Pub

A droga tinha como destino Marrocos e vinha da América do Sul. O barco estava sob os holofotes da polícia internacional. Os 11 presos são cidadãos russos.

 Droga Cais

Em nota divulgada neste momento, a PJ declara que no âmbito do combate ao tráfico de estupefacientes, por via marítima, munida de um mandado de busca e apreensão à embarcação ESER de pavilhão Panamense, procedeu ontem dia 31 de janeiro de 2019, no Porto da Praia à apreensão de 26O fardos, com o peso bruto de 9. 570 kg contendo no interior desses fardos um produto, que submetido a teste rápido reagiu positivamente para cocaína.

“Na sequência da operação, foram detidos 11 cidadãos, todos de nacionalidade russa, os quais serão presentes às Autoridades Judiciárias competentes, para validação das detenções e aplicação das medidas de coação”, informa a PJ cabo-verdiana, acrescentado que o cargueiro, oriundo da América do Sul, tinha como porto de destino TANGER, Marrocos”.

O cargueiro fez entretanto, uma escala no Porto da Praia, para cumprir os procedimentos legais relacionados com a morte, a bordo, de um dos tripulantes. Todavia, antes, a PJ estava na posse de informações de que se tratava de uma embarcação suspeita de transportar uma quantidade indeterminada de estupefacientes.

“Esta operação foi desenvolvida, na sequência de um processo de instrução resultante da troca de informação operacional com o MAOC-N (Maritime Analysis and Operations Centre - Narcotics) com sede em Lisboa”, declara a nota da polícia científica, assegurando que na operação de busca, descarga, acondicionamento, transporte e guarda do produto apreendido contou com a cooperação e suporte t6cnico da Policia Judiciária Portuguesa, da Policia Nacional Francesa, bem como da habitual colaboração das forcas de segurança nacionais, designadamente, as Forças Armadas, Polícia Marítima, e, ainda, da ENAPOR e do Porto da Praia”.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-1 # Fala quem sabe 01-02-2019 14:47
9.570kg?! No contentor vieram 10 toneladas do pó branco. Alguém já desviou 430 kg. E foi no porto da Praia……
Responder
-1 # LUIZ NUNES 01-02-2019 18:35
Que triste...
Responder