Pub

Assinatura Contrato Gestão GovernoCV Icelandair Group

Agora é oficial: a Loftleider Icelandic, do grupo Icelandair, vai passar a gerir os destinos da TACV Internacional nos próximos tempos, praticamente nos moldes como anunciara Santiago Magazine em Junho e que o Governo fez questão de desmentir, tentando descredibilizar este diário digital.

A assinatura do contrato de gestão com a Loftleider Icelandic do grupo Icelandair é a “medida fundamental” para o sucesso da reestruturação da TACV e “peça essencial” na criação do negócio hub aéreo em Cabo Verde, considera o Governo.

Ao intervir durante a cerimónia de assinatura do contrato, hoesta manhã, 10, na Cidade da Praia, o ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, disse que o Executivo foi procurar um parceiro internacionalmente “reconhecido” pelo seu “know how” e pela experiência comprovada no negócio do “hub” aéreo.

Que parceiro? A Loftleider Icelandic, empresa do universo Icelandair, a companhia islandesa que este jornal avançara a 27 de Junho ter chegado a acordo com o Governo para a privatização da TACV. Na altura, tanto o ministro da Economia, José Gonçalves, quanto a Administração da transportadora aérea cabo-verdiana e um director financeiro da Icelandair fizeram questão de desmentir a notícia sobre a existência de um memorando com a operadora islandesa para adquirir a TACV Internacional. E eis que a mentira da imprensa começa milagrosamente a transformar-se em verdade – a Icelandair, por via da sua subsidiária Loftleider Icelandic vai gerir a TACV Internacional durante um ano até que seja consumada a venda de 49% das acções da companhia cabo-verdiana - e o desmentido do Governo, prontamente ripostado por Santiago Magazine, já, já será uma falsidade. 

“Estamos confiantes que com a forte parceria do grupo Icelandair, liderado pela sua companhia ponta de lance nos negócios internacionais, a Loftleider Icelandic, a TACV tem hoje as condições básicas para dar corpo ao novo modelo de negócio que se pretende bem-sucedido nos moldes que tem sido feito pelo grupo Icelandair”, augurou o ministro José Gonçalves.

De acordo com o governante, o acordo que tem a duração de um ano, prevê mudanças substanciais no modelo de gestão da empresa que terá por base um plano de negócio acordado entre as partes com o objectivo de não apenas concluir o processo de reestruturação da TACV, mas sobretudo, transformar Cabo Verde num “hub” de operação aérea no atlântico médio.

Já a partir de segunda-feira, 14, esse plano de negócio começa a ser implementado e, segundo José Gonçalves, haverá uma fase de redimensionamento da empresa e seu posicionamento para relançar o novo negócio do “hub” aéreo.

A empresa vai avançar já com dois aparelhos boeing 757, mas o plano de negócios prevê até 11 aviões para Cabo Verde.

“Muito brevemente a TACV deixará de ser um fardo e uma fonte de preocupação e dívida para o Estado e passa a ser um modelo de economia e gestão optimizada para melhor servir o país e os seus clientes”, disse.

Da parte do grupo Icelandair, o vice-presidente sénior da Loftleider Icelandic, Erlendur Svavarsson, que assinou o acordo, prometeu todo o empenhamento e profissionalismo na implementação do plano de negócio para responder à pretensão do Governo de transformar a TACV num “hub” aéreo cabo-verdiano.

Erlendur Svavarsson demonstrou-se confiante no sucesso da implementação do plano de negócio acordado. Formada em 2002 a Loftleider Icelandic pertence ao grupo Icelandair, holding do sector da aviação da Islândia, país europeu que fica no Atlântico Norte e que tem uma experiência exemplar no ramo ao ter-se convertido num “hub”, um centro de convergência de transportes aéreos entre Europa e América.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Paulo De Carvalho 11-08-2017 16:10
A mentira continua a ser mentira pq dantes tinham dito que a empresa tinha sido vendida a Icelandair e a Sata.
Responder
+2 # djambó 12-08-2017 14:35
A mentira virou verdade e a verdade virou mentira sim Sr. Porque sempre ele disse que o principal comprador era a Icelandair, a Sata participava no negócio. A SATA pode desistir do negócio no decorrer das negociações.

Este Jornalista, quer queiram ou não, é o maior jornalista de momento em Cabo Verde.

Ele não é pau mandado. É pena não temos mais dois igual a ele. Certeza cabo Verde saíria a ganhar.

Força a vitória é certa
Responder
-2 # KGB 11-08-2017 12:10
És o jornalista mais palerma jamais visto por estas bandas.
Responder
0 # Sonhador 16-08-2017 00:05
Ah, então para criticar basta usar iniciais...
Quem dera as pessoas de coragem fossem iguais aos jornalistas que além de darem nomes ao que publicam, ainda se responsabilizam pela veracidade das informações diante das agências reguladoras!
Ah, mas ser covarde, basta querer, e ter iniciais para tal (não necessita iniciativa!(
Responder
+2 # Guilherme Teixeira 11-08-2017 08:10
Força ai go Magazine pela excelente trabalho, rigor, isenção e transparência na informação, é disso que a sociedade precisa. O Governo havia desmentido o negocio com Icelandair.

E AGORA GOVERNO? SEJAMOS SÉRIOS SENHORES GOVERNANTES!
Responder
+3 # djambó 10-08-2017 16:38
Continuas a fazer o seu trabalho de investigação. É pena os jornalista em Cabo Verde não fazem igual a si.

Se fosse os jornalistas a 1.ª força a situação de Cabo Verde era outra

Força em nome de Cabo Verde

Bem aja
Responder