Pub

Gilberto Silva

O ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, afirmou que o Governo está a trabalhar com todos os cenários possíveis sobre a vinda ou não da chuva este ano. Mas não revelou qual o plano de contingência que tem em mangas.

Gilberto Silva, que falava aos jornalistas em São Domingos, interior de Santiago, é de opinião que ainda é cedo para se afirmar que vai haver um mau ano agrícola, mas que, mesmo assim, o Governo trabalha para todas as alternativas e cenários.

“Num cenário em que as coisas não corram bem, o governo entrará com medidas adicionais de mitigação. Nós temos trabalhado muito fortemente nas medidas de resiliência e que tem a ver essencialmente com a mobilização da água”, acrescentou.

Gilberto Silva disse ainda que vai ter que arrancar com os trabalhos de dessalinização da água salobra, assim como da água do mar para serem utilizadas na agricultura.

Trata-se, conforme frisou, de todo um trabalho que vai demorar mais tempo, mas que vai trazer “maior preparação” ao país para enfrentar anos de seca, dentro de um contexto de mudanças climáticas.

O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, manifestou-se, por seu lado, crente de que as “boas previsões” sobre a vinda das chuvas se confirmem, entretanto apelou para a antecipação dos problemas que poderão acontecer, o que, a seu ver, deve ser feito com “serenidade, lucidez e inteligência”.

“Nós não devemos tomar medidas apenas quando acontecem coisas deste género, devemos é antecipar os problemas que podem surgir, mas sempre com serenidade, mas com lucidez e inteligência”, defendeu Jorge Carlos Fonseca, em declarações aos jornalistas na segunda-feira, 19, na cidade da Praia.

Cabo Verde está a passar por uma das piores secas nos últimos 40 anos. Em entrevista à Rádio de Cabo Verde, o ministro da Agricultura afirmou que a situação actual “só é comparável às secas de 1947 e 1977, em que a situação foi muito complicada”. “Em 1947, inclusive, houve fome e mortandade”, lembrou.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Come--entar25 04-09-2019 18:52
Que se passa com este senhor.... ninguem accredita nele. O que ele diz eė conversa para boi dormir. Ele é completamente vazio. Estamos entregues ao Divino. Este nao programou absutamente nada. Aqui no ministerio podemos desmascara-lo.
Responder