Pub
Por: Redacção

pca asa renato lima

O antigo PCA da ARE, detido pela Polícia Judiciária esta terça-feira, por suspeitas de peculato e infidelidade enquanto gestor da reguladora, vai aguardar julgamento em liberdade, depois de aceitar pagar ao Tribunal uma caução de 2 mil contos.

Renato Lima tinha sido detido na manhã de terça-feira fora de flagrante delito e foi apresentado ao tribunal da Praia ainda no período da tarde para a legalização da sua prisão. Acabou por sair em liberdade, mediante o pagamento de uma caução de 2 mil contos.

O antigo gestor da extinta Agência de Regulação Económica (ARE), está acusado de um crime de peculato (utilização ou desvio de bens públicos em proveito próprio) e outro de infidelidade (abuso de confiança), que terá cometido durante o exercício das suas funções.

Afinal, o que está afinal em causa? Sabe-se que Lima tinha sido condenado pelo Tribunal de Contas, desde 2015, a repor nos cofres dessa instituição cerca de mil contos referentes a pagamentos indevidos efectuados entre 2006 e 2009.

Segundo o A Nação, que chegou a denunciar na altura este caso, Renato Lima foi igualmente “censurado por um conjunto de irregularidades, como, por exemplo o uso pessoal do cartão Visa Gold da ARE”, comportamento a que também não estão alheios os anteriores membros do CA, Gregório Alves e Daniel Jesus Lobo.

Entre as irregularidades estão o pagamento de compensação de férias a favor dos administradores, no valor de 22.804$00, aquisição de serviço de fornecimento de lanche por ocasião do Natal em 2008, no valor de 55 mil escudos.

Em 2009, avança o semanário do Palmarejo, esse montante subiu para 168 contos e o valor para a aquisição de brindes para festas do Natal e aniversário dos filhos dos funcionários foi de 54.640$00.

“Os membros do Conselho de Administração da ARE foram também condenados a repor cerca de 600 contos referentes aos exercícios de 2008 e 2009, pelo aluguer de polidesportivo e pagamento de treino dos funcionários em ginásios de artes marciais”, escrevia o periódico, citando o Tribunal de Contas, e sublinhando que entre outras irregularidades destacavam-se ainda o pagamento de ajudas de custo ao pessoal, por uma tabela própria e que não foi publicada no Boletim Oficial; pagamento de subsídios de férias e de Natal, bem como de subsídios de comunicação e combustíveis aos membros do Conselho de Administração, sem lei prévia.

A liquidação de facturas de prestação de serviço por valores líquidos, sem retenção na fonte do imposto, assim como o pagamento de despesas com deslocações, através de depósito na conta de cartão de crédito dos beneficiários, sem suporte adequado das despesas efetivamente pagas, foram outros aspectos realçados no acórdão.

O TC censurara o ex-presidente da ARE por ter utilizado cartão Visa Gold da instituição para pagar despesas pessoais. “Em relação aos pagamentos com cartão Visa, segundo o acórdão, os responsáveis da ARE esclareceram que foram efectuados pagamentos no valor de 1.460.166$00, dos quais 66.159$00 ao professor de direito de Coimbra, Bernardo Azevedo, 314.853$00 de despesas com alojamento, em Londres e em Lisboa, aquando da deslocação do PCA Renato Lima. Em relação aos outros pagamentos, no valor de 1.227.362$00, esses foram reembolsados através de depósito da conta da ARE”.

Ao ser contactado na altura (2015) pelo jornal, Renato Lima mostrou que tinha (ou tem) outra interpretação dos factos, diferentes do TC. “Nós, tendo outra interpretação dos factos estamos a usar os meios processuais, legais, para tentar contrariar a interpretação do TC”, afirmara, acrescentando que mesmo respeitando o TC, “era preciso levar em conta a independência das entidades reguladoras”.

“A nossa divergência reside na interpretação dos factos. Porque entendemos que celebrar um convívio entre os filhos dos trabalhadores por altura do Natal, está dentro das competências de uma entidade reguladora independente. Não há, do nosso ponto de vista, nenhum facto ilícito grave. E são estes aspectos, e outros similares, que, somados, dão essa quantia da condenação”, esclarecera.

Renato Lima foi PCA da ARE entre Fevereiro de 2004 e Dezembro de 2016, altura em que saiu para assumir a gestão da ASA. Entretanto, a sua equipa (composta ainda por Aniceto Barbosa e Daniel Évora) acabaria cair em menos de 1 ano, sobretudo por desentendientos entre Lima e Barbosa..



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # 132 134 06-06-2019 18:47
Os colaboradores da TACV ainda não receberam o salário do mês de Maio.
Responder
0 # Faltarra 05-06-2019 21:22
CVT sata mesti PJ investiga es administraçao antes de reforma nu ta atxa kusas feio
Responder
0 # Denúncia contra IGAE 05-06-2019 08:40
Falta verem as contas da IGAE. Ali há matuta. O moesmo ginásio pago pela ARE é a também paga pelo Inspetor geral. Como a IGAE gasta o valor das coimas? Segundo um funcionário da IGAE as coisas estao feias por la. Contratações indevidas, apropriação indevida de errario público, peculato, participação ilícita em negócio, corrupção ativa e passiva, etc.
Responder
0 # Antonio Pereira 05-06-2019 08:13
Excelente trabalho PJ. Mas convenhamos que a quantia "desviada pelo Renato Lima não chega nem um fatia do que os outros políticos e governantes já roubaram no passado. A justiça Caboverdiana deve ter o mesmo peso e a mesma medida para com todos. Porque Moises Borges ainda esta solta. Com tanto roubo e falcatrua que se fez na Câmara Municipal e São Domingos, meso detetado pelo tribunal de contas, Franklin Tavares continua solto. E mesmo assim continuando com Clemente Garcia a desviar e roubar , ele continua no poder. Vamos acabar com estas falcatruas.
Responder
0 # Só ponta do iceberg 05-06-2019 07:28
O que ocorreu (ou será que ainda ocorre?) nessas agências reguladoras, sobretudo ex-ANAC e ex-ARE, é de bradar aos céus. Chegaram ao absurdo de defender que as agências reguladoras não fazem parte do Estado. Ora, sendo um Estado paralelo, imaginem como devem ter utilizado/delapidado o erário público que lhes foi colocado à disposição. DAVID DA ANAC QUE O DIGA………
Responder