Pub

casa horror

Numa escola destinada a aprender o Alcorão, na cidade de Kaduna, a polícia nigeriana descobriu um centro de tortura e abusos sexuais de menores. Cerca de 500 homens e crianças de várias nacionalidades estavam presos e acorrentados no local. O proprietário do estabelecimento, já apelidado de "Casa do Horror", e seus assistentes foram presos. As crianças foram libertadas e estão recebendo assistência das autoridades. 

Foi após repetidas queixas dos vizinhos que a polícia nigeriana decidiu inspeccionar uma escola corânica no distrito de Rigassa, em Kaduna, no norte da Nigéria. Atrás de uma grande parede rosa estava o que a imprensa nigeriana agora chama de a "Casa do Horror".

Cerca de 300 crianças moravam no local, oficialmente para aprender o Alcorão. Muitos foram torturados e molestados sexualmente, segundo Yakubu Sabo, porta-voz da polícia do estado de Kaduna. "Pegamos o depoimento de 100 estudantes, incluindo crianças de nove anos", acrescentou, relatando que esses meninos e meninas "foram acorrentados numa pequena sala, com o objectivo de ‘corrigí-los e fortalecê-los’". A polícia também encontrou uma câmara de tortura onde os estudantes eram pendurados em correntes e espancados.

Nas poucas fotos publicadas na imprensa nigeriana, vê-se uma criança com as costas cobertas e feridas abertas, causadas por repetidos golpes de chicote. Outra (a que ilustra esta peça) tem os pés acorrentados a barras de ferro, enquanto uma multidão de garotos se encontra amontoada em um quintal insalubre. São jovens vítimas oriundas de muitos países, incluindo Burkina Faso, segundo as autoridades nigerianas.

Um dos jovens, citado em vários jornais, disse que os alunos foram forçados a "ter relações homossexuais" e que, em três meses, um rapaz morreu como resultado das sessões de tortura.

Com RFI



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # toto 29-09-2019 15:41
E' perturbar esse facto , 300 humanos torturados ,antes meninas raptadas ,aldeias queimadas e nenhuma medida contra o Gov de Nigeria !!!
Responder