Pub

lino magno

Para saber quem é a pessoa dá-lhe poder. Nada melhor para revelar o caráter de alguém do que o poder.

A palavra poder, traduz-se num exercício de relevância em alguma área onde há um figurino hierárquico. Quando uma pessoa perde a sua autenticidade porque se iludiu com o vislumbre que o poder lhe confere, configura-se uma ausência de identidade própria, personalidade formada e um caráter construído.

Ninguém se torna alguém por causa do poder, quem é alguém não precisa do poder para fazê-lo. Uma das grandes marcas negativas do poder, é o assombro psíquico e a sua ilusão do poder vitalício. Não há poder imutável ou permanente, seja na esfera privada, pessoal ou institucional.

O poder na sua natureza essencial é sempre transitório. Por isso, criar uma ilusão deificada, como que se o poder fosse inamovível não seria um caminho lúcido e nem aconselhável. É preciso maturidade emocional, espiritual e intelectual para exercer o poder, se não, cai-se numa grande utopia e a queda será maior.

Não se pode confundir poder com autoridade, podemos estar na posse do poder, mas sem a devida autoridade para exercê-lo. A pergunta seria: é a autoridade que gera o poder ou o poder que gera a autoridade?

A autoridade está muito ligada ao caráter, á personalidade, á forma como agimos em determinadas situações, ao componente intrínseco como factor distintivo. Também a autoridade é a capacidade de decidir com sabedoria e inteligência, acompanhada do bom senso e equilíbrio. A autoridade não é delegada e sim partilhada, não é usurpada e sim adquirida. Enquanto que o poder sim.

Uma coisa é ter o poder para agir e outra é ter a competência para exercê-lo com autoridade. Um pai pode ter o poder para disciplinar um filho, mas pode não ter a autoridade para evitar que o filho lhe obedeça ou não. A autoridade inspira confiança, o poder o medo. A capacidade de exercer o poder com autoridade é que define o rumo das coisas. Não adianta ter o poder sem a autoridade.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Elsa Furtado 05-06-2019 22:32
Caro amigo, short and sweet! Fico pensando nas diversas formas de exercer o poder, através de posse económica, financeira e intelectual, com requintes de arrogância vendo nos outros apenas meios para atingir determinados fins. Aquele abraço.
Responder