Pub
Por: José Valdemiro Lopes

 JoseValdemiroLopes Ponto de Vista

2020, Ano das autárquicas em Cabo Verde, em termos de desenvolvimento social local, os ganhos destes últimos anos não são tão impactantes e todos os 22 municípios, apresentam um atraso preocupante, relativamente às metas dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, (ODS das Nações Unidas), programadas, para serem alcançadas, em 2030.!

O acesso a financiamento pela classe empresarial e as necessidades em matéria de infraestruturas é ainda crucial, no arquipélago, e se Cabo Verde “… tem dinheiro que nunca mais acaba …”, parafraseando o Sr. Ministro das Finanças; existindo, este “dinheiro” deve estar nos cofres dos bancos!…, Se estivesse no seio das famílias cabo-verdianas, a “economia nacional” seria mais dinâmica, com menos desemprego, mais justiça social, beneficiando pela positiva a redução da pobreza…

Também é verdade que o PIB, finalmente nestes últimos anos, cresceu, á volta de 5%; um milagre, comparado com os magros resultados contínuos dos 15 anos da governança do anterior regime político que não conseguiu fazer crescer o PIB a dois dígitos, como prometido, que pelo contrário, estagnou-se, sempre á volta do débil 1%...

Observou-se em absurdo vindo sempre pela mesma via de comentário do pseudo intelectualismo político partidário hoje, oposição, de fraca e baixa representação politica (presença apenas em 2 dos 22 municípios), que não compreende como e por que razão, se a economia cresceu, 5%, não houve impacto significativo na redução do desemprego e diminuição da injustiça social?

A resposta é simples e salta á vista: A economia cresceu, é verdade, gerou mais-valia; mas será que nestas ilhas, a economia e as estruturas produtivas, são verdadeiramente controladas por nós, os autóctones quando na sua maioria os grandes investimentos privados em Cabo Verde, são todos estrangeiros! É natural que a “mais-valia” regresse às origens e o capital que saiu, não foi reinvestido nestas ilhas. Os ganhos criados aqui, foram repatriados e não se pode criar nem hipóteses nem perspectivas de verificação de baixa expressiva de desemprego…. O investidor privado, investe onde é rentável. Semeia o grão para colher a espiga…

Se a economia cabo-verdiana, fosse controlada pelos nacionais, mais seguramente que as probabilidades de reinvestimento, seriam maiores, a mais de 80% e migrariam supostamente para áreas diferentes, criando mais riqueza, mais emprego e diversificaria esta pequena economia de subsistência, ancorada na indústria turística, que precisa desta vitalidade, para realizar mudanças.

O Estado, tanto o central como o local tem de continuar a praticar, ainda, é uma necessidade, uma politica “assistencialista”, intervindo onde for necessário, preservando o interesse colectivo, protegendo mais e melhora a classe social mais frágil, assumindo com vontade politica, o seu papel “insubstituível” de promotor, regulador e incentivador da economia, com cara voltada sempre, para a economia produtiva, não subestimando a macro economia mas tendo em conta os parâmetros desta com os da economia real, como forma, sobretudo, entre outros de se poder criar condições para o surgimentol, não vejo outra expressão, do “capitalismo autóctone”, pujante, com capacidade para controlar os factores de produção e a economia.

Salta-nos á cara, neste pequeno país de parcos recursos uma fossa profunda que se desenvolveu exponencialmente depois da crise de 2008, que persiste… há uma desconexão entre o lucro humilhante de um punhado de individos, enquanto a maioria dos cidadãos vive a realidade existencialista de situação de “desenrasco” e pobreza alarmante.

Todas estas fragilidades deviam servir como lição, motivo e razão para o aceleramento dos processos de transferência de poder e meios para a governança local, em todos os 22 municípios sob a forma de “descentralização administrativa”, acreditamos que a solução ideal é a instalação de facto, da Regionalização, no interesse colectivo, nacional para fazer, diminuir assimetrias, apoderando o poder local, a governança perto das pessoas, a estrutura pública, que conhece melhor que ninguém, as pessoas, as necessidade e as potencialidades das suas próprias regiões.

Cabo Verde, neste ano 45 pós independência, deve mudar a sua configuração e status quo, de governação de influência da agenda politica partidária… Vivemos uma época de mudanças e incertezas, mas também, vivemos, no quotidiano, como está a acontecer em todas as latitudes os protestos a insatisfação e a indignação, com manifestações, culpabilizando o sistema e os actores políticos que prometem mais do que realizam na prática… os denominadores comuns apontam contradições sociais, crises de governança, corrupção, insegurança, crise de valores, problemas institucionais, e a exacerbação das desigualdades, o mal de todos os males que neste país, empurra a juventude para a violência, álcool e estupefacientes…

O mundo inteiro está em transformação, e instalados, que estamos, na era da pós-privacidade, das redes sociais, das moedas digitais (isto é fisicamente inexistentes) … este país, deve estar preparado para novos desafios como o desenvolvimento das novas tecnologias: Rede 5G, Big Data, Inteligência Artificial e Robótica, que avançam a passos gigantes sobrepondo, muitas vezes, temos que reconhecer isso, a ética mais elementar e aos valores democráticos…Aqui, na Praia Capital, estamos já habituados a ser vigiados e filmados pelas camaras vídeo vigilancia e a boa-fé diz que é para a nossa proteção… Aproveito para formular votos de sucessos, neste ano de 2020, a todos os cabo-verdianos, nas nove ilhas...

 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Kulundjulu575 07-02-2020 22:59
Parwce ser da Ex-Pide Dgs
Responder