Pub

Uma estória de desprezo e manipulação eleitoral

francisco carvalho

1. Na verdade, a associação do nome “Santa Engrácia” surge em relação a uma outra obra que não era um mercado, mas sim uma igreja. Trata-se da Igreja da Santa Engrácia. Contudo, desde a altura do surgimento dessa estória, sempre que há uma obra que parece que nunca mais acaba, ou que leva tempo demais para ficar pronta, é lhe atribuída a categorização popular de “mais uma obra de Santa Engrácia” em referência à igreja que, em Lisboa, demorou cerca de quatrocentos anos para ser concluída! Embora, dê para matutar sobre a eventual existência de uma sina dos quatrocentos – pois já são quatrocentos e tal mil contos que a Câmara da Praia tomou por empréstimo e já enterrou no antigo campo de Coco – é claro que, mesmo com toda a incompetência da Câmara da Praia, fica muito difícil que o Mercado do Coco, na Várzea, leve séculos para a sua conclusão. Mas, é de se sublinhar que já vai em 80 meses a mais em relação aos 14 inicialmente previstos! É uma dupla derrapagem: 571% em termos de tempo, à qual se acresce 409% em termos de custos!

2. Em relação à obra lisboeta, com o passar dos anos, assistiu-se a uma evolução que levou à sua maior distinção, pois o que estava previsto para ser a igreja de Santa Engrácia chega a uma certa altura da sua construção, nos anos 60, em que passa a ser o Panteão Nacional, onde repousam figuras notáveis da História de Portugal, entre os quais, Almeida Garrett, Amália Rodrigues e Eusébio, só para citar estas três. Já o Mercado do Coco conhece um percurso de progressiva desvalorização. Passou de Shopping Center a um enorme barracão de chapas e tubos de ferro! O projeto lançado no dia 27 de maio de 2011 tinha quatro pisos, sendo dois na primeira fase e dois na segunda, com parques de estacionamento nos dois primeiros pisos, restaurante popular e um jardim infantil para os filhos das vendeiras. Anos mais tarde, faz-se o lançamento de uma nova maquete já com apenas um piso e nem se fala mais em nenhuma outra valência, consumando, assim, a sua desvalorização através dos anos!

Obra coco

3. É, precisamente, para essa desvalorização que se deve dirigir o olhar e a atenção de todos os cidadãos e munícipes, deste país e desta cidade da Praia. O desprezo do Mercado do Coco ao longo destes quase oito anos é um dos indicadores mais importantes do baixo valor que a Câmara Municipal da Praia atribui a uma das classes mais dinâmicas e poderosas deste país que são as vendedeiras, os proprietários, as rabidantes, que dão vida ao maior mercado de Cabo Verde que é o Sucupira. Talvez, seja mesmo, a maior área de financiamento de ensino superior por metro quadrado em todo o território nacional. Como é possível que um espaço de tamanha importância social e económica seja tão desprezado pela Câmara Municipal da Praia enquanto poder público?

4. O desprezo pelo Mercado do Coco revela-nos ainda uma outra atitude – a todos os títulos reprovável – por parte da Câmara Municipal da Praia e que consiste numa sistemática utilização do Sucupira e, logo, das pessoas que ali trabalham, como meros objetos de manipulação eleitoral. Faz isso três vezes! A primeira vez que se dá essa manipulação eleitoral é na altura do lançamento da primeira pedra do Mercado do Coco, efetuado no dia 27 de maio de 2011 (i), com um prazo de construção de 14 meses. Deste modo, a data de conclusão do Mercado do Côco é traçada para ser, precisamente, um mês após as eleições autárquicas de 1 de julho de 2012. Ou seja, no dia das eleições, as pessoas que ali laboram estariam todas nas mãos do candidato ainda em funções na CMP. A segunda vez dessa manipulação acontece a 20 de outubro de 2015 (ii), em que a Câmara da Praia anuncia a conclusão do mercado para o primeiro semestre de 2016, ou seja, dois meses antes das eleições autárquicas marcadas para 4 de setembro desse ano. Agora, estrategicamente – e pela terceira vez – no mês de março de 2019 (iii), a CMP faz o mais novo anúncio para a conclusão das obras do Mercado de Santa Engrácia do Côco apontando para finais de 2020, ou seja,com as novas derrapagens, o mercado ficará para ser entregue  – novamente – depois das eleições autárquicas, desta feita, de 2020, com os eleitores do Sucupira, aflitos, a viverem o período eleitoral em pleno momento de distribuição de postos de venda do mercado!

5. Assim, confirma-se a reutilização da estratégia já usada no lançamento da construção do Mercado de Santa Engrácia do Côco que é a de manter condicionados os milhares de pessoas que ganham o seu pão no Sucupira, muitas das quais já estão ali desde os anos 90. Tanto nas eleições em 2012, como em 2016 e, agora, em relação a 2020, essas pessoas serão obrigadas a percorrer todo o período de campanha eleitoral a verem o futuro – para os seus negócios e para as suas vidas – envolto numa incerteza e insegurança. Sentimento que, talvez, subtilmente, serão convidadas a trocarem com os seus votos!

6. São os mesmos senhores e instituições que, depois, virão – hipocritamente – falar de democracia, condenação da compra de consciência e falso apoio à autonomia de homens e mulheres de modo a se tornarem independentes economicamente e blindados ao assistencialismo. A questão que fica é a de se saber se essas vendedeiras, proprietários e rabidantes, deixar-se-ão enganar por uma quarta vez, embalados por medidas de teatro, enquanto aquilo que é o centro das sua vidas, o seu ganha pão, é tratado com total desprezo e manipulação eleitoral por uma câmara municipal que deveria ser um parceiro do desenvolvimento socioecónomico dos seus munícipes!

(i) Praia com novo mercado no verão de 2012 – 27 maio 2011

https://noticias.sapo.cv/actualidade/artigos/praia-com-novo-mercado-no-verao-de-2012

(ii) Mercado novo da Praia vai estar concluído no primeiro semestre de 2016, afirma vereador – 20 outubro 2015

https://noticias.sapo.cv/actualidade/artigos/mercado-novo-da-praia-vai-estar-concluido-no-primeiro-semestre-de-2016-afirma-vereador

(iii) Mercado do Coco estará pronto até final do ano – 18 fevereiro 2019

https://expressodasilhas.cv/politica/2019/02/18/mercado-do-coco-estara-pronto-ate-final-do-ano/62414https://expressodasilhas.cv/politica/2019/02/18/mercado-do-coco-estara-pronto-ate-final-do-ano/62414



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # Luther Nelson 26-04-2019 12:20
De forma alguma esse mercado substituirá o sucupira em termos de número de operadores, diversidade de negócios (restauração, exposição, barracas, casas de banho, centro de gelo para o mercado de peixe e carnes etc). Onde estão os milhers de contos ditos aplicados?Até a localização sp foi sugerida ser outra!Agredecimento ao artigo do Dr Carvalho.
Responder
+4 # Emelelna Alfama 22-04-2019 14:52
Muito bom e oportuno esta analise nős do sucupira nneste caso do tal mercado năo fomos nem tidos nem achados jā contaram tantas mentiras que nem sei apontar numeros de shoping center com duas mil e quinhentas lojas sala de cinema jardim infantil lojas de fast food cafěs conforme palavras do ex oresidente da camara da praia (actual primeiro ministro) virou um barracao onde foram parar os quatro pisos apresentados na altura mas nős estamos aqui sentados esperando que venha o novo proprietario nos expulsar ai UCS vai ver o peso que nős temos
Responder
+1 # Francisco A Carvalho 24-04-2019 23:59
Obrigado, Emelena Alfama! Alguém que conhece bem a realidade do Sucupira e sabe do que fala e já teve a experiência de ouvir de perto muitas promessas feitas ali no maior mercado de Cabo Verde!
Responder
+4 # Rabidanti 22-04-2019 11:27
MPD,
Bai e Sen bu djobi pa tras!
Responder
+4 # Binoklu 22-04-2019 11:20
É, precisamente, para essa desvalorização que se deve dirigir o olhar e a atenção de todos os cidadãos e munícipes, deste país e desta cidade da Praia. O desprezo do Mercado do Coco ao longo destes quase oito anos é um dos indicadores mais importantes do baixo valor que a Câmara Municipal da Praia atribui a uma das classes mais dinâmicas e poderosas deste país que são as vendedeiras, os proprietários, as rabidantes, que dão vida ao maior mercado de Cabo Verde que é o Sucupira. Talvez, seja mesmo, a maior área de financiamento de ensino superior por metro quadrado em todo o território nacional. Como é possível que um espaço de tamanha importância social e económica seja tão desprezado pela Câmara Municipal da Praia enquanto poder público?
Responder
+4 # Rivolta 22-04-2019 11:16
Granda artigo, analise meu carro.... continua, continua essas coisas screver sempre meu carro articulista!
Responder
+5 # Atlovir 22-04-2019 07:55
Ai MPD.... komo sempri 'Fiskalizason' é sempri zero! Kel li go é un kuza ki nunka és ta aseita ma ta ixisti. Ai mundo paxenxa.

Sen ruspetu pa pilares (vendederas, kes maes, rabudants) ki konstrui e ki inda sa ta konstrui nos Kauberdi... paxenxa tristi. Do resto falaste e disseste meu carro ariculista ! Parabens
Responder