Pub

Edvânia

A Polícia Judiciária vai liberar este sábado, 14, as ossadas da criança de Eugénio Lima, Edvânea Gonçalves, que estava desaparecida desde Novembro de 2017, para que os familiares possam fazer o funeral.

Esta informação foi avançada à Inforpress pela tia da criança, Geisa Semedo, para quem a família “está em estado de choque”.

O funeral acontece no mesmo dia em que iria completar oito meses do desaparecimento da menina. Mas, conforme Geisa,  a família sempre acreditou que iria encontrar Edvânea com vida, principalmente seu irmão,  Vladmir Gonçalves, pai da menina. “Em Janeiro, quando fomos ver as ossadas na localidade de Ponta Bicuda vimos a roupa dela e ficamos abalados. Mesmo assim, acreditávamos que poderia ser um engano ou armação de alguém que quisesse despistar a polícia”, disse.

Geisa Semedo acredita que pelo estado em que as ossadas se encontravam Edvânea Gonçalves foi morta nos dias em que ela desapareceu, mas garante que a família não tem quaisquer suspeitas de quem poderia ter tirado a vida da criança. “Não temos inimigos e aqui toda a gente conhecia a Edvânea Gonçalves. Não sabemos quem poderá ter feito esta crueldade com ela”, declarou.

No entender desta tia, a demora em conhecer a verdade acabou por agudizar o sofrimento da família. No entanto afirmou que as autoridades fizeram tudo o poderiam fazer, mas que o país, sustentou, “ainda não está preparado para este tipo de crimes”.

Esta notícia também deixou em estado de choque os familiares de Edine Jandira Robalo Lopes Soares, 19 anos, e seu bebé, desaparecidos desde 28 de Agosto de 2017  e ainda de Clarisse Mendes (Nina), de 10 anos, e Sandro Mendes (Filú), de 12, que também estão desaparecidos desde 03 de Fevereiro de 2018.

Alberto Lopes da Silva, bisavô do bebé que desapareceu junto com a mãe, garantiu que, apesar da tristeza de saber que Edivânea está morta, ainda tem esperanças de ver os seus entes queridos com vida.

“Edvânia não é a minha família. Eu conheci este caso pela televisão, mas choca-me como se fosse o meu bisneto e a minha neta Edine que desapareceram. Tenho fé e todos dias rezo para que eles voltem”, disse Alberto Lopes da Silva.

Mesmo sentimento tem Marcelina Lopes, avó de Nina e Filu, que pede uma prova divina de que os netos estão vivos.

“Peço para que Deus me dê uma prova tal como já deu para essa família da Edvânia, porque é triste ver alguém a desaparecer e nunca mais voltar”, declarou Marcelina.

Para esta avó, a polícia “tem feito um bom trabalho” em casos que “não são fácies de solucionar”, mas resta-lhe ainda a esperança de um dia poder ver de novo os seus netos.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Bomba 16-07-2018 08:42
O maior e mais estranho e como foi rapido e facil decompor uma pessoa, regra geral uma pessoa demora de 9 a 12 meses, como e possivel em 2 meses ja se encontrar ossadas, novembro a janeiro encontraram o ja em ossos e depois demorando meio ano para analise de ADN, historia historia mal contada.
Responder
+4 # Robin 14-07-2018 17:56
Recentemente alguem com responsabilidade neste pais disse publicamente que todas as diligencias da PJ indiciavam que as criancas desaparecidas estavam vivas. Neste momento confirma-se a morte da Edvania. Em que ficamos afinal?
Responder
0 # Maria Manuela 14-07-2018 09:30
Que deus venha comfortar as familias
Responder
+1 # Babaca 14-07-2018 07:39
Mas não foi esse mesmo PJ que tinha dito e com convicção que as ossadas pertence a uma pessoa adulta porque essa reviravolta? O procurador disse à dias que as crianças desaparecidas estão bem de saúde, estamos num país de Carnaval cada um a fazer a sua folia
Responder