Pub

 balança corrente

O aumento da exportação de serviços cabo-verdianos permitiu reduzir o défice da balança corrente para 26,2 milhões de euros de janeiro a setembro, três vezes inferior ao mesmo período de 2018, segundo o banco central.

A informação consta do comunicado do Comité de Política Monetária (CPM) do Banco de Cabo Verde, que se reuniu no final de novembro e que concluiu pela recomendação ao conselho de administração da “manutenção da atual orientação da política monetária”.

Segundo o comunicado final, a que a Lusa teve hoje acesso, o CPM “avaliou favoravelmente” o desempenho da economia nacional, “que terá mantido uma boa dinâmica no terceiro trimestre, de acordo com a evolução dos indicadores de tendência da atividade económica”.

O documento realça igualmente “o crescimento comedido do índice de preços no consumidor, cuja taxa de variação média anual se fixou nos 1,1% em outubro”, bem como a “melhoria da balança corrente”, com um défice de 2.908 milhões de escudos (26,2 milhões de euros) nos primeiros três trimestres do ano.

“Valor três vezes inferior ao registado em período homólogo, reflexo, sobretudo, do aumento das exportações de serviços”, destaca o comunicado do CPM, que refere igualmente o aumento das reservas oficiais do país – em moeda estrangeira, necessárias para a importação de bens e matéria-prima - em cerca de 92 milhões de euros.

O CPM conclui pelo “bom desempenho da balança corrente” e pelo “crescimento significativo dos desembolsos da dívida pública externa”, o que “determinou a expansão da oferta monetária nos primeiros dez meses do ano”.

Esta conjuntura permitiu o crescimento do ‘stock’ do crédito ao setor privado em 1,8% e de redução da taxa média de juros aplicada nas operações de empréstimos na ordem dos 0,61 pontos percentuais.

A próxima reunião ordinária deste órgão do banco central cabo-verdiano está prevista para 28 de janeiro de 2020, continuando o CPM a “monitorar” os indicadores macrofinanceiros e os fatores de risco aos equilíbrios interno, como a tendência da inflação, e externo, a evolução das reservas externas oficiais, “para em caso de necessidade intervir no sentido da sua mitigação”.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar