Pub

sal1

A ilha do Sal, a mais turística de Cabo Verde, vai contar este ano com um corpo de Polícia Municipal, com até 70 efectivos, num investimento da câmara local superior a 350 mil contos até 2023.

De acordo com a deliberação da Assembleia Municipal que cria a Polícia Municipal do Sal, e que entra em vigor dentro de 30 dias, esta será a primeira do país, tratando-se de um corpo policial que tem como missão assegurar o interesse público do município.

Aquela força policial contará com sede na cidade de Santa Maria e um núcleo na cidade de Espargos, num quadro de pessoal constituído por até 70 efetivos na primeira fase do seu funcionamento, até 2023, à razão de dois efetivos para cada mil habitantes, conforme previsto na lei. No total, a população residente na ilha do Sal ronda os 37.000 habitantes.

“Caso as necessidades objetivas assim o determinem, pode a Câmara Municipal submeter à Assembleia Municipal uma proposta para solicitação, ao membro do Governo responsável pela área das autarquias locais, em nome do município, do reconhecimento do Sal como Município de Características Turísticas Acentuadas, que lhe permite alterar a razão de dois para três efetivos para cada mil habitantes residentes no Sal”, lê-se ainda na deliberação.

A fase de instalação prevê 30 efectivos, distribuídos por oito oficiais, seis graduados e 16 agentes. Até 2023, a autarquia do Sal conta com um orçamento de 351 mil contos para a instalação e funcionamento da Polícia Municipal.

O regulamento daquele corpo policial prevê o uso e porte de arma de fogo por parte dos agentes, mas “apenas para defesa”, enquanto equipamento coercivo, além de bastão e algemas.

Vai competir à Polícia Municipal do Sal, segundo o regulamento, “fiscalizar o cumprimento dos regulamentos municipais e posturas municipais”, bem como o estacionamento automóvel e executar coercivamente os atos administrativos das autoridades municipais, neste caso em coordenação e apoio com as forças de segurança, caso “seja previsível ocorrer resistência ou alteração da ordem pública”.

Entre outras responsabilidades, estes agentes vão ainda poder elaborar autos de notícia, autos de contraordenação ou transgressão por infrações cometidas, e intervir em ações de policiamento ambiental, de trânsito, económico, sanitário, urbano e rural.

Em entrevista à agência Lusa em Dezembro, o presidente da Câmara do Sal, Júlio Lopes, destacou o crescimento turístico da ilha, revelando que há empreendimentos em curso para novos hotéis, de grupos internacionais, que vão aumentar nos próximos meses a capacidade de camas em 30% e 750.000 dormidas anuais.

“As projeções indicam que daqui a poucos anos, o Sal atingirá um milhão de turistas por ano”, afirmou o autarca da única Câmara da ilha e que é também a que apresenta o mais alto Produto Interno Bruto per capita de Cabo Verde.

Na ilha do Sal, os turistas encontram praias paradisíacas, 340 dias de sol por ano, águas tépidas e todo o tipo de desportos associados, de aventura aos aquáticos e mergulho.

O turismo, além do emprego, explicou Júlio Lopes, tem permitido a reabilitação da ilha, com “impactos positivos” na vida das pessoas e no emprego, onde toda a gente vive direta ou indiretamente do sector.

Com Lusa

 

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar