Pub
Por: DRC

Como é que um primeiro-ministro recusa participar da homenagem do mais alto representante de Cabo Verde num país estrangeiro, estando ele em missão de oficial do Estado nesse país e na mesma cidade onde o evento estava a ser realizado? Como é que o Estado de Cabo Verde e a instituição Governo ficam nesta fotografia? Terá Ulisses Correia e Silva entendido esta homenagem como sendo um evento político? Se sim, está obrigado a explicar ao país que tipo de embaixador Carlos Veiga é? Embaixador político ou embaixador que faz política?

OlavoUlissesVeiga

Tudo indica que o partido liderado por Ulisses Correia e Silva está a passar por momentos de intensa efervescência interna, tendo como pano de fundo as próximas eleições gerais de 2021.

O post do antigo deputado e coordenador ventoinha nos EUA, Cândido Rodrigues, há de ser apenas respingos que se escaparam da panela em alta pressão que o MpD ter-se-á transformado nos últimos tempos, quando se aproximam as próximas eleições gerais a ter lugar daqui a sensivelmente dois anos.

Os factos entre nós ocorridos apontam que poderá existir um pacto de cavalheiros - ou será cavalheirismos? - entre Ulisses Correia e Silva e o seu vice, no partido e no governo, Olavo Correia. Desde muito cedo o primeiro ministro eleito fez questão de se esconder dos holofotes mediáticos e políticos – não aparecia no parlamento e começou a aparecer por força da lei – empurrando para a ribalta o seu ministro das Finanças, mesmo antes de o ter promovido a vice-primeiro ministro.

Esta atitude política do atual presidente do MpD é algo inédito na política ocidental – que é onde os políticos domésticos costumam inspirar-se – devendo ser objeto de estudos por parte de investigadores e académicos de ciências sociais e políticas. Porque, que é estranho, é! E com sólidos rudimentos de incoerência e infantilidade, pouco recomendáveis em entidades com tamanha responsabilidade na governação de um país.

Uma ressalva: ninguém quer aqui chamar o primeiro-ministro de infantil, mas convenhamos que isto de ganhar eleições e entregar o posto a um terceiro para governar, não se vislumbra muito maduro, embora Ulisses Correia e Silva volta e meia deixa escapar umas maneiras de menino mimado… quem não se lembra das suas tiradas – o emprego não cai do céu… não sou administrador dos TACV… não tenho uma varinha mágica para resolver os problemas sociais… se dependesse da minha vontade a regionalização já era uma realidade há muito… não tenho nada a fazer contigo, referindo-se à líder do PAICV, Janira Hopffer Almada… ou demitiria imediatamente o presidente do Conselho de Administração, referindo-se a João Pereira Silva quando questionado pelo jornalista sobre a sua primeira medida em relação aos TACV, caso fosse eleito primeiro-ministro.

Cremos, pois, que o nosso chefe do Governo tem essa sina de ensaiar acrobacias de infantilidades nos seus discursos e nas suas posições enquanto homem público.

Certo dia ele havia afirmado não ser contra os embaixadores políticos, mas sim, contra os embaixadores que fazem política. Uma afirmação no mínimo bizarra! Sobretudo, porque até o dia de hoje ele não teve a sabedoria e a honradez - como de resto exigem as altas funções que desempenha no Estado - de explicar aos cabo-verdianos o que é que realmente este seu amor, ou desamor, aos embaixadores políticos, ou embaixadores que fazem política, significa.

São, com efeito, sinais que podem preocupar a nação, sim, particularmente no que diz respeito ao caráter do homem que terá sido eleito para conduzir os destinos do país e gerir os recursos da nação.

E este caso da homenagem do embaixador Carlos Veiga é sintomático, a apelar por uma particular atenção da nação sobre a sua personalidade, ciente de que as suas atitudes vinculam o futuro do país e condicionam a satisfação coletiva.

Vejamos: Cândido Rodrigues, que já foi deputado e dirigente do MpD, acusa o primeiro-ministro, publicamente, de ter dado ordens para impedir a participação de pessoas na homenagem do homem que é o representante máximo do Estado de Cabo Verde nos EUA, o embaixador Carlos Veiga. Segundo Rodrigues, não só não participou como também impediu outras pessoas de participar, inclusive membros da sua comitiva.

Ora, sendo verdade as acusações deste antigo dirigente do MpD, - até agora ninguém apareceu ainda a desmenti-lo - o chefe do Governo deve, pelo menos, duas explicações à nação cabo-verdiana:

1. Como é que um primeiro-ministro recusa participar da homenagem do mais alto representante de Cabo Verde num país estrangeiro, estando ele em missão de trabalho nesse país e na mesma cidade onde o evento estava a ser realizado? Como é que o Estado de Cabo Verde e a instituição Governo ficam nesta fotografia?

2. Estando Ulisses Correia e Silva em missão oficial do Estado de Cabo Verde, terá entendido esta homenagem como sendo um evento político? Se sim, devia explicar ao país que tipo de embaixador Carlos Veiga é? Embaixador político ou embaixador que faz política?

São questões pertinentes, cujas respostas concorrem para a preservação da saúde mental da nação. É que, cremos, as ambições individuais das personalidades políticas não podem vincular o Estado e as suas instituições.

Verdade ou mentira?… De todo o modo, está dado o alerta. A pressão é alta! E se a tampa voar…surpreendendo o país de cócoras?...



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+4 # Delgado 03-10-2019 20:03
O primeiro ministro de Cabo Verde mostrou sentido de estado.
Tratava-se de uma homenagem particular,realizada por um grupo de amigos do Carlos Veiga.
O embaixador representa o país e não os amigos.
Tem todo o direito em fazer-lhe homenagem.
O primeiro ministro,estava em funções de estado, pagas com o dinheiro do país.
Daí para evitar mal entendidos acho muito bem que não tenha participado e nem permitir que os que estavam em missão do país não participassem.
Bravo Ulisses.
Responder
+2 # João Domingos Rosa 03-10-2019 09:09
Bravo! Andou mto bem o UCS. Bastava estar presente, para o próprio PAICV entrar na gritaria habitual, em como o PM andaria a promover um potencial candidato a PR, às custas do erário público, usando o cargo público. Quem anda desorientado, pelos vistos, é o próprio Paicv que confunde os cargos públicos com homenagens privadas. UCS esteve no USA, em missão oficial junto da ONU e depois na promoção de Cabo Verde junto de investidores. UCS não foi à América, com dinheiro público, para homenagear Carlos Veiga. Nota 10 para UCS. Carlos Veiga será homenageado na Praia quando voltar. O Paicv, coitado: seu jornal diz uma coisa, enquanto que o partido pensa outra. UCS está nas tintas com o Paicv.
Responder
+1 # Warrior 03-10-2019 08:51
Coitado de PAICV, já começam até as miragens, agora querem porque querem que o MpD esteja dividido, isto para terem uma pequena esperança de alguma coisa. O UCS é inquestionável no MpD, o Dr. Carlos Veiga tem o seu lugar histórico dentro do partido e o Cândido esta apenas frustrado, não tem apoio nenhum e ainda por cima num círculo eleitoral sem grande importância. Coitado do PAICV.
Responder
+1 # Come--entar25 03-10-2019 07:20
Atencao sempre ao Manu Branku. Ele é perigoso. ... ........ Olavo sevue o pensamento do Manu. Empresas proximas do Pa6tido e do Governo e tchau.
Responder
-1 # Djosa Neves 03-10-2019 06:49
Será falta de ocupação ou uma despedida pela entrada da nova Lei do Alcool? Mas os efeitos lá pelas bandas de certa MIRDIA já não dá para esconder!!
Responder
+2 # Tapu-tapu 03-10-2019 01:02
Olavo Correia manipula o Governo a ir pelo tortuoso caminho da corrupção para que a sua empresa beneficie com as desastrosas reformas e o povo ficar a comer "kokorota". Ulisses não foi ao evento e ainda proibiu os membros da sua comitiva porque ele é rancoroso e vingativo. Algum ddesavindo está por detrás.
Responder
0 # Nhaco 02-10-2019 16:17
Brilhante leitura. Afinal, mesmo sendo um evento particular, a verdade é que Veiga é o embaixador de Cabo Verde em Washington. UCS poderia e deveria dar um pulinho lá apenas para abraçar o colega de partido que estava ser homenageado, era uma questão de respeito e consideração. Não aparecer e ainda por cima proibir o pessoal de ir à festa do Veiga já explicou tudo: bye bye presidencias, veiga... pelo menos com apoio do MpD de Ulissses-
Responder
+1 # DISAPCIONADO 02-10-2019 16:01
PENSA UCS ERA MAIS FORTE MAS OLAVO STA SOMBRAL FORA DE SER E TA POI GOVERNO TA FAZI SO ASNEIRA. Na 2021, mandas tudo pa casa e outros pa cadeia junto ku Nana Silva...
Responder