Pub

Anuncia-se obras faraónicas, baseado em maquetas matrix feitas às pressas, e investimentos surreais, mas sem nunca apresentarem a rentabilidade para os cidadãos, para a comunidade e para a cidade, dos projetos de investimento. Até agora, de todos os mega investimentos anunciados, quais os valores reais, que os benefícios teve a Cidade da Praia e os seus cidadãos? Continua o saque e a saga de vender gatos por lebres aos Praienses!

A partir da tomada de posse de Óscar Santos como presidente da Câmara Municipal da Praia todas as rubricas dos gastos aumentaram drasticamente. O problema de Cabo Verde não é a falta de dinheiro, mas sim, a inexistência de um controlo efetivo sobre a gestão e uso do erário publico. Um grupo restrito, e não produtivo, anda a beneficiar da renda/riqueza que a Capital (e o País) produz.

Doc.1

De 2016 a 2020 (5 anos) a CMP orçamentou 300 mil contos, sendo 24.300 contos nos últimos três anos (3) em corrida de liberdade. O valor anunciado só em 2019 e 2020 foi de 22.000 contos.

DOc2

A corrida é realizada no Cobom de Paiol-Vila-Nova. Pelo que, os 13.600 contos orçamentados nos últimos 3 anos, é de bradar aos céus. Parece que tivemos a presença de Secretariat.

Doc3

Em 2018, só a bancada para o carnaval custou 13 mil contosii. Portanto, nos últimos 3 anos, o carnaval da Praia custou 35 mil contos.

4. Djéu

De um projeto megalómano de 250 milhões de euros acordados em 2014, passamos a saber, em 2019, quase 5 anos depois, que afinal só irão gastar 90 milhões de euros. E quiçá menos, tendo em conta que a fiscalização (inclusive a análise do custo benefício) é uma letra morta. Ninguém defendeu o interesse público.

Houve uma redução de aproximadamente 64% do orçamento previsto.

Acredito que conseguiram o que sempre quiseram: um edifício altíssimo, numa localização privilegiada, para um hotel e casino. E no Djéu, segundo noticia, irá albergar um hospital privadoiii, e espaços para arrendamentos (ponto f do memorando abaixo).

doc4

5. Gamboa

“É um complexo hoteleiro que vai dar corpo àquela região, estando o projeto avaliado em 85 milhões de euros.”

“Nós estamos a falar de um terreno privado que foi comprado há 20 anos atras, não estamos a falar de uma concessão, caso fosse, sendo na orla marítima, obrigatoriamente tinha que passar pela AM, mas, estamos a falar de um empreendimento que está a 160 metros do mar, portanto fora da orla marítima.”iv 

Óscar Santos, Presidente da CMPv 

imagem1

Passamos a saber através do presidente da CMP, Óscar Santos, que a autarquia havia vendido a Praia da Gamboavi há 20 anos atrás. Acabamos de ficar a saber que nenhum dos 2 projetos publicamente apresentados (o à direita é terrorismo ambiental) irão existir. O projeto que está a ser construído na ponte (tapando por completo a capitania do Porto) não tem nada a ver com a foto à esquerda e, muito menos, com a foto à direita.

Mediante protestos pela destruição da ponte na Gamboa (sem conhecimento da Assembleia Municipal e, de ninguém), diria ele, dias depois, que não tinha que ter a aprovação da Assembleia Municipal, porque a Gamboa é propriedade privada. Pelos vistos venderam ilicitamente até a ponte e aprovaram ilegalmente mais uma obra dentro da Orla Marítima.

Debaixo da pressão pública, emocionado, o presidente da CMP, Óscar Santos, anunciou aos praienses que a Gamboa iria receber “um complexo hoteleiro, avaliado em 85 milhões de euros, com várias componentes turísticas”.

Afinal, a obra anunciada de 85 milhões irá ter um custo potencial de 57 milhões de euros.

Até lá, segundo a notícia de Televisão de Cabo Verde (TCV), a 1.ª fase, IMAGINEM, irá custar apenas 200 mil contos (1,8 milhões de euros)vii

A mesma tática de sempre: anuncia-se valores astronómicos, apoderam-se de um bem público valioso, altera-se o projeto, fazem o negócio pretendido e, depois dizem, dja esta dja ka meste romba.

E assim vai a gestão da nossa Cidade, onde a transferência do património público para os privados é feita sem qualquer pudor e ou sentimento de dever público. Já são 29 anos de impunidades na Câmara Municipal da Praia. Até quando iremos permitir?

 

[i] https://www.facebook.com/search/top/?q=corrida%20de%20liberdade%20%2CCMP&epa=SEARCH_BOX

[ii] https://anacao.cv/carnaval-da-praia-camara-municipal-diz-que-nao-houve-compra-de-bancadas-este-ano/

[iii] https://expressodasilhas.cv/economia/2017/06/25/projecto-djeu-pode-ter-um-hospital-privado/53704

[iv] https://noticias.sapo.cv/actualidade/artigos/praia-edil-oscar-santos-garante-que-investimento-hoteleiro-na-gamboa-respeita-todos-os-tramites-legais

[v] https://expressodasilhas.cv/economia/2019/02/26/oscar-santos-anunciar-projecto-hoteleiro-para-a-gamboa/62549

[vi] https://noticias.sapo.cv/actualidade/artigos/praia-edil-oscar-santos-garante-que-investimento-hoteleiro-na-gamboa-respeita-todos-os-tramites-legais

[vii] http://www.tcv.cv/index.php?paginas=47&id_cod=87079&fbclid=IwAR0lFVLvxYklIszDwCgrGYP6zl5TSMFsONjD006jFppyyJELdkMcpQVnv0Q



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar