Pub

 Felisberto Semedo PP

O vice-presidente do Partido Popular, considerou este domingo, 19 de janeiro, que a democracia e a liberdade em Cabo Verde, numa referência ao 13 de Janeiro, são “uma autêntica farsa” porque “quem não pertence ao partido no poder vive uma vida de medo”.

Em declarações à imprensa no final da reunião quinzenal do partido, Felisberto Semedo sustentou que ser democrático e liberto em Cabo Verde é ser “castigado” e “posto de lado”.

Feito isso, apresentou exemplos de algumas pessoas que após denúncias de “algumas verdades” foram “penalizadas” e afirmou que cidadãos cabo-verdianos “têm medo de participar na vida política” dos “pequenos partidos para não serem condenadas”.

“Diante desta situação para nós o festejar do Dia da Liberdade e da Democracia, 13 de Janeiro, não tem razão de ser”, disse.

Segundo Felisberto Semedo, em Cabo Verde o sistema está a usar o “populismo” como “ferramenta para silenciar as pessoas e pequenos partidos”.

Na sua comunicação, quanto aos temas debatidos na reunião deste domingo, Felisberto Semedo denunciou ainda aquilo que designou de “abusos” do Instituo Nacional de Previdência Social (INPS), referentes ao pagamento de subsídio de doença aos trabalhadores, ao mesmo tempo que exortou “a quem de direito” para intervir.

Isso porque, sublinhou, nas empresas públicas do Estado os trabalhadores descontam 8 por cento (%) do seu salário e a entidade empregadora 15%, o que totaliza 23% de descontos para a previdência social, que muitos trabalhadores depois não usufruem, pois um acidente é sinónimo de “afronta”.

“Um trabalhador acidentado, mesmo após desconto por vários anos no INPS se tiver um acidente é pago em casa o valor de nove mil escudos mensais por doença, mesmo que receba 50 mil escudos de salário”, informou.

Sublinhou ainda que o partido tem testemunhos de várias pessoas que preferiram ir ao trabalho mesmo doentes para não ter de receber esse “miserável salário” do INPS, depois de descontar vários anos para o cofre da instituição.

A reunião de hoje, salientou, serviu também para que o partido fizesse uma análise sobre a segurança pública, tendo aproveitado para parabenizar algumas melhorias no trabalho da Polícia Nacional e da Polícia Judiciária.

Face a isso, apelou ao poder judicial a fazer a sua parte e contribuir para uma melhor justiça no País.

No que respeita a organização da urbanização do concelho a Praia, o Partido Popular culpabilizou a câmara por este sucedido e apela a “um melhor trabalho” para acabar com os “becos” onde os bandidos se escondem, contribuindo assim para facilitar o serviço da polícia.

Além da urbanização, o Partido Popular analisou ainda o problema da iluminação pública, que considera ainda estar “aquém do desejado”, numa cidade capital.

“Com colocação de videovigilância em zonas mais nobres, agora os bandidos estão a atacar zonas e comunidades mais pobres, o que deve mudar, pois somos todos cidadãos deste País”, acrescentou.

A reunião quinzenal serviu, ainda, para o lançamento do site do Partido Popular com o endereço  www.partidopopular.cv.

Com Infopress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # info@partidopopular. 24-01-2020 16:35
os corvos comeram o dinheiro do povo do NOVO BANCO - 1.000.000 de contos e se os espantalhos do PP estivessem no parlamento provavelmente este dinheiro seria canalizado para prestação dos cuidados da saúde, baseada numa tecnologia primitiva!
Responder
0 # info@partidopopular 24-01-2020 11:18
e os corvos que comem a sementeira do povo cabo-verdiano, que bom ter espantalhos como os do PP
Responder
0 # Antonio 20-01-2020 18:52
Este Sr. nao sabe o que diz. O desconto do trabalhador e de 8.5%. Casos de acidentes sao cobertos pelo Seguro e nao o INPS.
Responder
0 # toto 21-01-2020 14:42
quem desconta 8,5% ?
Responder
-4 # John Miller 20-01-2020 11:06
Claro que sim! É a farsa que trouxe liberdade de expressão e de escolha livre, e que hoje permite esse bando de espantalhos, quinzenalmente, inundar-nos com disparates. PP és uma fraude que saiu da farsa do 13 de janeiro!
Responder
0 # info@partidopopular 23-01-2020 14:24
se hoje em cabo verde é confiscado os bens do narcotrafego, falta o passo seguinte que é o confisco dos bens de certas pessoas cuja riqueza está suportada pela corrupção, pessoas como GR;JS,JMN,FV,SCAFA etc
Responder
+1 # info@partidopopular 23-01-2020 14:18
resposta a John Miller - é melhor o senhor manter-se calado, pois o 13 de janeiro de 1991 que permitiu a saga da corrupçao e o enriquecimento rapido e ilicito, hoje tem tomado uma nova forma, daqui a nada estes espantalhos do PP estão no poder e exigirão o escrutinio apertado das origens das riquezas em cabo Verde
Responder