Pub

gua

Duas centrais dessalinizadoras da água do mar vão ser inauguradas na segunda-feira nas ilhas cabo-verdianas de São Vicente e do Sal, quando se assinalam os 50 anos da dessalinização em Cabo Verde.

Neste país, apesar da água potável ser de origem subterrânea e superficial, uma das soluções encontradas para resolver o problema da seca e escassez de água foi o recurso à dessalinização da água do mar.

É desta forma que é feito o abastecimento dos principais centros urbanos - Sal, Mindelo, Boa Vista, Praia – que, com exceção da ilha da Boa Vista, é da responsabilidade da concessionária Empresa de Eletricidade e Água (Electra).

A dessalinização em Cabo Verde iniciou-se em 1968 e, no âmbito das comemorações deste 50.º aniversário, realizou-se, em março, na ilha de São Vicente, um fórum no Dia Mundial da Água, promovido pela Associação Aga Nôs Vida.

O segundo momento destas comemorações realiza-se na segunda-feira com a inauguração das duas centrais nas ilhas de São Vicente e do Sal, tendo cada uma a capacidade de produzir 10 mil metros cúbicos de água dessalinizada por dia.

A cerimónia contará com a presença do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

No dia seguinte, será realizada uma homenagem aos antigos trabalhadores da primeira instalação de dessalinização do Sal, que decorrerá nas instalações da Electra, em Palmeira.

Outro ponto que assinala este aniversário vai realizar-se na quinta-feira com a uma conferência internacional sobre “A Problemática da Água em Regiões Insulares e Sahelianas”, no Mindelo, ilha de São Vicente.

Em debate estarão temas como a produção e distribuição de água dessalinizada - perspetivas de otimização de custos, os 50 Anos de experiência em dessalinização das Canárias e cooperação com Cabo Verde, a legislação abrangente à qualidade da água e os processos de dessalinização e a evolução do consumo energético.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar