Pub

David Dias pastor da Igreja Adventista

O pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia, no Sal, David Dias considerou esta quarta-feira, 15 de maio, que a família em Cabo Verde, especialmente, a desta ilha, está a passar por sérias dificuldades, devendo ser “encontradas” estratégias urgentes para reverter a situação.

O pastor David Dias fez essas considerações, quando abordado pela Inforpress a propósito do Dia Internacional da Família assinalado, anualmente, a 15 de Maio.

O evangélico que já passou por várias ilhas do arquipélago, em missão pastoral, mostrou-se preocupado com a actual situação da família cabo-verdiana, referindo que a programação do Dia das Mães, celebrado pelas igrejas evangélicas no segundo domingo de Maio, foi nesse sentido, destacando, conforme disse, o “desamparo” em que as crianças ficam votadas, por os pais trabalharem por turno.

“Graças a Deus, aqui no Sal, há muito trabalho, mas os pais trabalham pelo sistema de turno, e isso está fragilizando as famílias. E quem cuida das crianças, dos filhos”, questionou em tom de preocupação.

Apresentando essa inquietação, o pastor vai mais longe comparando a ilha do Sal com os Estados Unidos, onde, conforme disse, pessoas que moram na mesma casa não se cruzam, não se encontram, praticamente.

“Corremos o risco de ter essa situação aqui no Sal. A mãe chega em casa do trabalho, ao mesmo tempo que o marido vai saindo também para trabalhar, enquanto os filhos vão ficando sozinhos. Isso é extremamente perigoso para as famílias. Temos que pensar numa estratégia urgente para equilibrar as coisas, para não termos consequências graves no futuro”, alertou.

Neste contexto, David Dias disse que a igreja adventista tomou a decisão de formar, primeiro, os casais de namorados, noivos, antes de marcarem a data de casamento, isto é, uma formação pré nupcial por forma a terem real consciência, sobre a constituição da família, a formação do lar.

“Saberem o que é ter uma família, prepararem-se para o mundo do trabalho. Saberem viver como família, porque enquanto solteiro as coisas são fáceis de lidar. Mas já como marido e mulher… as coisas mudam de figura. Têm que ter um compromisso, e objectivos comuns. Tudo deve ser planificado e programado”, acautelou, referindo que a nossa sociedade é o reflexo da estrutura familiar cabo-verdiana.

“Cabo Verde é um país ‘no stress’, mas estamos indo para outros extremos. A violência começa a aumentar, crimes de VBG dentro e fora de casa (…) então é um círculo vicioso que deve ser quebrado, e tornar a vida simples, resgatando valores e princípios para que haja união nos lares”, sublinhou.

Evocando passagens Bíblicas o pastor David Dias disse que o livro de Salmos, capítulo 128 recomenda: “Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos”.

Baseado neste ensinamento, disse que o mundo está como está porque está-se a inverter as coisas.

“Primeiro buscar a Deus. Colocar as coisas por ordem. A carroça vem atrás do cavalo. Deus deve estar no primeiro plano das nossas vidas. E verás os filhos dos teus filhos, e a paz sobre Israel. A paz nas famílias”, enfatizou, indicando que a Bíblia tem respostas para tudo, mostra as prioridades, os passos para se ter uma família “sólida” e uma sociedade “estável”.

Considerando que a sociedade cabo-verdiana, neste caso concreto, está em crise, estribando-se mais uma vez na Bíblia, refere que “os homens estão semeando vento para colher tempestade”.

“Já começamos a sentir o vendaval chegando. Estamos tomando decisões um pouco precipitadas na família que estão tendo reflexo na sociedade. Há que agir com urgência para reverter a situação”, reiterou.

Quanto à família do futuro, o pastor David Dias perspectiva dois caminhos: a maldição ou a bênção.

“A Bíblia diz em Malaquias, que antes do grande e terrível dia de Deus, o Senhor virá para converter o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos aos pais, porque senão a terra seria amaldiçoada. Creio num futuro melhor, mas só com intervenção divina”, concluiu, deixando esta reflexão.

“Amem-se uns aos outros, na prática, porque o amor pode fazer milagre”, finalizou o evangélico.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar