Pub

JANIRA

A presidente do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV), Janira Hopffer Almada, considera que o código de ética e conduta da RTC afigura-se como “ataque à democracia e à liberdade de imprensa”.

Janira Hopffer Almada fez esta consideração à imprensa, à saída do encontro com os representantes do Partido Popular, que aconteceu na Cidade da Praia.

Conforme explicou, o código de ética da RTC, aprovado pelo Governo, demonstra a “sua perspectiva de censurar e intimidar a liberdade” dos jornalistas neste país.

Defendeu que anteriormente, Cabo Verde apontava bons índices de liberdade de imprensa, que mereceram avaliações positivas por parte das instituições internacionais.

A lidera do maior partido da oposição avançou que o país já perdeu, “nos últimos dois ou três anos”, com o actual Executivo, várias posições nos índices de liberdade de imprensa, porque “essa atitude, totalmente absolutista de perspectivar e condicionar os jornalistas, põe em causa a democracia nacional”.

“É uma atitude até ostensiva e muito nefasta, não só para a democracia mas ainda para a avaliação que se faz de Cabo Verde”, destacou.

Relativamente a esta questão, a Federação dos Jornalistas de Língua Portuguesa (FJLP), da qual a AJOC é membro, também manifestou o seu ponto de vista, considerando que o código de ética da RTC reveste de um conjunto de medidas de censura que não se concebe num Estado de democrático de direito.

Essa consideração foi expressa numa carta enviada à Administração da Rádio Televisão Cabo-verdiana (RTC) aos cuidados da AJOC e que a direcção da FJLP promete enviar cópia aos órgãos internacionais da defesa dos direitos humanos e trabalhistas.

O código deontológico da RTC está em vigor desde o dia 15 deste mês, tendo sido muito contestado pelos jornalistas da instituição.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar