Pub

Não existe conduta criminal. Pode ter havido conduta anti-ética e violadora dos princípios da transparência (já abordada por este diário digital), mas estas devem ser sancionadas em outra sede. São estas as principais conclusões do Ministério Público, sobre um processo que tem um rosto - o do vice-primeiro ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia.

Neste contexto, a Procuradoria-geral da República determinou hoje o arquivamento do processo sobre aumento da taxa de direitos aduaneiros de produtos lácteos e sumos naturais, processo que envolvia o ministro Olavo Correia, por ter considerado “inexistir” conduta criminal.

Em nota publicada no site do Ministério Público, em www.ministeriopublico.cv, a mesma fonte refere que da “factualidade denunciada e analisada inexiste conduta criminalmente” tipificada e punível nos termos do ordenamento jurídico cabo-verdiano.

O caso deu-se, na sequência de notícias vindas ao público, dando conta que o aumento da taxa de direitos aduaneiros na importação de produtos lácteos e sumos naturais, constante da Lei do Orçamento de Estado para o ano económico de 2018, teve como “específica finalidade” favorecer uma concreta empresa nacional, a Tecnicil, da qual o ministro das Finanças e vice-primeiro-ministro, Olavo Correia é, alegadamente, accionista.

Aberto o processo de averiguação, de acordo com a mesma fonte, visando a recolha de elementos com vista à apreciação do seguimento a dar a tal denúncia, após recolha e análise de um conjunto de elementos e documentos “com relevância” para apreciação do seguimento a dar às denúncias, o Ministério Público determinou o arquivamento do referido processo.

A mesma fonte considera que, “ainda que tal medida possa vir a beneficiar, indirectamente, o ministro visado, por via da sua companheira, enquanto accionista de uma das empresas que por ora produz localmente os produtos cuja taxa de importação foi aumentada, a sua participação no processo de elaboração do Orçamento de Estado não se enquadra em nenhuma previsão legal”, em especial nos crimes de tráfico de influência, participação ilícita em negócios ou abuso de poder.

Do despacho de arquivamento, que vimos citando, consta ainda que, considerando o princípio da subsidiariedade do direito penal, (…) “nem toda a actuação que possa ser considerada como eventualmente não conforme com os princípios éticos e de transparência”, é suscetível de consubstanciar ilícito criminal”, pelo que, “a existirem tais violações elas deverão ser sancionadas em outra sede, que não o direito criminal”.

O processo de averiguação ora arquivado encontra-se na Procuradoria-Geral da República, informa a mesma fonte, podendo ser consultado por qualquer pessoa que nisso revelar interesse legítimo, em conformidade com o disposto na legislação processual penal.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Atento di Picos 23-04-2018 09:56
Sr. ministro, aqui se faz, aqui se paga.
Nhôs lema era #quem fez fará#, isto tem sido a sua prática... As consequências não tardam a chegar.
Responder
0 # Moisés Leão 21-04-2018 23:49
A justiça divina tarda mas não falha.
Responder
+1 # Ligia Amado 21-04-2018 19:10
A mim a justiça cabiverdeana nao me engana
Todo o mundo sabe que aconteceu o crime. Para nao deixar UCS em maos lemçoes entao prestou mau seuviço a naçao caboverdeana. Se fosse no Brasil ou em Portugal a coisa seria diferente. Socrates e Lula sao exemplo ja justiça.
Responder
+1 # Augusto Nelson Ribei 21-04-2018 15:53
conduta anti ética para favorecimento de alguns agora não é crime? O comandante do Sal vai ser processado por conduta anti ética
mas para Governantes não assim vai nossa justiça
Responder
0 # Vado 21-04-2018 12:35
Mas alguém de bom senso acredita na nossa justiça? O teatro montado pelo procurador era para ter este desfecho para limpar a imagem do seu chefe, nunca a procuradoria produziu uma decisão tão rápida como esse, o objectivo é acabar com as suspeicoes sobre os chefes, haja saco para aturar a porca vergonha neste país.
Responder
0 # Pedro Paulo 21-04-2018 12:12
Ulisses correia y Olavo dja flaba má isso ka tá tinha nada, ami djan tinha acreditado, má justiça des terra li é só pa coitado, agora vilarinho branco nada.
Responder