Pub

 Cabnave

O ministro da Economia Marítima, Paulo Veiga, disse esta segunda-feira, 20 de janeiro, que o Governo está à procura de privados com capacidade para investir até 12 milhões de euros no único estaleiro naval do país (CABNAVE).

"A CABNAVE tem vindo a melhorar ultimamente, prevê-se um investimento entre os seis e 12 milhões de euros, dependendo do que se tencionar e os estudos vão indicar nesse sentido", disse o ministro à agência Lusa, a propósito do processo de privatização dos estaleiros navais, situados na ilha de São Vicente.

Paulo Veiga disse que o processo de privatização está a ser preparado pela Unidade de Acompanhamento do Setor Empresarial do Estado (UASE), do Ministério das Finanças, e o objetivo é encontrar um parceiro "com conhecimento e especializado no setor" para fazer esses investimentos necessários.

A ideia, prosseguiu o governante, é fazer com que os estaleiros possam ter "uma dimensão mais internacional".

"A CABNAVE carece de investimentos neste momento, carece de uma internacionalização, ou pelo menos regionalização, para captar mais receitas", sustentou Paulo Veiga, que espera que a privatização seja concluída ainda este ano.

"O objetivo é este, mas estes processos levam o seu tempo, às vezes há reclamações. Eu prefiro, quando o processo for lançado, ver todas as etapas para propor um prazo, mas temos como objetivo, concluir ainda neste mandato", previu o ministro.

O mandato do atual Governo de Cabo Verde termina no primeiro semestre de 2021.

Os estaleiros navais estão na lista das 23 empresas públicas que o Governo cabo-verdiano quer reestruturar ou privatizar até 2021, pretendendo arrecadar 90 milhões de euros.

Num processo iniciado há dois anos, a única privatizada até agora foi a companhia aérea TACV, em 51% à Lofleidir Cabo Verde, uma empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF e em 30% por empresários islandeses com experiência no setor da aviação.

O Governo cabo-verdiano também pretende vender ou concessionar empresas ligadas aos setores da água e energia (Electra), telecomunicações (NOSi e CV Telecom), portos (ENAPOR), aeroportos (ASA), produção e comercialização de medicamentos (Emprofac), imobiliária (IFH), correios, Escola de Hotelaria e Turismo, seguro (Promotora).

Um dos objetivos do executivo de Ulisses Correia Silva, suportado pelo Movimento para a Democracia (MpD), com as privatizações é aumentar a eficiência, produtividade e competitividade da economia e das empresas, criar novas oportunidades de negócio, atrair o setor privado, modernizar o tecido empresarial, reduzir o peso do Estado e da dívida pública na economia e defesa do património do Estado.

Paulo Veiga, que desempenhava as funções de secretário de Estado da Economia Marítima desde janeiro de 2018, assumiu na semana passada esta pasta ministerial, depois da saída, por razões pessoas, de José Gonçalves, que tutelava o Turismo e Transportes e a Economia Marítima.

A pasta do Turismo e Transportes foi assumida pelo economista Carlos Santos.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar