Pub

 moçAMBIQUE

Cabo Verde vai ajudar Moçambique com uma verba que poderá atingir os 200 mil dólares (cerca de de 20 mil contos) e está a analisar a possibilidade de enviar uma equipa para ajudar as populações afectadas pelo ciclone Idai, garantiu Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro falava no final da cerimónia de lançamento do projecto de Reforço de Educação e de Desenvolvimento de Competências (PREDC) pelo Governo de Cabo Verde, em parceria com o Banco Mundial, que decorreu na cidade da Praia.

De acordo com o chefe do Governo, a ajuda a Moçambique irá concretizar-se através de uma verba oriunda do Orçamento do Estado e de empresas que estão a ser contactadas pelo Executivo para esse fim.

“Através do Orçamento do Estado, dentro das nossas condições, vamos afectar uma verba importante para o apoio à situação de emergência que existe hoje em Moçambique e estamos também a mobilizar recursos junto das empresas para que, de uma forma voluntária e solidária, possam participar”, disse.

E acrescentou: “Pensamos que podemos atingir uma verba na ordem dos 200 mil dólares, com a participação do Governo e das empresas, para darmos uma contribuição de Cabo Verde para uma situação que é gravíssima”.

Além deste montante, o Governo está a analisar a possibilidade de enviar uma equipa para o terreno.

“Vamos organizar um encontro com diversas entidades, como a Proteção Civil, Forças Armadas, Cruz Vermelha para ver o que se pode disponibilizar em termos de participação no terreno, para darmos também a nossa contribuição”, adiantou.

Ulisses Correia e Silva adiantou que o Governo e a Presidência da República têm estado a trabalhar “de uma forma muito sintonizada”, de forma a brevemente Cabo Verde “dar um sinal muito forte” da sua contribuição e solidariedade “para minorar a situação em Moçambique”.

O número de mortos confirmados na sequência do ciclone no centro de Moçambique subiu para 217, segundo dados oficiais hoje divulgados.

Numa conferência de imprensa na Beira, o ministro da Terra e do Planeamento Territorial, Celso Correia, disse que estavam ainda em risco, na quarta-feira, cerca de 15 mil pessoas.

O governante adiantou que foram resgatadas cerca de 3.000 pessoas desde quarta-feira.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou perto de 400 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respectivos governos desde segunda-feira.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, decretou o estado de emergência nacional na terça-feira e disse que 350 mil pessoas “estão em situação de risco”.

Moçambique cumpre hoje o segundo de três dias de luto nacional.

A Cruz Vermelha Internacional indicou que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas na Beira, considerando que se trata da “pior crise” do género em Moçambique.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

Com Lusa/Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar