Pub

13 DE JANEIRO

O Estado vai tentar vender em hasta pública, esta sexta-feira, 17, o navio “13 de Janeiro”, que chegou a servir as ligações interilhas, quase seis anos depois de outro concurso com o mesmo objectivo ter ficado deserto.

De acordo com o edital do concurso lançado pela Direção Geral do Património e da Contratação Pública de Cabo Verde, consultado hoje pela Lusa, o preço base para a alienação do navio, originalmente de carga, com 45 metros de comprimento e construído em 1993, é de 24,8 milhões de escudos (224 mil euros).

Este valor fica ligeiramente abaixo dos 25 mil contos (225,8 mil euros) do negócio que em 2014 o Estado fez com a sociedade armadora Aliseu, imediatamente depois do concurso público para a sua venda não ter recebido propostas.

Depois de o comprar ao Estado, aquele armador acabaria por colocar o navio ao serviço das ligações interilhas em Cabo Verde em 2014. Contudo, o navio voltaria, entretanto, para a posse do Estado.

O concurso para esta nova tentativa de alienação define que a adjudicação da venda, em leilão, será feita ao concorrente que apresentar a “melhor oferta aceitável”, ficando obrigado a pagar 25% do valor no ato da arrematação do navio.

O “13 de Janeiro” encontra-se nos estaleiros navais da Cabnave, em São Vicente, porto onde está registado, e o leilão vai decorrer também no Mindelo, esta sexta-feira, 17.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar