Pub
Por: Adalberto Teixeira Varela

adalberto varela1

Cabo Verde sempre foi um país de brandos costumes. Somos caraterizados por sermos um povo humilde e acolhedor. Daí surgiu o termo morabeza cabo-verdiana.

Geograficamente, estamos localizados numa zona livre de catástrofes naturais, porém sofremos com a escassez e irregularidade das chuvas. Contudo, apesar dessa penúria, aliada à falta de recursos naturais, milagrosamente continuamos a sobreviver e a causar alguma inveja branca a muitos países vizinhos com abundantes recursos.

Historicamente, enfrentámos várias crises por causa das epidemias, sedo “duas delas foram as fomes que ocorreram em 1941/43 e 1947/48, matando cerca de 45.000 pessoas. Os mais atingidos foram as ilhas de São Nicolau e Fogo, onde cerca de 30% da população foi morta.

Sabe-se ainda que em 1946/48, Santiago perdeu 65% de sua população. E para fugir à morte vários outros milhares emigraram forçosamente para S. Tomé e Príncipe.” (in: https://pt.wikipedia.org).

Politicamente, Cabo Verde encontra-se muito bem posicionado no ranking dos mais democráticos dos PALOP e melhor governado, apesar de persistirem ainda muitas deficiências. Por conseguinte, nunca houve conflitos armados e os resultados eleitorais sempre foram aceites pacificamente, mesmo havendo alguma macaquice.

Por sermos um país cristão, acreditamos mais no poder Divino, em vez de também reconhecermos todo o trabalho e esforço dos sucessivos governos para que hoje estejamos onde estamos.

Por isso é que muitas vezes nunca levamos nada a sério. Daí o termo amadorismo. Colocamos sempre fé em Deus para que nada de mal nos aconteça. Aliás, sempre achamos que o mal acontece aos outros e nunca a nós.

“Coronovírus - Tudo Sob Controlo em Cabo Verde”

Ultimamente, o mundo está muitíssimo aflito por causa do CORONAVÍRUS, cujo epicentro é a cidade de Wuhan, na China. Esse vírus vem-se espalhando como grama na rubera, e vários países já se prontificaram em retirar os seus cidadãos com receio de ficarem contaminados. Para a prevenção, até já se escasseiam as máscaras e vitaminas C, em muitas farmácias europeias.

Entretanto as autoridades de Cabo Verde pedem calma e serenidade aos 16 estudantes enclausurados no Wuhan porque “está tudo sob controlo”. Ou seja, esse vírus pode infetar os outros, nunca a um cabo-verdiano porque acreditamos em Deus.
Em termos de comunicação e articulação institucional, tem-se notado muito amadorismo:

1º. Foi o Diretor do Serviço de Vigilância e Resposta às Epidemias que sem se articular com o MNE, afirmou “Cabo Verde está a preparar a retirada dos seus 16 estudantes que estão em Wuhan, com a parceria de Portugal”;

2º. Foi o Ministro dos Negócios Estrangeiros que no dia seguinte e, sem se articular com o MS, desmentiu e desautorizou o Diretor, afirmando que na verdade a retirada dos estudantes estava fora de questão para “evitar a disseminação do vírus;”

3º. Foi o próprio Primeiro-Ministro que quando confrontado com a chegada de estudantes (por meios próprios) afirmou que Cabo verde está preparado para os receber.
Ademais, ele já havia afirmado que “Cabo Verde está preparado para qualquer eventualidade que possa surgir.”

4º. Para remate final, veio o Diretor Nacional da Saúde (Artur Correia) também a pedir calma e serenidade à população, justificando que “já enfrentamos epidemias de grande envergadura e de dar uma resposta positiva a Cabo Verde (sic)”.
Na verdade acho que ele só pode estar a referir-se a essas fomes que dizimaram mais de metade da população.

Perante esse descompasso e amadorismo, alguns pais que podem, já resolveram mandar buscar os seus filhos. Dizem que já chegaram nove estudantes (Praia, Assomada e S. Vicente) e que foram convidados voluntariamente a ficarem em “quarentena domiciliar”, quando estes deveriam ir todos para os centros hospitalares que já estão ‘devidamente preparados’ e liberados só depois de 15 dias, mediante teste Negativo.

Já agora o que significa “quarentena domiciliar”? Eles não podem sair? Como tem sido o convívio familiar? Durante esse período de quarentena, o resto da família sai ou não?

Penso que deveríamos seguir o exemplo de Portugal (o nosso modelo), em relação aos 20 cidadãos que regressaram, onde estão a cumprir todos os protocolos internacionais exigidos para segurança e saúde públicas. E mesmo os testes serem Negativo, continuam de ‘quarentena’ até 14 dias. Isso chama-se Profissionalismo!

Perante esse amadorismo cabo-verdiano, devemos acreditar que o país está preparado para enfrentar uma epidemia de coronavírus?
Aqui sim, acreditamos mais no poder Divino!

Cidade da Assomada, 4 de fevereiro de 2020.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # Kauberdianorgulhoso 05-02-2020 17:29
Esta análise expõe de forma clara a nossa fragilidade no quesito responsabilidade social dos executivos/políticos para com a população Cabo-verdiana. Se fosse num País onde existe implementação da legislação que responsabiliza os políticos pelos seus atos e palavras irresponsáveis, acredito que alguns dos nossos estariam nas barras do Tribunal.
Ami e kauberdiano i nka ninhum Partido, i falando em Quarentena em matéria de saúde, o fato de ka sta expressamente escrito na constituição ka ta inibe i impide Estado di toma medidas ki ta assegura Saúde Pública (expressamente descrito na Constituição)!
Tudu pais djobi meios pa tra ses povos di kel cidade, ma anos nu ta dexa la ti katen ramedi!
Ministro ki ta tutela pasta nem sinal ki fari un expresson di preocupason k kel epidemia li!
Por isso pa kes ki sta do contra li, nhos toma SER di arguen i nhos dexa di poi partido riba di nhos cabesa i riba saudi publica!
Ora, OMS dja alerta i da sinal di preocupação i nu entanto nos maiores responsáveis ki teni caneta di assina decisões em nomi di povo ta referencia tamanha barbaridade acerca di Corona Vírus?
Ka criado ninhum plano di contingência ki ta aproxima di nivel eficaz!
Ka criado nem adquirido ninhum material adequado pa triagem na chegada na aeroportos (Sal, Praia, Bubista i São Vicente)!
Ka criado nem estabelecido local apropriado pa quarentena di kes ki viajante ki ben di China i areeiros, ki ta pode djudas em caso di positividade na sintomas i ao mesmo tempo salvaguarda ses entis familiares ki sta djuntu kuas!
Nu katen médico suficiente na País!
Nu katen infraestrutura adequado i capaz!
Nu katen stock di medicamentos suficientes!
Nu katen meios di transportes di emergências suficientes!
I significado di PAÍS e Sintaton a Brava pa kes incautos ki ka kre odja!
Deus ta libranu des mal!
Adalberto Bom texto i parabéns pa ombridade di bu parte!
Responder
+1 # Letcha Vieira 05-02-2020 02:44
O problema é que em Cabo Verde quase tudo é copiado em Portugal inclusive as leis. É o caso da nossa Constituição . Nada de mau mas apenas essas leis muitas vezes não são aplicáveis à realidade cabo-verdiana com todas as suas consequências nefastas.
Conhecendo de perto o débil sistema de saúde com todas as suas fragilidades, físicas, humanas e financeiras , chego à conclusão que estamos dançando totalmente descontraídos à volta da cratera dum vulcão que pode explodir a qualquer momento.
Responder
0 # Adalberto Varela 04-02-2020 20:32
Sr. Jorge, se tivesse lido não teria feito esse comentário. Trata-se de uma questão muito séria...pense se CORONAVIRUS chegar a CV..
Responder
0 # Kulundjulu575 04-02-2020 17:38
Simplesmente excelente. O sr Ulisses e seus capangas nao teem a nocao da coisa.
Sr Deus nos ajuda.
Responder
0 # Manuel António Torre 04-02-2020 15:40
Quarentena Domiciliar!!! engraçado !!! Entretanto o Delegado diz que há espaço para internamento . Incrível !!!
Responder
-5 # Jorge 04-02-2020 15:26
É incrível como em CV toda a gente opina sobre tudo. Toda a gente se acha expert menos aqueles que de facto entendem da matéria.
Responder
+8 # Jose Barbosa 04-02-2020 13:08
Foi dificil tragar todas a asneiras falada anteriormente por todos esses individuos, os com poderes de decisao sobre o assunto. Sempre achei os mesmos descabidos e e para ser mais exacto e franco estupidos e irresponsaveis. Como que sao ditos dando ao caboverdiano mais um certificado de ignorancia, justo ou nao! O seu texto expoe tudo bem claro, preciso e conciso.
Responder
0 # Anónimo 05-02-2020 06:21
Este texto expõem a hipocrisia de muitos Cabo verdianos ...
Os Cabo verdianos podem ser afetados com o vírus e não vai ser por falta de fé
Responder