Pub

Cabo-verdiana, emigrante na holanda, ativista social, mentora e organizadora do projeto Miss 40+. Mulher, mãe, profissional, Marlene Neves afirma que Miss 40+ é um projeto de beleza, mas é acima de tudo um projeto de promover o país porque “vendemos esta ideia para fora”, é um projeto para apoiar o desenvolvimento do país através do projeto de intervenção social, é um projeto de empoderamento das mulheres e, por fim, é um projeto no setor da economia criativa.

M.Neves

Santiago Magazine - Este é o seu curriculum público. Mas, conta-nos quem é a Marlene Neves?

Marlene Neves - É filha de cabo-verdianos, nascida na ilha do Sal, vivi uns anos na cidade da Praia e posteriormente emigrei para Holanda aos 11 anos. Já vivo há cerca de 30 anos na Holanda. Mãe de dois filhos. Trabalhei sempre na área da moda. Fui gerente de várias lojas de moda. Mas, sempre quis fazer algo voltado para as mulheres. Acredito que as mulheres possuem uma força maior e que devíamos unir, mas as mulheres não se unem. Se tivéssemos essa união, poderíamos progredir a lançar grandes coisas.

Como surgiu o projeto Miss 40+?

Tive essa visão, a partir de mim, que já estava a chegar aos 40 anos, queria criar algo para empoderar e inspirar as mulheres cabo-verdianas. Porque, principalmente no estrangeiro, quando chegam aos 40 anos, começam a desleixar com suas vidas, achando que não podem fazer determinadas coisas porque são velhas. Mas, 40 anos não é velha, é simplesmente uma idade, não quer dizer que não podes realizar, que não se pode conquistar. Foi a partir desta visão que tive forças para criar este projeto de Miss 40+, para mostrar que aos 40 anos as mulheres possuem beleza e têm todas as condições para alcançar o que propuserem alcançar e não desistir jamais. Desistir é para os fracos. As mulheres, a partir dos 40 anos, têm muito para alcançar, têm muito a aprender umas com as outras, criar o seu próprio espaço. E, como se diz, o lugar da mulher é onde ela quiser. As mulheres não devem desistir de viver quando atingem os 40 anos. Se desistirem, como transmitirão aos mais jovens a positividade. Temos de ser exemplos. Este projeto tem a ver com os outros: ser um exemplo para os mais jovens e levantar a autoestima para as outras mulheres para buscar e alcançar muito mais.

Como é trabalhar com o setor da moda e da beleza na Holanda? Que desafios e oportunidades enfrenta enquanto mulher e estrangeira?

Quando se trabalha com a moda não é fácil porque a aceitação muitas vezes não é positiva e tem muitas críticas porque não se é uma jovem, mas uma mulher madura. Para mim, uma mulher na minha idade é uma mulher mãe, mulher filha, guerreira e pronta para mostrar que consegue fazer e alcançar muito mais. Mas, nós os cabo-verdianos, com a mentalidade que temos, achamos que as mulheres de 40 anos são velhas.

Malene Neves evento

 

Este projeto de Miss 40+, é um projeto para, precisamente, mostrar que as mulheres, a partir dos 40 anos, são mães, filhas, donas de casa, mas que têm muita capacidade de representar em grande estilo, que elas têm capacidade de ocupar qualquer lugar na sociedade. Muitas vezes, as mulheres são afastadas, são criticadas e julgadas. Já é hora de assumirmos que nós é que iremos parar essas situações, de discriminações, de violências e abusos. Quando cultivamos a positividade e a união entre as mulheres, empoderamos umas às outras para alcançar nossos objetivos. Este é o meu objetivo. Não está sendo fácil mais não desistirei.

Conta-nos a trajetória do projeto Miss 40+.

A Miss 40 + começou na Holanda com a 1ª edição no ano de 2017. A 2ª foi em 2018, em São Vicente. Ali abraçaram a causa, mobilizamos 800 pessoas. Aqui comecei a sentir feliz com o projeto, porque as mulheres abraçaram a causa e disseram-me estamos aqui, não desistas. Esta situação inspirou-me a continuar e a não desistir. Este ano, a 3ª edição, foi organizada na ilha do Sal. E surpreendeu-se porque mulheres com 50 anos e mais procuraram-me a dizer que querem participar. As mulheres reconhecem que é um projeto bom, que contribui para aumentar a autoestima, não perdes nada, mas sim é uma oportunidade de continuar a realizar os sonhos e a alcançar outras coisas, particularmente para as mulheres cabo-verdianas que são guerreiras. A implementação do projeto, aqui em Cabo Verde, não tem sido fácil, principalmente porque vivo fora de Cabo Verde. Não é fácil vir organizar um evento aqui, encontras muitos obstáculos, principalmente com a rapidez desejada. Mas, digo para mim mesma, esta é a minha missão e vou cumpri-la. Quero estar sempre presente pelas mulheres e crianças.

Como um projeto voltado para a infância está ligado ao Miss 40+?

Associado ao projeto Miss 40+, está um outro projeto que é Crianças Futuro CV. Quando uma mulher vence o concurso e consegue o título de Miss, deve engajar num projeto para a infância, porque acreditamos que as crianças são o futuro de amanhã. Se não cuidarmos e protegermos as nossas crianças, Cabo Verde ficará perdido.

Nota-se que até este momento as edições do projeto Miss 40+ aconteceram m lugares diferentes. Há alguma razão particular para isso?

Cada edição do Miss 40+ é num lugar específico porque causa de todo o trabalho de preparação que envolve o concurso de Miss. Por isso, as candidatas devem residir no local da realização do evento para facilitar o trabalho de preparação. Aqui em Cabo Verde já realizamos o Miss 40+ em São Vicente, no Sal e na praia será no dia 31 de maio. Queremos realizar uma edição em Santo Antão ainda este ano. Em São Vicente, tivemos 12 candidatas inscritas e participaram 10. Na ilha do Sal tivemos 13 candidatas e ocorreu no dia 30 de março e na Praia será no mês de maio. A edição de Santiago será na verdade Praia – colocamos Praia e não Santiago. Aqui o evento conta com candidatas residentes na cidade da Praia e não dos outros municípios por causa de todo o preparo que as candidatas se submeterão, e quem, por exemplo, residir no Tarrafal pode enfrentar mais dificuldades e barreiras de tempo e recurso para participar por causa da distância. Talvez no futuro podemos organizar uma edição na cidade de Assomada ou em Tarrafal.

Associado ao projeto Miss 40+, tens algum outro projeto?

As vencedoras devem escolher duas áreas para realizar um trabalho social - infância e terceira idade. Por exemplo, a vencedora da Miss 40+ da ilha do Sal vai agora para os EUA e terá todo o apoio da Miss Nereida Lobo, para estruturar o seu projeto voltado para a infância e buscar recursos também para apoiar o setor da infância na sua ilha. A vencedora será representante do Miss 40+ e contribui com um projeto social que ajudará a desenvolver uma das áreas referidas – infância ou terceira idade. É preciso que o país compreenda este projeto para abraçá-lo, porque assim teríamos mais forças para continuarmos a lutar para aumentar a autoestima pessoal e social das mulheres e contribuir com projetos de intervenção social.

Quais são os custos e benefícios do projeto 40+?

A organização é que custeia toda a preparação para o Miss 40+. Por vezes temos patrocínio para suportar o evento, mas não é suficiente. As candidatas apenas pagam um montante de inscrição. Este projeto é um projeto de beleza, mas é acima de tudo um projeto para promover o país, porque “vendemos esta ideia para fora”, é um projeto para apoiar o desenvolvimento do país através do projeto de intervenção social, é um projeto de empoderamento das mulheres e, por fim, é um projeto no setor da economia criativa.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar