Pub

foto pca1

A ASA está a comemorar este ano a chegada ao Sal do primeiro voo comercial da história deste país, há 80 anos. Muitas actividades estão programadas para assinalar a efeméride e acontecem de Outubro até Dezembro.

Comemora-se, este ano, os 80 anos do primeiro voo comercial para a ilha do Sal, ocorrido no dia 15 de Dezembro de 1939. Sendo uma data tão marcante, a ASA não quer deixar passar em branco a efeméride, pelo que programou uma série de eventos que, a partir deste mês de Outubro até Dezembro, vão celebrar o dia mais importante na história da aviação civil em Cabo Verde - o primeiro voo comercial.
Na verdade, a comemoração dos 80 anos do primeiro voo comercial para a ilha do Sal teve início no passado dia 2 de Outubro, com o lançamento da foto da família aeroportuária do Aeroporto Internacional Amilcar Cabral nas redes sociais (Facebook e Instagram) e no website da ASA.

Mas estão programados para as próximas semans diversos eventos culturais dentro do aeroporto, como exposições de arte, shows, pequenas apresentações, conferências internacionais, entre outras atividades que serão anunciadas oportunamente.

A comemoração, segundo um Press Release da ASA, envolve não só os colaboradores da ASA, mas toda a comunidade aeroportuária, a população do Sal, representações governamentais, bem como entidades ligadas ao sector aeronáutico e ao Turismo.

E como tudo começou? De acordo com a ASA, o início da história dos voos comerciais para o Sal remonta aos anos 30, "quando no mercado latino-americano já operavam a Air France e a Lufthansa (Alemanha), enquanto a Pan American tentava estender a sua rede e aumentar a influência da aviação comercial dos Estados Unidos nas regiões da América Central e do Sul. Mostrava-se, portanto, crucial e urgente, a abertura de uma linha aérea que ligasse a Itália à América".

"Numa época em que não era possível a realização de ligações aéreas de longo curso, Cabo Verde, pela sua localização geoestratégica, surgiu no radar dos italianos como uma excelente opção de escala regular na ligação entre a Europa e a América do Sul. Foi, então, criada uma base na ilha do Sal, que foi denominada de Aeroporto de Espargos", informa o presidente do Conselho de Administração da ASA, Jorge Benchimol Duarte, num comunicado proferido esta manhã.

E foi então que, após alguns voos experimentais, "no dia 15 de dezembro de 1939, o avião SM 83 I-AZUR, comandado por Gori Castellani, aterrava na base em Espargos, numa escala da primeira travessia atlântica oficial da LATI (Linhas Aéreas Transcontinentais Italianas)", conta Duarte.

Era a inauguração da Linha Aérea do Sul do Atlântico, que tinha um serviço semanal, operando de Roma a Buenos Aires, passando por Sevilha, Vila Cisneros (Marrocos), Ilha do Sal e Recife, de onde seguia para o Rio de Janeiro. A ligação América do Sul – Itália seguia o percurso inverso.

"O primeiro voo com carácter comercial e que se previa regular, marcou a aviação em Cabo Verde e levou ao desenvolvimento do atual Aeroporto Internacional Amílcar Cabral (AIAC), por onde circulam mais de um milhão de passageiros por ano. O Aeroporto do Sal é hoje uma privilegiada porta de entrada e saída de e para a Europa, América e África", reconhece o PCA da ASA, para quem "o 80º Aniversário do primeiro voo comercial para o Sal merece ser celebrado por toda a comunidade aeroportuária, pelos salenses e por toda a nação cabo-verdiana".



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar