Pub
Por: Carlos Barros

Carlos Barros 1

Realmente que obras têm os Municípios?

Estradas principais de ligações asfaltadas, asfaltagens das principais localidades a partir do centro, Centro de Formação Profissional; Paços do Concelho “Camara Municipal”; Palácio de Justiça; Centro de Saúde; Casa para Todos; Reservatórios principais de abastecimento de Agua; ETAR; Mercado Municipal; Placas Desportivas; Gino-desportivo, Praças, Jardins de Infância, Escolas, Universidades, Hospitais; etc Todos estas obras foram construídas no tempo e por um governo sempre considerado inimigo das Câmaras – Governo do PAICV.

Se não fosse o Governo do PAICV, não haveria um único projeto efetuado pelos Autarcas dos últimos 12 anos, liderados pelo MpD.

Desde 2016, muitas obras foram orçamentadas e não realizadas. Foram feitos empréstimos Bancários avultados e, ninguém sabe como e em quê foram usados o dinheiro.

O Governo, em vez de fiscalizar o porquê de os Municípios não concluírem obras orçamentadas anos seguidos, encobre-os através do chapéu do PRRA.

Através do PRRA o Governo está a financiar a maioria das obras que esta a ser realizada, neste momento e que já deveriam ter sidos feita anos atrás.

Qual é realmente o papel de um Município?

Agora, certamente usando os Fundos do tão propalado PRRA, outrora, protestados; como o Fundo de Turismo, Fundo de ambiente, Fundo Manutenção Rodoviária, para financiamento de algumas metragens de estradas de desencravamento, porque as principais estradas e muitas secundárias, foram todas elas feitas pelo governo suportado pelo PAICV.

Qual o papel de um presidente de Câmara no agendamento de transformação do Município, atualmente?

Aceitando contratos PRRA cedidos pelo Governo do MpD, uma presidência e gestão autárquica sem pudor, sem orientação, apanha um Município com diversas valências e potencialidades e transforma-a numa pedra de Mercado, com objetivo unicamente político de busca de renovação do Poder, implementando políticas do só Sim Sr. Do PRRA, como a reabilitação de Casas; já com cláusula de que ela deverá ser coberta com telhas de fibrocimento, conhecidas entre nós por lusalites.

Não podemos continuar a ter um município onde em vez de se pensar em investimentos públicos, na criação de riqueza e bem-estar da população, a lógica é de se pensar em publicidade enganosa a fim de se manter no poder independentemente dos custos inerentes. A má gestão dos espaços públicos e dos recursos Municipais são evidentes.

A superficialidade e os reias motivos das aplicações do PRRA deixam à luz a ligeireza com que este governo (em conivência com os Autarcas do MpD) pensa o desenvolvimento deste País e, quão é raso a política de integração do mundo rural nacional. Os Municípios precisam de uma verdadeira Agenda de Transformação.

O propósito deste artigo é só um: Que não sejam os de sempre a ser beneficiados com tudo e os habituais a não receberem nada. Esta tentativa de copiar a realidade Urbana para o meio Rural para se manter no poder, é contraproducente.

Carlos Barros – 30/08/2019



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # José Carlos Brito 02-09-2019 18:34
Uma boa análise.
Responder
+2 # Come-entar 31-08-2019 16:18
Acertou na mosca. Bem claro Carlos Barros....
Responder
+2 # Somada 31-08-2019 11:12
Muito bem Carlos. Uma boa reflexão!
Responder