Pub

Jorge Carlos Fonseca

O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, disse hoje que o futuro do país depende da integração no vasto mercado da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), para melhor desempenho da economia e atração de investimentos.

"Temos de convir que, e isto não se trata de nenhuma proclamação ideológica ou identitária, o futuro do país depende da sua integração", disse o chefe de Estado cabo-verdiano, na cidade da Praia, no ato de tomada de posse de três novos ministros do executivo liderado por Ulisses Correia e Silva, em que um deles é o ministro-adjunto do primeiro-ministro e da Integração Regional.

Para Jorge Carlos Fonseca, a integração regional é um "combate de longo fôlego, complexo, difícil, por vezes pouco compreendido", mas que vai permitir o bom desempenho da economia, atração de investimentos e existência de mais mercados.

"O trabalho de integração no mais vasto mercado da nossa região é decisivo para um futuro de prosperidade e para um Cabo Verde verdadeiramente desenvolvido que nós todos sonhamos", reforçou o mais alto magistrado da Nação cabo-verdiana.

Em declarações aos jornalistas, o novo ministro-adjunto do primeiro-ministro e da Integração Regional, Rui Figueiredo Soares, disse que encarou o discurso do Presidente da República como um "enorme desafio", neste mundo cada vez mais globalizado.

"E Cabo Verde, pelas suas especificidades e vulnerabilidades, só pode contar com esta integração regional para assegurar um futuro melhor, mas também para contribuir para que esta região de África Ocidental e toda a região maior que é a África seja um lugar de prosperidade, felicidade e bem-estar para todos os cidadãos", afirmou.

O novo ministro reconheceu que, pelo percurso e história do país, essa integração regional "tem sido dificultada", mas notou que, com os sinais dados nos últimos tempos pelo Governo, nomeadamente por ter um ministro que se ocupa dessa área, esse desafio pode ser ultrapassado.

"Conseguiremos dar passos significativos no sentido de uma integração efetiva e não apenas uma integração de ajuda", prosseguiu o novo ministro, que antes desempenhava aa funções de líder parlamentar do partido que suporta do Governo, o Movimento para a Democracia (MpD).

Rui Figueiredo Soares disse que quando o Presidente da República faz essa referência, dá-lhe a si e ao Governo uma "responsabilidade acrescida", visto entender que a integração regional é "uma tarefa hercúlea", que deverá contar também com a integração da sociedade.

"Não gozamos, à partida, de uma grande facilidade, de um grande acolhimento na região, mas podemos mostrar que somos úteis à região e que a região, este mercado enorme de 370 milhões de habitantes, é um mercado muito importante e Cabo Verde pode também desempenhar um papel devido à sua posição geoestratégica, devido às parcerias especiais que tem, especialmente com a União Europeia, nós podemos ser um interlocutor muito válido para acrescentar também às valências da comunidade", terminou.

Rui Figueiredo Soares substitui no cargo Júlio Herbert, encontrado sem vida no seu gabinete, em 21 de outubro último.

Fazem parte ainda da CEDEAO o Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné-Conacri, Guiné-Bissau, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa e Togo.

Além de Rui Soares, tomaram posse também os novos ministros da Economia Marítima, Paulo Veiga, e do Turismo e Transportes, Carlos Santos.

O Presidente da República disse tratar-se de "áreas muito relevantes e cruciais" para a economia do país e "decisivas" se tiverem boa performance para a realização da constituição social, no que diz respeito ao crescimento da economia, criação de emprego e bem-estar das pessoas.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar