Pub

Barco

O tripulante encontrado morto no barco apreendido a 31 de janeiro no porto da cidade da Praia, em Cabo Verde, com dez toneladas de droga, teve morte natural no seguimento de doença respiratória, informou esta sexta-feira, 29 de março, a Polícia Judiciária (PJ).

De acordo com esta força de segurança, o resultado da autópsia realizada ao cadáver encontrado na embarcação de bandeira panamense, revelou que o homem “terá tido morte natural, sendo a causa da morte choque séptico de etiologia pulmonar, com edema pulmonar e complicada com sangramento digestivo alto”.

O tripulante terá morrido a 22 de janeiro, “quando o navio se encontrava na travessia das águas marítimas cabo-verdianas, na sequência de fortes dores e vómitos com sangue a que o indivíduo se encontrava sujeito”.

“Confirmado o óbito, a vítima foi colocada numa arca frigorífica que existia no navio, tendo sido comunicadas as autoridades cabo-verdianas, de imediato, atendendo que não poderiam fazer toda a viagem com o cadáver, o que terá ditado o aporte do navio no cais da Praia”, lê-se no comunicado.

A PJ acrescenta que “a vítima, que exercia a função de imediato no navio, não apresentava problemas com ninguém e do exame à camarata e a outros compartimentos do navio, não se verificou indícios de crime”.

A autópsia concluiu que a causa da morte se deveu “a choque séptico de etiologia pulmonar com edema pulmonar e complicada com sangramento digestivo alto”.

O navio foi apreendido pelas autoridades cabo-verdianas, que encontraram no seu interior quase dez toneladas de cocaína.

No seguimento desta operação, foram detidos e estão em prisão preventiva 12 homens, de nacionalidade russa.

A droga foi queimada a 02 de fevereiro, na lixeira da capital cabo-verdiana, perante um forte aparato policial em que participaram várias forças de segurança.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar