Pub

Luis Carlos Silva

Numa nota de imprensa divulgada esta sexta-feira, 10 de maio, relacionada com a venda do Liceu da Várzea o Movimento para Democracia (MpD), ataca a oposição, dizendo que o PAICV e a UCID andan a fazer riola, porque no entedimento dos ventoinhas com este negócio Cabo Verde está “a ganhar relevância e notoriedade no quadro da geopolítica Americana e, consequentemente, a mundial”.

O partido de Ulisses Correia e Silva afirma que “a deslocalização do liceu da Várzea para dar lugar à Embaixada dos Estados Unidos da América é um grande projeto, complexo, transversal, que envolveu 3 ministérios, mas também a comunidade local”, assegurando que “é um processo consensual que tem sido gerido por forma a se conseguir a melhor solução e o melhor equilíbrio de satisfação de todas as partes”.

Luís Carlos Silva, deputado e membro da comissão política do partido ventoinha, vai mais longe e diz que “a decisão de construir uma Embaixada de raiz, com esta dimensão e com as verbas envolvidas (mais de 200 milhões de dólares), significa o “upgrade” da relação dos USA com Cabo Verde, é uma aposta clara e inequívoca em Cabo Verde. Estamos a ganhar relevância e notoriedade no quadro da geopolítica Americana e, consequentemente, a mundial”.

Para o partido no poder são interesses do país é que estão em causa. E que a oposição quer pôr em causa, acusa Luís Carlos Silva, para quem “o país foi surpreendido com uma série de ataques: primeiro, por parte do PAICV a instigar as pessoas a se insurgirem contra o governo da república e, depois, a UCID, acusando o governo de ter vendido a alma do povo”, observando que “em ambos os casos o registo é o mesmo: sem se preocuparem com a recolha da totalidade das informações, se apressam e atacam a medida e o governo”.

O MpD diz não ter ficado surpreendido com as tiradas da oposição, sobretudo do PAICV porque este partido “é contra tudo o que este governo faça: é contra Isenção de Vistos; é contra SOFA; é contra Binter; é contra Iceland Air; é contra Hub aéreo do Sal; é contra o serviço público de Transporte Marítimo; é contra a Regionalização; é contra o reforço financeiro dos municípios”.

Entendendo que as vozes que se levantaram contra a venda do referido liceu é um ataque aos Estados Unidos da América (EUA), o MpD promete “não aceitar a secundarização deliberada dos interesses de Cabo Verde e dos Cabo-Verdianos e o ataque, gratuito, a um parceiro central do processo de desenvolvimento de Cabo Verde, quer através da APD ou pelo facto deste (parceiro) acolher a maior comunidade Cabo-Verdiana na diáspora. Um parceiro com o qual partilhamos valores como o primado da lei, a primazia dos direitos humanos, a democracia e a liberdade enquanto valores universais”.

Para o MpD, os sentimentos à volta da venda do liceu da Várzea é uma “forma daninha de fazer política” e que deve ser combatido. “Esta forma daninha de fazer política tem de merecer o nosso mais firme combate. E é por isso que estamos aqui, para posicionarmo-nos contra o cúmulo a que se chegou. Já não existe o limite do razoável, já não se tem em conta o futuro do país, nem a nossa credibilidade e imagem externa”.

E conclui que "Cabo Verde merece mais. Cabo Verde merece muito mais. Cabo Verde precisa de grandes ideias e não de "riolas". Cabo Verde precisa de reformas estruturantes, Cabo Verde precisa de grandes projetos, de grandes parceiros”.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # miguel 15-05-2019 15:47
A Cidade da Praia graças ao MPD irá passar a contar com mais uma Citadelle, dentro da sua cidade. A Citadelle prisão que os EUA vão construir no centro da Cidade da Praia vai ficar um marco centro histórico e financeira da capital do país. Um novo muro de Berlim ou Muralha da China ou Muralha do México vai ficar muito linda no centro da Praia. Os muros da prisão de Trump na Capital com arame farpado de ponta a ponta vai ficar um brinco. A Cidade do Mindelo vai poder dormir descansada por largos séculos com esta machadada arquiteutónica dada pelo MPD à nossa Praia-Maria. A Pró-Praia agradece e aplaude.
Responder
+1 # João Oliveira Cruz 11-05-2019 14:37
João de Deus Oliveira da Cruz B. I.

Dizer que questionar a venda de uma escola pública para a construção dessa embaixada "é um ataque aos Estados Unidos da América" é um enorme exagero. Porém o essencial ficou por dizer:
Quais as reais intenções de construir esse edifício a paredes-meias com o Palácio do Governo?
O Governo e o seu partido deve parar com esse discurso demagógico porque existem valores que dinheiro nenhum é capaz de comprar.
Responder
0 # Caboverdiano 11-05-2019 22:43
A venda não só abrange o espaço do liceu Cónego Jacinto, mas também o terreno campo de tênis e golfo e o campo Epif.
Que tipo de embaixada para ocupar tanto espaço? Tinha mesmo que ser ali?
Para a CMP vender o terreno do campo de tênis e golfo sem o consentimento do Dono e tentar enganá-lo com outro terreno na cidadela que é da Enacol?
Inventa uma nova mentira para justificar a outra e os fanáticos rabentolas aplaudem o negócio?
Tomamos a independência em terra dos outros?
Onde está o povo cabo-verdiano?
Todos os dias aparecem novas vendas, cada uma mais obscura que a outra!!!!!!!!
Responder
+1 # Migueis 11-05-2019 12:41
O sr está de serviço para responder com tolices a leviandades e torturar o ouvido de cada um seu pateta......
Responder
+4 # Sabo 10-05-2019 16:44
Na verdade cabo verde precisa de Homens, de estadista e nao de rabidantes
Responder