Pub

Bloqueio PM SV

Movimento Sokols invade estrada e faz parar as viaturas nas quais estavam Ulisses Correia e Silva e o ministro das Finanças. O movimento quer autonomia já para São Vicente e o cumprimento das promessas de descentralização e regionalização feitas durante a campanha eleitoral.

A comitiva do primeiro-ministro, que chegou na manhã de hoje a São Vicente, foi recebida na estrada aeroporto-cidade por um  ajuntamento de elementos do Movimento Sokols ostentando cartazes e dísticos com apelos à  “autonomia, já!”.

Cerca das 8 horas, pouco mais de duas dezenas de elementos do núcleo de São Vicente do Movimento Sokols, perante a aproximação da caravana do primeiro-ministro do sítio onde se concentrara, nas imediações da conserveira Frescomar, invadiram a estrada, obrigando as viaturas a parar.

Nem o primeiro-ministro nem o ministro das Finanças desceram das respectivas viaturas, enquanto os elementos do Movimento Sokols gritavam palavras de ordem como “autonomia, já!, descentralização e promessa é dívida”.

Salvador Mascarenhas, que lidera o movimento, disse que o objectivo foi demonstrar o “descontentamento por um direito que Ulisses Correia e Silva prometeu - a regionalização”.

“Ele enganou-nos e voltou atrás, tratando-nos de crianças e não podemos continuar a aceitar esse tipo de coisas, estamos a lutar para a descentralização já e para a regionalização planeada e com data pois é vida das pessoas que está em causa”, concretizou Mascarenhas.

“Esperávamos que ele descesse do carro para falar connosco, mas reparei que ele ficou completamente espantado, já que não estava à espera”, observou Mascarenhas para quem a luta é por “uma causa nobre e importante para Cabo Verde”.

“Se o primeiro-ministro quiser dar o exemplo e ser um primeiro-ministro que entre para a história de Cabo Verde que descentralize e regionalize o país”, desafiou este homem da sociedade civil.

“Assim passa para a história como o homem que de facto inaugurou a terceira república em Cabo Verde e a nossa democracia atingirá um outro patamar”, concluiu.

O movimento Sokols encontra-se no terreno há já algum tempo. A primeira aparição pública em Junho passado, foi quando o movimento organizou uma manifestação pública contra a construção da cidade universitária em Santiago.

Este levantamento popular contaria com a participação de mais de 12 mil pessoas, conforme noticiado na ocasião.

A descentralização, o poder local e a regionalização estiveram efectivamente na base de todo o discurso e promessas de campanha do MpD, liderado por Ulisses Correia e Silva, nas eleições de Março de 2016.

Já no poder, o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva afirmou que eram mais do que promessas, que estes eram compromissos. 

Entretanto, já a caminhar para dois anos de mandato, ainda as promessas não passaram para a prática. E esta situação tem causado algum desconforto ao pessoal do norte, que apostara tudo no MpD, com os olhos postos na autonomia e na regionalização.

Com efeito, é sentimento quase generalizado nas ilhas do Barlavento, sobretudo São Vicente, de que a regionalização do país é a saída para o "estado de marasmo e desconstrução que se verificam na região norte do arquipélago". E esta crença foi de facto explorada pelo partido no poder, nas últimas eleições realizadas no país.

Acontece que, passados esses 18 meses sobre as eleições de Março de 2016, tudo continua na mesma, ou seja, ainda não se vislumbra o que é é que irá ser este programa sobre a regionalização do país.

Recorde-se que Ulisses Correia e Silva deslocou-se hoje a Mindelo para presidir um fórum sobre "Qualidade de serviços públicos e ambiente de negócios", organizado pelo Ministério das Finanças e da Administração Pública.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-1 # JOSE C DOS REIS 07-09-2017 22:32
Falta de respeito na cabo verde dja reina a serio mesmo.Nhoz tem coragem de para um comitiva de premeiro ministro pa nhoz manifesta? Nton goci democracia dja volta libertinagem e malcriacao?Quenha que autorisa ez manifestacao?Cusaz goci dja birra waya/waya? Governantis um conselho di amigo kin sta da nhoz.Cidadoes dja birra ta parra nhoz pa fazi kel kez cre maz tardi ta bem tem problemaz ki nhoz ca ta podi col.Nhoz tem leis homens e armaz pa poi respeito.Favor nhoz aturra ez tipo di coisas pa nhoz podi conquista proximo votos,porque sangui di noz povo ki podi bem sufri ku kela.Justica tem ki existe,sem djobi pa frenti e pa lado.Obrigado.
Responder
-1 # Honório Barreto 06-09-2017 23:54
Olá pessoal do MPIS, falta só acrescentar um anexo à Carta de Declaração da Independência de Santiago que diz o seguinte: Depois da assinatura da Independência de Santiago, todos os sampas do Norte, sobretudo os de S.Vicente, serão repatriados para as suas ilhas de origem, sem direito aos bens adquiridos na República Democrática de Santiago e sem direito à nacionalidade santiaguense. Cumpra-se.
Responder
0 # Claúdia Sofia 12-09-2017 10:44
kkkkkkkkk´
só com badios a praia (com "p" pequeno mesmo, é propositado) não funciona.
Não passa de uma cambada de iletrados sem eira nem beira. Gente que só sabe dar de faca. Até era bom que fosse verdade ... E quando a nossa contribuição para o PIB deixar de entrar e os nossos projetos internacionais, vão voltar a viver na miséria ...
Responder
-1 # MPIS 06-09-2017 11:31
Embora seja proíbido pela nossa Constituição criar partidos regionais, nós, um grupo de santiaguenses bem identificados, já temos na forja um partido político cuja sigla é MPIS (MOVIMENTO PARA A INDEPENDÊNCIA DE SANTIAGO). À semelhança de Catalunha, em Espanha, vamos enviar brevemente ao Parlamento um pedido de desvinculação da ilha de Santiago da República de Cabo Verde e apresentar ao País a CARTA DE DECLARAÇÂO DA INDEPENDÊNCIA DE SANTIAGO, passando a GRANDE ILHA a designar-se REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SANTIAGO (RDS) e fazer parte da ONU.
Responder
0 # Djoza de Soncent 06-09-2017 11:15
Es gupin kes ta apelidá de Sokols 2017 devia tava ta ajudá senhor Gustin Neves na canpanha de limpeza pa tud Socent, pork nós tanbém nó ta ku epidimia de paludismo moda Praia, Sal y Boavista, en vez de poli calçada y dizé mal de Câmara de S.Vicente e do Governo.
Responder
+1 # Corsino Neves 06-09-2017 11:09
O comportamento do Sokols 2017 é, para todos os efeitos, um crime, punido por lei, como bem frisou os Senhores Sócrates de Santiago e Zé Badiu di Fora. O Comandante da Polícia Nacional, em S.Vicente, Drº Alírio Correia e Silva, deveria e deve mandar prender esses prevaricadores do Sokols, aplicando-lhes uma multa ou mandá-los para a cadeia de Ribeirinha. Há manifestação e há selvajaria. O que o tal Sokols fez não é manifestação mas sim malcriação e os malcriados devem estar é na cadeia. O Senhor Primeiro Ministro está muito "mole" com o pessoal de S.Vicente, perece até que tem medo deles. O Drº Ulisses Correia e Silva deve ter mais pulso, mais colhão, para poder pôr essa gente em ordem, à semelhança do seu antecessor, Drº José Maria Neves. Como dizia o saudoso Sekou Touré, "LIBERDADE, SIM, MAS EM ORDEM".
Responder
-1 # Zé Badiu di Fora 06-09-2017 09:53
Saiamos em defesa do Primeiro Ministro de Cabo Verde e da República de Santiago (como gente de Sal ta dzé): As autoridades têm que por ordem nessa terra. Uma manifestação, mesmo que pacífica, deve ser comunicada à Polícia que fiscaliza e põe ordem. E Sokols não deve misturar as coisas: há dias o Sr. Presidente da Câmara de São Vicente pediu ao Sanvicentinos que não tivessem pressa. Sokols que exija do Presidente o cumprimento de promessas. Peçam troco aos responsáveis em quem confiaram o vosso voto. O Senhor Primeiro Ministro está em São Vicente em serviço e deixem-no trabalhar. A Polícia foi branda demais pois devia cair pau. Alírio Silva que meta ordem nisso pois, sendo badiu, terá que ter mão dura com quem prevaricar e lhe desrespeitar. Gent d'Sonsent ka ta respitá bediu, mas nós é k ti ta mandá: Ô li ô lá: No tem Plícia pa btá bzote pau y Primeiro Ministro pa da bzote kumida. Bzote tem ke prova kondé ke nó kmé na bzote prote.
Responder
+1 # Frederico Hopffer 06-09-2017 08:34
Nsata sumara, ta matuta ta ozerba. Uns podi fazi barudju podi manifesta podi djata podi ixiji otus ka podi nem da opinion pamodi ta kruxifikadu ma prasa publica. Afinal kem ki kre divifi País??
Responder
+1 # Jorge de Sousa Matos 05-09-2017 19:57
Meu Deus! Eu estava convicto de que o tal movimento Sokols 2017 tinha mais sócios. Apenas meia dúzia de gatos pingados e desocupados impedindo a passagem da comitiva do Senhor Primeiro Ministro de Cabo Verde, gritando a velha e gasta música da regionalização e autonomia! E ainda mais num dia normal de trabalho, 3ª feira! O povo de S.Vicente não é inocente, já descobriu que, em verdade, em verdade, o que o tal grupinho quer é dividir as ilhas de Cabo Verde em nome de uma suposta regionalização ou autonomia, num país de dez pequenas e frágeis ilhas, com cerca de 500 mil habitantes e mais de metade vivendo na ILHA-MÃE, SANTIAGO. Para a próxima manifestação, só as moscas é que aparecerão.
Responder
+1 # Jovem atento 05-09-2017 18:51
Ulisses dja fronta. Ninguém ka mandabu cumpra Voto fladu na São Vicente.
Promessa é dívida. Prometeu Regionalização no 2ºE Ano de mandato, nem mais.
Responder
0 # Osvaldo Fortes 05-09-2017 16:27
Não sou de SVicente mas gostaria que se atribua autonomia o mais rapidamente possível para SV. É pena que é difícil saber-se se a maioria da população daí a quer; mas por favor se possível autonomizem já essa ilha!
Responder
+1 # Marciano Moreira 05-09-2017 15:21
REJIONALIZASON NUN TERA MIKROSKOPIKU?!

Pa komodidadi di leitor, N aglutina, nun so post na internet, serka di 1 dizena di ensaiu ki N publika na jornais di es prasa (inkluindu es benditu jornal) na 2013 i 2014 pa dimonstra irasionalidadi di kriason di 10 pruvinsia autonomu nes Kabu Verdi pikinotinhu: http://tinyurl.com/yden9nzr
Responder
0 # Deputado do MPD SN 05-09-2017 14:05
Mau sinal que precisa urgentemente ser interpretado pelo governo.
E esta atitude pega a nivel nacional, com os mesmos argumentos. Afinal nenhuma promessa ou compromisso como resolveu o Cutis chamar, foi ainda cumprido.
Ulisses tome cuidado porque o sinal comeca a ficar feio. Nao há mais discursos para travar a onde de descontentamento deste povo humilde e que está sendo humilhado pelo seu governo.
Quem avisa amigo é.
Responder
-2 # SÓCRATES DE SANTIAGO 05-09-2017 12:58
Independentemente do motivo das reivindicações do Movimento Sokols 2017, este não deve e nem deveria bloquear a comitiva do Senhor Primeiro Ministro de Cabo Verde. Isto demonstra tamanha falta de respeito para com o Primeiro Ministro de Cabo Verde, eleito, democraticamente, pelos votos de todos os cabo-verdianos, de Santo Antão à Brava, e não com votos apenas de S.Vicente, estes até insignificantes para a eleição de um partido ou de um Primeiro Ministro. O Movimento Sokols 2017, com este procedimento, poderá incorrer num crime de obstrução do espaço público, desrespeito e desacato à autoridade, crime esse punido por lei. O Movimento Sokols 2017, uma cópia mal feita do Mac 114, correrá sérios riscos de não serem levados a sério, pois, o mesmo só sabe reivindicar contra Santiago e Praia, contra todo e qualquer investimento que se faça na Praia e Santiago, o que quer dizer que a intenção do grupinho de S.Vicente é outra e não propriamente a regionalização, conceito que os elementos do grupinho nem sabem bem definir. A verdadeira intenção do grupinho Sokols e de outros do género, em S.Vicente, é criar uma nova centralização no Mindelo, tentar impedir e sabotar ,por todos os meios, os projectos estruturantes para Santiago e Praia e, num jogo de mestre, atraí-los para S.Vicente, à maneira do tempo colonial, da Primeira e e início da Segunda República. Pergunta-se o porquê de o tal Sokols e outros não se manifestarem contra SAL e BOAVISTA, ilhas que, de facto, têm recebido avultados investimentos, sobretudo em termos turísticos e, como alguém já escreveu, algures, constituem, neste momento, a TERRA PROMETIDA dos cabo-verdianos...S.Vicente é ilha com maior índice de desenvolvimento humano em Cabo Verde, o que quer dizer que sucessivos governos, da Independência a esta parte, têm feito avultados investimentos na ilha do Monte Cara, em detrimento das outras ilhas de Cabo Verde, inclusive, a ilha de Santiago. Neste momento em que o País atravessa momentos muito difíceis, com surto de paludismo no País, com especial incidência em Santiago, S.Vicente, Sal, Santo Antão e Boavista, com problemas nos transportes marítimos e aéreos, com o fraco crescimento do PIB e com lúgubres incertezas quanto às privatizações das nossas empresas públicas, a nossa atenção, por uma questão de patriotismo e unidade nacional, deveria estar concentrada nos problemas já referidos e não nestas cantiguinhas, já muito gastas, de regionalização e autonomia. Mas o Sokols e companhia limitada podem estar descansados. Nós, em Santiago, como disse, muito bem, uma conhecida debatedora da Rádio Nacional, não queremos apenas a regionalização e autonomia, nós, em Santiago, queremos a NOSSA INDEPENDÊNCIA JÁ.
Responder
0 # Osvaldo Fortes 05-09-2017 16:33
Excelente Sócrates. Como sp a análise e as verdades que se impõem. Como dizes autonomia para eles imediatamente e para nós também particularmente nos setores de mar, combustíveis, cerais e Electra principalmente!
Responder
+1 # Semedo 05-09-2017 11:13
Um grupinho ... looking for the teat, udder, breast, MAMA....
Responder
-3 # Helena Fontes 05-09-2017 10:09
Upsssssssssssss!
E o PM UCS nem saiu do carro?
Porquê?
Medo do "pov" de Sonsenti?
Que tristeza!
Vergonha nacional!
E no entanto disse o PCMSV ontem dia 4 de Setembro de 2017 que Sonsenti sta sabe pa frontá há um ano para cá...?!
Agó?
Kuzas ka sta bom não!
Afinal promessa é dívida mesmo, mas isso para os homens e mulheres de palavra, e a palavra é honra!
Pois...
Digo nada, só observando...
Responder
+1 # JURISTA LIVRE 05-09-2017 09:35
SANTIAGO- MAIO AUTONOMIA JÁ
Responder