Pub

ulisses lusa 

O candidato a sua própria sucessão na liderança do Movimento para Democracia (MpD, poder), Ulisses Correia e Silva, foi reeleito presidente do partido com uma taxa de participação de 58,4% de votantes nas eleições internas de domingo.

Em declaração à imprensa, o presidente de Gabinete de Apoio do Processo Eleitoral (GAPE), Mário Fernandes, afirmou que os dados avançados  são provisórios e que a votação para a escolha do presidente e dos delegados à Convenção aconteceu a nível nacional e na diáspora.

Conforme avançou, no universo de 31 mil inscritos, 18.100 militantes exercerem seu direito de voto, legitimando assim Ulisses Correia e Silva como líder do MpD, cargo que ocupa desde 2013.

“No universo de 31 mil inscritos votaram no presidente 18.250 militantes sendo que 18.100 corresponde aos votos válidos e uma participação daqueles que participaram de 99%, votos brancos 45 e votos nulo 105”, revelou, indicando entretanto, que a taxa de abstenção foi de 41,6%.

Para os delegados a convenção, indicou, no universo de 31 mil inscritos votaram 18.250 militantes mas que 17.900 foram considerados votos válidos alcançando assim 98%, de participação.

Com esta votação, segundo o presidente da GAPE, foram escolhidos a nível nacional 270 delegados e 30 da diáspora.

Mário Fernandes considerou que a participação dos militantes na escolha do presidente do partido foi “muito boa”.

Questionado se a taxa de abstenção não é alta para o partido, afirmou que não, uma vez que se trata de eleição com um único candidato.

“A taxa não é alta se levarmos em conta que se trata apenas de um candidato, quando se vai as eleições e se tem uma participação de 58,4 é uma boa participação em qualquer parte do mundo”, realçou.

Ulisses Correia e Silva, de 57 anos, lidera o Governo cabo-verdiano desde 2016 e é presidente do MpD desde Junho de 2013.

Já ocupou os cargos de presidente da Câmara Municipal da Praia, secretário de Estado das Finanças e ministro das Finanças.

Na eleição em 2013, substituindo Carlos Veiga, o também chefe do Governo cabo-verdiano foi candidato único e eleito com 98% dos votos expressos.

Três anos depois, também como único candidato, Ulisses Correia e Silva é reeleito com 99% dos votos dos cerca de 30 mil militantes inscritos.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Mário Gomes da Costa 10-02-2020 22:53
Falta corrigir a foto do UCS.
Responder
+1 # Fantonelli Mariah 10-02-2020 10:16
Eu fui daqueles que optou pela abstenção. Nada contra o presidente reeleito, antes pelo contrário, sempre fui o seu apoiante desde a altura em que concorreu pela primeira vez pela liderança do partido contra os concorrentes Jorge Santos e Agostinho Lopes.
O MpD está dormir à sombra da bananeira, abrindo flanco para o adversário
Eu estou bastante descontente com a forma como algumas chefias intermédias, que são nomeados pelos ministros, se relacionam com os funcionários dos serviços que coordenam, num tratamento desigual, beneficiando sempre os servidores públicos que são declaradamente apoiantes ou simpatizantes ou mesmo militantes do PAICV em detrimento dos servidores públicos que são declaradamente apoiantes, simpatizantes do MpD.
Eu e as minhas famílias estamos a ponderar seriamente sobre o nosso sentido de voto nas próximas eleições que se avizinham, fruto do descontentamento pela forma como certas chefias desvalorizam o contributo que demos para estarem a exercer o cargo que exercem.
Como se diz o ditado popular, amor só de um lado não funciona ou, quem não sente não é filho de boa gente.
Fica o aviso, e se as coisas continuarem desta forma...
Responder
0 # Gastão Elias 10-02-2020 15:52
Mas, o PAICV diz que a administração pública está partidarizada. Em que ficamos?
Responder
0 # Casimiro Dias 10-02-2020 17:43
Diz não!
Responder