Pub

hotel hilton

Mais de quatro anos após ao lançamento da primeira pedra para a construção do Hotel Hilton Praia, as obras não arrancaram devido a questões financeiras, segundo informações avançadas pelo consultor da empresa promotora do projecto.

Em conversa com a Inforpress, o representante da The Resort Group PLC em Cabo Verde, Victor Fidalgo, sublinhou que este é o problema que está a impedir a construção do hotel, cuja primeira pedra foi lançada no dia 12 de Fevereiro de 2015.

“As obras não arrancaram porque não foi possível reunir todas as condições. Como sabem para arrancar um projecto, a condição principal é o dinheiro. Portanto, a engenharia financeira ainda não está completa e não temos uma data para o arranque das obras”, disse sem entrar em detalhes.

Em Fevereiro de 2018, o The Resort Group PLC, promotora do projecto, assinou uma convenção de estabelecimento com o Governo e na altura foi anunciado que o arranque das obras seria nesse ano, dado que essa assinatura foi apontada como o elemento que faltava para se iniciar os trabalhos.

Contudo, passados mais dois anos o representante da empresa promotora do evento vem dizer que há ainda o problema financeiro a ser resolvido e que não há uma previsão para iniciar a construção.

Com um custo orçado em 45 milhões de euros, o Hilton Praia deverá gerar cerca de 150 postos de trabalho directos e terá 201 quartos, restaurantes, bares, zonas de lazer e entretenimento, piscinas gerais e privativas, SPA, health club, centro de convenção e salas de reuniões.

Para dar espaço para construção do Hotel, em Achada Santo António, nas proximidades da Assembleia Nacional e de várias representações diplomáticas acreditadas na capital cabo-verdiana, a empresa promotora construiu de raiz uma infra-estrutura para albergar a Escola de Negócios e Governo que antes funcionava no local.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar