Pub

Paulo Rocha

O Orçamento do Estado para 2019 prevê um aumento salarial na ordem dos 20% para a Polícia Nacional, garantiu esta quarta-feira, 5, o ministro da administração interna, Paulo Rocha.

O governante revelou estas informações durante uma audição na Comissão Especializada do Parlamento para Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos, Segurança e Reforma do Estado, sobre o Orçamento do Ministério da Administração Interna para 2019.

Paulo Rocha disse que este orçamento “prioriza a consolidação dos investimentos”, mas que, sobretudo, “materializa uma importante vontade do Governo no que tange a um conjunto de medidas centradas nas mulheres e homens da Polícia Nacional, visando a criação de condições justas de desempenho”.

O ministro da Administração Interna estava assim a referir “a um aumento salarial que ele considerou “de histórico”, porquanto há muitos anos que a Policia não tinha um aumento salarial nessa proporção”.

Paulo Rocha lembrou, entretanto, que em 2017 “fez-se o nivelamento salarial, estabelecendo o índice na ordem dos 50 mil e que agora está-se a propor, para 2019, elevar o índice para os 60”.

Este aumento salarial na ordem dos 20%, disse, é um compromisso que o Governo está a selar neste orçamento.

“Um compromisso firme assumido com vista a melhorar o quadro remuneratório, garantir previsibilidade e estabilidade pessoal e familiar”, ajuntou.

Para além disto, disse Paulo Rocha que, no plano dos investimentos do Ministério da Administração Interna, prevê-se o reforço nos equipamentos operacionais, assistência técnica e especializada em matéria de investigação criminal, reforço na prevenção e fiscalização rodoviária, construção das unidades policiais, a continuação de implementação do modelo integrado de policiamento de proximidade, mas também outros investimentos, nomeadamente, a implementação da estratégia nacional de redução de riscos de desastres.

São programas que, segundo aquele governante, permitirão ao ministério, por um lado, consolidar os investimentos que tem vindo a ser feitos desde 2016/17, como, por exemplo, os meios operacionais e aquisição de equipamentos de segurança e protecção individual “que têm provado ser determinantes na melhoria do desempenho das forças de serviço de segurança.

Por outro lado, completou, permitirão “consolidar os ganhos, nomeadamente em termos de reforço da segurança, diminuição do número de ocorrências e melhoria da percepção da segurança, visando alcançar o desiderato proposto para 2021, que é o da redução da criminalidade na ordem dos 50%, estando nesta altura na ordem dos 34 por cento”.

O Orçamento de Estado para 2019 pretende, segundo Paulo Rocha, disponibilizar uma quantia de 3 mil milhões e 103 mil escudos para o Ministério da Administração Interna, o que representa um aumento na ordem dos 14,95 %, em relação a 2018, sendo que, em relação ao orçamento do funcionamento, o aumento é na ordem dos 19,96%, reflectido sobretudo no orçamento de funcionamento da Policia Nacional.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # José Manuel Moreno 08-12-2018 04:04
O Governo de Cabo de Verde está abrir um precedente incomensurável concedendo uma Instituição um aumento salarial de 20% de uma centada. Só tenho a parabenizar os contemplados.Todas as Instituições da República criadas são úteis e indispensáveis. Precisamos da Polícia sim é indispensável, precisamos ou não dos Medicos dos Enfermeiros, dos Professores dos Juizes dos Magistrados dos Marinheiros dos condutores em fim toda uma palopia das profissões que sustentam Administração de uma Nação sim úteis e indispensáveis.Perguntem aos temoteiros da Adminstracao qual era o racio salarial em 1974/1975 o que é que os Dirigentes do Novo Pais a partir de de Janeiro 1975 nos impuseram para criar esse País. Se a memória me ajude o salário foi reduzido a 50% e cortadas todas gorduras salariais porque a tesouraria Caboverdiana não chegava para pagar os Servidores da Administração por mais de uma semana....não esquecerei nunca e nunca de um comício no largo do Liceu Domingos Ramos muito impulgado pelo o Comandante Senhor Silvino da Luz nos obrigou a gritar alto em uníssono “Abaixo décimo terceiro mês” “Não queremos Salário d miséria”e toda a assistência no famoso comício foi atrás e um mês depois em Dezembo foi cortado o subsídio do Natal para todos os Servidões da Administracao Pública. Os Homens e Mulheres que não embarcaram para Metrópole (Lisboa) e os novos quadros Licenciados ou não regressaram ao País com o espírito revolucionário da época e abraçaram o Projeto criando a República de Cabo Verde foram e são guerreiros sem metralhadora AKM e batalhadores num imenso campo tórrido sem essas criaturas a vida e o sucesso nessas ilhas era impossível. Os Historiadores são incumbidos de certificar essa narrativa. Bem haja os Homens de boa vontade.
Responder
0 # GovERNU 06-12-2018 10:26
Sr . Ministro. Caros de[censurado]dos desta Nação.
E o resto do pessoal da Função Publica ..?... e os reformados ? Fazer curso superior hoje ? Para quê?
Ummmmmm...
Cuidadinho pq isso pode estoirar........
Obs: os reformados que ganham 100 mil escudos e 1 centavo nao vao ao wc.
Responder