Pub

contentor

As exportações caíram 14% em 2019, agravando o défice da balança comercial de Cabo Verde para mais de 72 milhões de escudos, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O boletim estatístico do comércio externo referente ao quarto trimestre, divulgado hoje pelo INE, refere que no acumulado do ano, as exportações de Cabo Verde ascenderam em 2019 a 6.071 milhões de escudos.

Trata-se de uma quebra de 14% nas exportações de 2019, enquanto as importações aumentaram 2,7% face a 2018, totalizando 78.301 milhões de escudos.

Com este desempenho, e incluindo ainda o saldo das reexportações, a balança comercial de Cabo Verde registou em 2019 um défice de 72.230 milhões de escudos, um agravamento de 4,4% face a 2018.

Segundo o mesmo boletim, com dados do quarto trimestre e do acumulado do ano, as exportações de Cabo Verde ascenderam a 1.684 milhões de escudos de outubro a dezembro de 2019, neste caso uma quebra de 27,2% face aos últimos três meses de 2018.

No sentido inverso, as importações aumentaram 11,3% nos últimos três meses do ano, face a 2018, para 21.877 milhões de escudos. Deste total, Portugal lidera nas vendas a Cabo Verde, com um peso de 40,9% do total das importações no quarto trimestre de 2019, uma descida de 0,7 pontos percentuais em termos homólogos, seguido dos Países Baixos e da Espanha com, respetivamente, 13,8% e 12,8% do total.

O relatório refere ainda que a Europa continua a ser o principal cliente de Cabo Verde, absorvendo praticamente 96% do total das exportações. Isoladamente, a Espanha lidera a lista dos principais compradores dos produtos de Cabo Verde, com 79,7% do total das exportações cabo-verdianas no quarto trimestre.

Ainda no mesmo período, os produtos mais exportados por Cabo Verde foram os preparados e conservas de peixes, representando 69,6% do total, os peixes, crustáceos e moluscos, com 6,7%, e o vestuário, com um peso de 9,7%.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar