Pub

Karina Moreira2

Igualdadi di kriolu ku purtugês, sta salvaguardadu desdi prumeru Konstituison di Repúblika di Kau Berdi ( nº 2 di artigu 216º). Simé kel dizeju li, ki tomadu desdi indipendénsia, inda ka bira si. Di fora alguns kolókiu ku proposta di skrita ki ba ta parsi, sikré ku izisténsia di literatura na kriolu, di txéu trabadju sentífiku pa diskrison ku análizi di kes diferenti variedadi di língua kau-verdianu, ofisializason, padronizason ku nxinu di kriolu inda ka realidadi.

Nun país undi ki konpeténsia di falantis, na língua ofisial ku na língua maternu tanbé ta mostra klaru ma situason sosiolingístiku mesti difini, sendu língua un ilementu sentral di identidadi ku unidadi di país, na * dia Internasional di Língua Maternu, ki selebradu 21 de Febreru, inda otoridadis ka anúnsia ason konkretu.

Es okasion bira notísia, mas, ti notísia di atividadi ki fazedu nes dia, dadu kuazi tudu na purtugês. Nun dia ki kriadu pa promovi multilinguismu ku diversidadi linguístiku y kultural, país ka da sinal klaru me kre tra mas ganhu di kes língua ki nu ten na nôs tiritóriu. Fazedu konferénsia pa rifliti sobri língua. É importanti, mas mesti pasadu pa prátika, pa mudansa di statutu di língua.

Na nsinu sata organizadu introduson di língua strangeru sima inglês ku fransês na skola primária, sata dadu kursu di mandarin, ta kriadu lisensiatura ku mestradu na munti língua, ma sata dexadu di ladu nsinu formal di língua maternu, ki é bazi pa prendi un kualker otu língua. Y é presisamenti na edukason ki konsikuénsia ta xintidu mas txeu. Pamodi di falta di formalizason ta kontisi txeu interferênsia ki ta prujudika alunus na prendi y papia portugês ku lingua kau-verdianu.

Es prubulema é ka di gosi. Na 1924, ki dja kanba kutelu, Eugénio Tavares txoma atenson, nun edison di jornal O Manduco, pa nisisidadi di studa kriolu. E staba kontra pa ta txomada kriolu “língua de pretos”.

“Desde que não seja possível negar que o cabo-verdiano pensa; e que dispõe de palavras para dizer o seu pensamento; e que usa regras para a arrumação dessas palavras; e que, finalmente, tais palavras e regras constituem o resultado de uma colaboração de elementos associados na colonização, - fica admitida a utilidade do estudo dessas palavras e regras, como elementos para o estudo da colonização. E, se não me ilude minha incompetência, esse estudo é que constitui a gramática”, é si k’e skrebi.

Patronu di nos kultura ta imajinaba ma, dipos di kuazi un séklu, kuza ke rakumenda inda ta sirbiba?

Kumesa alfabetiza na língua stranjeru é un violason gravi di nr. 2 di artigu 29 di Diklarason Universal di Direitus Linguístikus ki mininus inda ta sufri na mundu nteru.Ta panhadu agu ku bindi, ta dexadu es sinariu linguistiku ta rasta. Es situason e típiku di país joven, ki inda ka kaba liberta di korenti di séklus di kolonialismu.

Na mundu akadémiku Kau Berdi ta dexa konboiu di invistigason na kriolístika pasa-l dianti d’odju. Linguista ta riuni pa studa kriolu, ta kria dipartamentu, ta organiza kulókiu, ta fazi revista ku jornal sientífiku na tudu kantu di mundu, mas li nes ilha, undi ki ta papiadu un língua kriolu ki ta konsideradu kel mas antigu ki konxedu, inda prizensa di kriolu na universidadi é fraku.

Ku ilevason pa Patrimóniu Imaterial Nasional, kriolu podu na sentu, di grandi, pa dimiradu, pa sabedu del. Sta dretu. Mas nu lenbra ma língua é bibu, é ka un noson abstratu pa nu kontenpla dentu di un gaióla d’oru. Da língua kau-verdianu se statutu é ka un keston só di linguístika. É papia tanbé di nos identidadi, di unidadi di país ku di siginifikadu mas grandi di ser kau-verdianu.

Inda stadu na spera ….

Karina Moreira-Jornalista y linguista

*Dia Internasional di Língua Maternu ta kumemoradu pa lenbra di studantis ki polísia mata na 1952, pamodi es sata protestaba pa governu rakonhesi bengali komu un língua nasional na Pakiston Oriental- oxi Bangladesh.

 

No rescaldo do dia Internacional da Língua Materna

A paridade entre o Crioulo e o Português está salvaguardada desde a primeira Constituição da República de Cabo Verde. ( nº 2 do artigo 216º). No entanto este desiderato, assumido desde a independência, ainda não se concretizou. A par de alguns colóquios e das propostas de ortografias surgidos ao longo dos anos e apesar da existência de literatura em crioulo e de vários trabalhos académicos de descrição e análise de diferentes variedades da língua cabo-verdiana, a oficialização, padronização e ensino do crioulo ainda não é uma realidade.

Num país onde a proficiência tanto na língua oficial como na materna mostram sinais claros da indefinida situação sociolinguística e considerando a língua um elemento chave de identidade e unidade nacional, nesta  efeméride do *Dia Internacional da Língua Materna, celebrado a 21 de Fevereiro, os decisores políticos ainda não anunciaram medidas concretas. 

A efeméride foi notícia, mas, paradoxalmente, até mesmo os destaques noticiosos sobre as actividades alusivas ao dia chegaram quase exclusivamente em língua portuguesa. Num dia instituído para a promoção do multilinguismo e da diversidade linguística e cultural, o país não deu mostras definitivas de querer potencializar o importante activo que constituem as línguas presentes no território nacional. Foram promovidas importantes reflexões teóricas, mas é preciso passar à prática, no tocante à revisão do estatuto da língua.

No sistema educativo delineia-se a introdução de línguas estrangeiras como o inglês e o francês, no ensino básico, promovem-se cursos de mandarim, licenciaturas e mestrados em vários idiomas, mas vai-se deixando de lado o ensino formal da língua materna, que constitui a base primeira para a aquisição de qualquer outra língua. E é precisamente na educação que as consequências mais se fazem sentir. Por falta de formalização ocorrem interferências que prejudicam a proficiência dos alunos tanto em língua portuguesa como na própria língua materna.

A questão não é nova. Nos idos anos de 1924, Eugénio Tavares chamava a atenção, numa edição do jornal O Manduco, para a necessidade do estudo do Crioulo, insurgindo-se contra a designação “língua de pretos”.

“Desde que não seja possível negar que o cabo-verdiano pensa; e que dispõe de palavras para dizer o seu pensamento; e que usa regras para a arrumação dessas palavras; e que, finalmente, tais palavras e regras constituem o resultado de uma colaboração de elementos associados na colonização, - fica admitida a utilidade do estudo dessas palavras e regras, como elementos para o estudo da colonização. E, se não me ilude minha incompetência, esse estudo é que constitui a gramática”, escreveu.  

Imaginaria o patrono da nossa cultura que, volvidos quase cem anos, as suas observações seriam ainda tão pertinentes?

A perpetuação do ensino básico na língua não materna é uma violação gritante do nr. 2 do artigo 29 da Declaração Universal dos Direitos Linguísticos, sofrida por milhões de crianças em todo o mundo.

Vai-se tapando o sol com a peneira e perpetua-se um cenário linguístico característico de países jovens que ainda não se desembaraçaram totalmente das rédeas de séculos de colonialismo.

A nível académico e científico Cabo Verde vê passar o comboio das investigações em Crioulística que reúnem estudiosos, motivam a criação de departamentos, a organização de colóquios e publicações científicas nos quatro cantos do mundo. Neste pequeno arquipélago, onde se fala aquela que é considerada a mais antiga língua crioula de que se tem conhecimento, a presença do crioulo nas universidades ainda é residual.

Com a elevação a Património Imaterial Nacional, o crioulo foi posto num pedestal, como algo valioso, para ser admirado e preservado. Correcto! Mas é preciso lembrar que a língua é viva, não um conceito abstrato, algo para se vislumbrar numa gaiola dourada. Reconhecer o estatuto da língua cabo-verdiana é muito mais do que uma questão linguística. É trazer para o debate a nossa identidade, a unidade nacional, e o significado global de ser cabo-verdiano.

Mas a espera continua….

Karina Moreira-Jornalista e linguista

*O Dia Internacional da Língua Materna foi instituído em memória do trágico assassinato, em 1952, de Estudantes que protestavam contra o não reconhecimento do Bengali enquanto uma língua nacional no Paquistão Oriental- actual Bangladesh.

Comentários  

+5 # Tony 21-05-2020 00:12
Bem escrito!!! Tanto na kriolu como na português. Ta demonstra força, conhecimento e personalidade. És ka ta kre go!!!
Responder
+11 # SÓCRATES DE SANTIAGO 28-03-2020 10:04
Toy Sokols ou Toy Sako, fixa di nho dja kai. Nho nhu entende ben mensagen, anho propi ta parse ma nho é bon na kriolu di kabu Verdi. Nhu dexa di dá pa BAKAN.
Responder
-13 # Adélia Barata 28-03-2020 08:02
Gostaria de saber porque os defensores da oficialização deste suposto criolo o querem fazer copiando regras de outras línguas. Nomeadamente dda língua Portuguesa incluindo a gramática. Ou sejam rejeitam o Português porque é uma língua colonial. Contudo baseiam-se em regras coloniais para defender as suas idiotices. Primeiro o criolo é oficial, pois é a língua materna e a que os caboverdianos se comunicam entre si em CV e na Diás[censurado]. Segundo as regras do criolo se desenvolveram por si. E a beleza dessas regras é que não precisam de ser escritas para serem reconhecidas. Por exemplo a Inglaterra não tem constituição escrita e nem a "figura" do bilhete de identidade, e o país funciona. Deixem o criolo como está, com todas as suas variantes pois são expoente máximo da sua beleza e riqueza. Param com esta aberração e deixam Cabo Verde e o criolo "bai di si manera".
Responder
+10 # SÓCRATES DE SANTIAGO 26-03-2020 15:41
Toy Sokols ou Toy Sako, nhu entende, sin, mensagen. Nhu dexa di dá pa dodu i di arma en bon. Kuze ki é falantis di S,Vicenti na meiu di universu di falantis di Kabu Verdi? Na Linguístika ten un ramu ki ta txomadu Sosiolinguístika, lá, sima na Demokrasia, é MAIORIA KI TA VENSE. DIALETU DI SANTIAGU, nhós kre ou nhós ka kre, el é un DIALETU- FORSA DI KABU VERDI, EL É BAZI DI TUDU SISTEMATIZASON I PADRONIZASON DI LÍNGUA kABUVERDIANU. Si é keli ki tene nhós ku siiúmi, nhós, sampas di S.Vicenti, nhós bai txupa limon.
Responder
-14 # Toy Sokols 26-03-2020 20:04
Estás mais é a delirar! A maioria é uma farsa que só existe apenas na vossa cabeça. Um dia vocês serão apenas a maioria de vocês mesmos, seus complexados!
Responder
+15 # Marciano Ramos Morei 22-03-2020 22:55
Parabens! Forsa!
Responder
-13 # Toy Sokols 09-03-2020 17:55
Depois escrevem "serto" e "forsa" em Português! Aqui em SV jamais aceitaremos tal farsa!
Responder
+12 # Marciano Ramos Morei 24-03-2020 08:29
Kada lingua ten se fonolojia i se alfabetu. Manba bu kre pa algen ka studa otus lingua pa ka trapadja kunhesimentu di purtuges!?
Responder
-12 # Adélia Barata 28-03-2020 21:29
E vcs que são contra o Português e contra as línguas e regras dos "brancos colonizadores", utilizam entretanto as regras desses colonizadores para "venderem o vosso peixe". A riqueza é beleza do criolo é que para além de sempre ter sido a nossa "língua oficial", ao não ter regras escritas, acaba por ter essa regra... De não ter regras escritas, com base em nenhuma outra língua. É essa singularidade de nós conseguirmos comunicar numa língua com 8+ variantes sem regras escritas é que faz do criolo único. Deixem o criolo em paz. Quero ouvir 'linga de Sintanton eh um sóbura" assim como quero ouvir o badiu num funáná, o djarfogo fundo nos Estados Unidos e um gajo de Soncente ta canta um coladera na Holanda. Dja d' Sal eh doce assim moda Maio eh terra sabi. Patchim parloa de SNicolau ou um Bravense nas ruas de Boston. Bubisya que ses morna ess eh nha criolo Di meu. Kanhoss robame el só pamodi nhô kre skrebi bo alfabeto sem C... De Cabo Verde.
Responder
-15 # Toy Sokols 24-03-2020 11:01
Não entendi nada!
Responder
+11 # SÓCRATES DE SANTIAGO 23-02-2020 11:43
Ku txeu sinseridadi, N gosta di kel artigu li, pabia el skritu na nós dos língua, un maternu kelotu ofisial, mas, sobretudu, pa problema ki el ta labanta y soluson ki el ta prezenta pa kaba dibes ku situason di diglosia na Kabu Verdi, nos tera. Nos língua maternu ka ofisiakizadu inda, pamodi manha di nos pulitikus, sobretudu, kes ki sta na Parlamentu pa reprezenta- nu. Si dikretu- lei ki ta korpuriza ofisializon di nos língua ta ezigi votus ku maioria kualifikadu y revizon di kostituison, politikus ki sta nos Parlamentu ten ki fixa koragi pa faze un revizon strordinariu di nos Konstituison y vota, pa unanimidadi, na proposta di lei ki ta ofisializa nos kriolu. So asi, nu ta kria un bazi legal pa sistematiza, padroniza y insina nos língua na skola, desdi jardin ti universidadi y insina tudu kes otus kadera tanbe na lingua kabuverdianu. Nos kabuverdianu, nos e mesmu ingratu. Nes momentu ki nu sata reforsa ingles ku franses na insinu, pensa poi mandarin ku spanhol na skola, nu ta skese di kel ki e di nos, NOS LÍNGUA MATERNU. N ta konkorda ku artikulista ora ki el ta fla, ku razon, ma nos kabuverdianu nu sta inda meiu kolonizadu. Kabral dja fla- ba ma toma independênsia ka siginifika libertason total. Si burgezia, klasi dominanti ki ta dirigi país ka suisida komu klasi, djunta ku povu, identifika ku povu pa resolve ses problema y difendi ses interesi, nton, nu ta vive un SITUASON DI NEOKOLONIALISMU, ki e, sen dúvida, SITUASON KI NUS STA VIVE NES MOMENTU LI NA NOS TERA. Mantenha y un abrasu forti pa bo, Karina Moreira!
Responder
-15 # John Miller 08-03-2020 21:13
Em português escreves tanto quanto fala o tal Tranka Fulha!
Responder
+11 # Tavares 21-03-2020 16:13
Nao Miller.Estas enganado. Ela escreve bem e mt bem mm. Cuidado estas em contramao.
Responder
+15 # José Luiz Tavares 22-02-2020 14:35
Nu kaba di lansa onti na Centro Cultural de Cabo Verde em Lisboa Diklarason Universal di Direitus Linguístiku, traduson di nha otoria, idison di MNEC
Responder
0 # Michael 18-06-2020 13:52
http://santiagomagazine.cv/
Responder