Pub

josé gonçalves

Ministro do Turismo e Transportes, José Gonçalves, garantiu esta quarta-feira, 8, no Parlamento, que a Cabo Verde Airlines transportou, no mês de Dezembro, 10.100 passageiros, em 48 voos semanais realizados para 12 destinos internacionais.

Os números foram apresentados aos deputados pelo governante para justificar a opção de privatização, em março de 2019, da então estatal Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV), que operava apenas com um Boeing e dois ATR, face aos atuais seis Boeing da Cabo Verde Airlines.

“Para além de ganhos comerciais, esta solução trouxe também enormes ganhos financeiros para o país”, enfatizou, aludindo aos mais de 3.000 milhões de escudos (27 milhões de euros) com que o Estado subsidiava a TACV, "para manter um Boeing e dois ATR a voarem, enquanto o país ficava refém, sem ajuda orçamental dos parceiros durante anos, até resolver definitivamente este enorme problema".

A intervenção marcou a abertura, esta manhã, da primeira sessão plenária da Assembleia Nacional em 2020, tendo o ministro do Turismo e Transportes sido indicado pelo Grupo Parlamentar do PAICV para o instituto de debates com ministros, previsto no regimento parlamentar.

Em Março do ano passado, o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da TACV por 1,3 milhões de euros à Lofleidir Cabo Verde, uma empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF e em 30% por empresários islandeses com experiência no sector da aviação. Foi ainda prevista a venda de 10% da companhia a trabalhadores e emigrantes e os 39% restantes por outros investidores. Para o Governo, a alternativa à privatização seria a sua liquidação, a qual custaria mais de 181 milhões de euros.

Hoje no Parlamento, o governante sublinhou os 10.100 passageiros transportados por semana, em Dezembro, pela companhia cabo-verdiana, que após a privatização deixou as ligações aéreas domésticas para se concentrar nas ligações internacionais e no ‘hub’ instalado na ilha do Sal: “É evidente que o 'hub' aéreo está em franca expansão”.

Em Dezembro passado, a administração da Cabo Verde Airlines anunciou à Lusa que aumentou para quase 200.000 passageiros transportados nos primeiros oito meses, após o processo de privatização que levou à venda de 51% do capital social da antiga TACV a investidores islandeses. Os números traduzem-se num crescimento de 85,4% do total de passageiros transportados, face ao mesmo período de 2018.

Entre Março e Outubro de 2018, a então TACV transportou 107.027 passageiros, enquanto que em igual período deste ano, a agora Cabo Verde Airlines registou 198.457 passageiros.

A frota actual da companhia é composta por Boeing 757-200, garantindo ligações do arquipélago para, nomeadamente, Dacar, Lisboa, Paris, Milão, Roma, Boston, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Salvador, Lagos e Washington. De acordo com a administração, a companhia perspetiva viajar para Luanda (Angola), bem como outros destinos na África Ocidental, para outras cidades de Portugal, incluindo o Porto, e para Toronto (Canadá).

A estratégia da companhia passa pela instalação, em curso, do ‘hub’ aéreo no aeroporto internacional Amílcar Cabral, Espargos, na ilha do Sal, fazendo a interligação entre voos da África, Europa, Estados Unidos e Brasil.

A Lusa noticiou anteriormente que a Cabo Verde Airlines prevê faturar quase 82 milhões de euros este ano, valor que espera quintuplicar até 2023, para 422 milhões de euros, segundo as projeções da companhia aérea, conforme informação institucional preparada no âmbito da venda de 7,65% do capital social aos emigrantes, concretizada em Dezembro.

De acordo com os mesmos dados, a administração da companhia prevê faturar mais de 9.015 milhões de escudos (81,9 milhões de euros) em 2019, valor que deverá subir para 23.473 milhões de escudos (213,2 milhões de euros) em 2020 e para mais de 46.450 milhões de escudos (422 milhões de euros) em 2023.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar