?
Com agravo de estar na posse desse criminoso duas espingardas de ar comprimido para caça, uma caçadeira e uma arma conhecida por “besta”.
O ministério público tem que rever e investigar a fundo essa sentença, pois estamos possivelmente perante um criminoso com contornos de assassino.
Responder
+1 # Bruno Almeida 24-06-2019 18:26
Pois é, a justiça parece ter dois pesos e duas medidas em CV. Apesar do bom desempenho das nossas autoridades policiais, os processos quando são julgados nos tribunais, fazem a justiça cabo-verdiana perder a sua credibilidade. Dois exemplos descarados: a libertação dos traficantes brasileiros em Mindelo e a libertação do navio traficante russo na cidade da Praia!
Responder
+1 # Terra-terra 22-06-2019 16:20
Que absurdo! Se todos esses crimes custam 500 contos e todos os cabovetdianos tivessem esse mesmo direito, a prisao ficaria exclusivamente para quem ganha salario minimo ou baixo disso. A que ponto chegamos! Que vergonha!
Responder
+2 # AGUA água 22-06-2019 11:48
??????????????????????????????????
Responder
+1 # Santinho 22-06-2019 09:10
Isso é de bradar o ceu, receber a policia com fogo com metralhadora automatica, tiro para todo é quanto é lado e recebe uma peninha de fazer entrega de 500 contos a uma institutuicao social que pode ser reencaminhado ao dono, sinceramente estamos num estado semi falhado, mas a que partido este homem apoia??
Responder