Pub

JorgeCarlosFonseca

O Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, disse hoje que o poder político tem de saber gerir os "sinais e insatisfações" para poder manter "razoável a satisfação" nacional, social e regional.

O chefe de Estado cabo-verdiano falava hoje à imprensa, em reação à manifestação realizada no domingo em São Vicente pelo movimento cívico Sokols 2017, para exigir a reposição dos voos diretos internacionais da companhia aérea Cabo Verde Airlines (TACV) de e para a ilha.

"A manifestação é um direito consagrado na Constituição e, de certa maneira, a expressão é salutar numa vivência democrática, mas o que diria é que nós, o Governo, a Presidência e todos os outros, devemos acompanhar e estar atentos para interpretar os sinais para que quando forem relevantes e de legítima expressão de insatisfação, se traduzam em concretização de políticas públicas", afirmou Jorge Carlos Fonseca, citado pela agência Inforpress.

O movimento Sokols 2017 criticou as declarações do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que disse que a TACV será privatizada e que as linhas aéreas serão definidas de acordo com "interesses de viabilidade comercial" e que o seu regresso à ilha "não é uma decisão administrativo-política do Governo".

Jorge Carlos Fonseca adiantou que ouviu as afirmações do chefe do Governo através da comunicação social, mas salientou que é preciso saber ler e interpretar as declarações feitas por políticos.

"Eu interpretei isso no sentido de que o primeiro-ministro quis dar a entender que as políticas empresariais são decididas pelas empresas e que não se pode administrativamente impor medidas se elas não têm sentido no ponto de vista da lógica empresarial", explicou.

Após a manifestação, que contou com mais de mil pessoas, Salvador Mascarenhas, presidente do Sokols 2017, não descartou outras formas de luta para ver os voos internacionais da companhia área pública de regresso a São Vicente.

Com a retirada da Cabo Verde Airlines, a transportadora aérea portuguesa TAP é a única companhia que faz voos internacionais regulares a partir de São Vicente para a Europa e os preços das passagens têm sido alvo de críticas por parte dos passageiros.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # GU-ver-Nu 24-12-2018 09:01
Oi ZONA bá kbo cara pá frente. Grade focu......... crédu..........
vocé e um driblhador.... sempre foi......
Responder
0 # Ernesto Rodrigues 20-12-2018 11:05
Para um bom entendedor, meia palavra basta ...!
O recado está dado !!!
Responder
+2 # mary 19-12-2018 18:25
Já é tempo do governo refletir para ver que algo não vai bem. As manifestações e as reclamações não surgem do nada. Será que só temos apáticos no governo?
Responder