Pub

casamento

No distrito do Porto o número de casamentos entre portugueses e estrangeiros em 2019 aumentou quase 40% em relação a 2009 e no ‘top’ seis dos países unidos por matrimónio estão Cabo Verde, Ucrânia, Espanha, Angola, Índia e Brasil.

Dados do Ministério da Justiça revelados hoje à Lusa indicam que, na última década, foram celebrados no distrito do Porto 7.280 matrimónios entre portugueses e estrangeiros, num universo total de 59.770 casamentos, sendo que os últimos três anos foram os que mais enlaces registaram. Em 2019 houve 781 casamentos, em 2018 registaram-se 938 matrimónios e em 2017 contabilizaram-se 895 enlaces.

No ‘top’ seis de cidadãos estrangeiros que quiseram celebrar uma relação de união com portugueses estão os cidadãos cabo-verdianos com 529 matrimónios registados em 10 anos, seguido depois dos cidadãos ucranianos com 406 casamentos, depois a Espanha (395), Angola (345), Índia (275) e Brasil (257).

A união entre portugueses e cidadãos do Reino Unido (279) e Venezuela (217) aparecem em 7.º e 8.º lugares, respetivamente, mas a variedade de casamentos multinacionais estende-se por cidadãos da Itália (189), EUA (183), Guiné Bissau (154) Rússia (151), Marrocos (108), México (56), Nepal (46), Irlanda (51), Hungria (23) ou Japão (19).

Nos últimos 10 anos houve ainda enlaces únicos, como o casamento com um cidadão do Afeganistão, outro da República Árabe do Iémen e outro com um cidadão do Burkina Faso.

Segundo o Ministério da Justiça, há também registo de um matrimónio que uniu um português e uma cidadã dos Emirados Árabes Unidos e uma união de um lusitano com uma cidadã do Quirguistão.

Há dois matrimónios registados com cidadãos palestinianos, cinco casamentos com kosovares, seis com cidadãos da República da Costa do Marfim e oito do Uzbequistão.

O número de casamentos no distrito do Porto em que ambos os cônjuges são estrangeiros também aumentou ao longo da última década. Em 2009 as conservatórias apenas tinham registo de 14 matrimónios e em 2019 foram celebrados 76 casamentos.

O ano de 2015 foi, todavia, o ano desta última década com mais matrimónios entre estrangeiros, tendo-se registado 90.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar