Pub

 Criancas Cabo Verde

A Organização das Nações Unidas (ONU) garantiu esta semana que vai apoiar Cabo Verde na realização do recenseamento da população e habitação, orçado em 5,8 milhões de euros, prometendo ainda ajudar a mobilizar o apoio de outros parceiros.

"Já há parceiros, nomeadamente a União Europeia, a Cooperação Espanhola, e da nossa parte iremos apoiar não só com apoio técnico e algum apoio financeiro, mas na busca de parcerias para essa colaboração", disse a coordenadora residente da ONU em Cabo Verde.

Ana Patrícia Graça falava à imprensa após um encontro com o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, enquadrado no programa de visita ao país de uma equipa de diretores regionais para África daquela organização.

Cabo Verde iniciou no ano passado a preparação do V Recenseamento Geral da População e Habitação, a maior operação estatística no arquipélago, tentando mobilizar financiamento junto dos diferentes parceiros.

O Censo está orçado em mais de 650 milhões de escudos cabo-verdianos (5,8 milhões de euros), sendo que o Governo cabo-verdiano vai disponibilizar 40% do valor e os restantes 60% deverão ser garantidos por parceiros do arquipélago.

A coordenadora não avançou os valores precisos que a ONU poderá disponibilizar, mas garantiu que vai continuar a trabalhar com o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) cabo-verdiano nessa e noutras operações em curso.

"O Sistema [das Nações Unidas] tem estado a trabalhar com o INE nesse sentido, mas também a trazer e a procurar trazer novas parcerias e novos financiamentos para a produção estatística, porque é com base nessa produção que Cabo Verde pode tomar as decisões e as políticas públicas mais acertadas", sublinhou Ana Graça.

O censo, que será realizado pelo INE em todo o território nacional, é um conjunto de operações que consistem na recolha, tratamento e análise de dados sobre as características demográficas, económicas e sociais de todos os habitantes de um país.

A recolha e tratamento dos dados vão acontecer em 2020 e os resultados serão conhecidos no ano seguinte.

Cabo Verde tem realizado censos demográficos desde 1960, mas só nos últimos três após a independência (1980, 1990 e 2000) incluiu, além da população, a habitação.

Sobre a visita ao país dos diretores regionais para África da ONU, a representante em Cabo Verde assumiu a satisfação, pelo facto de acontecer pela primeira vez com um grupo de 10 representantes dos organismos de cooperação do arquipélago.

Também sublinhou que é algo que não acontece facilmente e muitas vezes porque Cabo Verde está inserido numa região "com problemas complexos", que exigem a atenção da ONU.

Ana Graça disse que a visita foi uma oportunidade para os diretores regionais aprofundarem o diálogo com o país, mas também para constatarem o alinhamento do quadro de cooperação com o plano estratégico de desenvolvimento de Cabo Verde e os progressos em várias áreas.

"São um sinal de estabilidade política, de boa governação, de liderança por parte de Cabo Verde em áreas muito importantes", sustentou a coordenadora da ONU, que apontou como desafios do país as vulnerabilidades a choques económicos e ambientais ou o crescimento económico inclusivo.

O diretor regional do Programa Alimentar Mundial, Abdou Dieng, disse que o grupo sai de Cabo Verde "muito satisfeito" com o que viu e com os progressos que o país alcançou nos últimos anos.

Dieng sublinhou que o país ainda enfrenta desafios e disse que as agências das Nações Unidas vão continuar a trabalhar e a acompanhar Cabo Verde.

Além do primeiro-ministro, os representantes regionais tiveram encontros com várias outras autoridades cabo-verdianas e tiveram sessões de trabalho com a equipa nacional da ONU.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar